Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Alexandre diz que é dever da Justiça combater criminalidade organizada

SXC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


13/10/2020 | 15:37


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a Justiça tem o dever de combater as organizações criminosas que operam o tráfico de drogas no País.

"A criminalidade organizada que comanda o tráfico de drogas é um câncer que precisa ser extirpado. É responsável pela maioria dos homicídios no país. Jamais permitiremos que continuem a escravizar as comunidades e os brasileiros de bem. A Justiça tem o dever de combater esse mal", escreveu o ministro nesta segunda-feira, 12, em sua conta no Twitter.

A manifestação vem às vésperas do julgamento, pelo plenário do Supremo, sobre a soltura de André do Rap, um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC). O colegiado vai decidir nesta quarta-feira, 14, se referenda o entendimento do presidente da Corte, Luiz Fux, e mantém a decisão que derrubou a liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello para autorizar o narcotraficante a deixar a prisão.

Ao fundamentar o habeas corpus, Marco Aurélio afirmou que o prazo para manutenção da prisão preventiva foi esgotado e que a continuidade da medida cautelar era ilegal uma vez que não houve decisão judicial decretando sua renovação nos últimos 90 dias - conforme prevê a legislação desde que foi aprovado o Pacote Anticrime.

Associações de procuradores e juízes federais criticaram o ministro e afirmaram que Marco Aurélio possui uma posição ''isolada'' sobre a interpretação do texto que determina a revisão das preventivas.

Em entrevista ao Estadão após ter a decisão derrubada, o ministro defendeu os fundamentos do habeas corpus e acusou Fux de ''autofagia''. "É lamentável, gera uma insegurança enorme e acaba por confirmar a máxima popular cada cabeça uma sentença", afirmou. "Está claríssimo no preceito (lei anticrime) que hoje a prisão dura por 90 dias podendo pelo juiz da causa ser renovada em ato fundamentado. E o próprio preceito culmina para o caso de não ser renovada a ilegalidade. Cansei de decidir dessa forma", completou o ministro.

O julgamento desta quarta deve esclarecer divergências sobre os prazos e competência para decidir sobre as preventivas. Há juristas, a exemplo do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, que defendem que tribunais superiores se abstenham de decidir sobre a revisão de prisões preventivas decretadas em primeira instância. Na avaliação desta corrente, caso acionados, os tribunais devem provocar os juízos responsáveis por impor a cautelar a se manifestarem no lugar de decidirem por uma soltura automática.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alexandre diz que é dever da Justiça combater criminalidade organizada


13/10/2020 | 15:37


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a Justiça tem o dever de combater as organizações criminosas que operam o tráfico de drogas no País.

"A criminalidade organizada que comanda o tráfico de drogas é um câncer que precisa ser extirpado. É responsável pela maioria dos homicídios no país. Jamais permitiremos que continuem a escravizar as comunidades e os brasileiros de bem. A Justiça tem o dever de combater esse mal", escreveu o ministro nesta segunda-feira, 12, em sua conta no Twitter.

A manifestação vem às vésperas do julgamento, pelo plenário do Supremo, sobre a soltura de André do Rap, um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC). O colegiado vai decidir nesta quarta-feira, 14, se referenda o entendimento do presidente da Corte, Luiz Fux, e mantém a decisão que derrubou a liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello para autorizar o narcotraficante a deixar a prisão.

Ao fundamentar o habeas corpus, Marco Aurélio afirmou que o prazo para manutenção da prisão preventiva foi esgotado e que a continuidade da medida cautelar era ilegal uma vez que não houve decisão judicial decretando sua renovação nos últimos 90 dias - conforme prevê a legislação desde que foi aprovado o Pacote Anticrime.

Associações de procuradores e juízes federais criticaram o ministro e afirmaram que Marco Aurélio possui uma posição ''isolada'' sobre a interpretação do texto que determina a revisão das preventivas.

Em entrevista ao Estadão após ter a decisão derrubada, o ministro defendeu os fundamentos do habeas corpus e acusou Fux de ''autofagia''. "É lamentável, gera uma insegurança enorme e acaba por confirmar a máxima popular cada cabeça uma sentença", afirmou. "Está claríssimo no preceito (lei anticrime) que hoje a prisão dura por 90 dias podendo pelo juiz da causa ser renovada em ato fundamentado. E o próprio preceito culmina para o caso de não ser renovada a ilegalidade. Cansei de decidir dessa forma", completou o ministro.

O julgamento desta quarta deve esclarecer divergências sobre os prazos e competência para decidir sobre as preventivas. Há juristas, a exemplo do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, que defendem que tribunais superiores se abstenham de decidir sobre a revisão de prisões preventivas decretadas em primeira instância. Na avaliação desta corrente, caso acionados, os tribunais devem provocar os juízos responsáveis por impor a cautelar a se manifestarem no lugar de decidirem por uma soltura automática.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;