Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros de curto e médio prazo sobem com correção e longos ficam estáveis

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/07/2018 | 17:11


Os juros futuros de curto e médio prazos fecharam a sessão regular em alta moderada, enquanto os longos encerraram praticamente estáveis. A quarta-feira, 18, de agenda esvaziada, teve liquidez reduzida e oscilação restrita das taxas. Profissionais da área de renda fixa atribuíram o avanço nos contratos até janeiro de 2021 a uma realização de lucros leve, considerando que na terça-feira as taxas haviam cedido sob influência do discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. Os contratos de longo prazo ficaram mais ancorados, diante do câmbio bem comportado e bom humor externo, a despeito das incertezas do quadro eleitoral.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou na máxima de 6,740%, ante 6,718% no ajuste de terça-feira, e o DI para janeiro de 2020 encerrou com taxa de 8,15%, de 8,08% na terça no ajuste. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou em 9,16% (máxima), de 9,11% na terça no ajuste, e a do DI para janeiro de 2023 subiu de 10,57% para 10,59%. A do DI para janeiro de 2025 passou de 11,25% para 11,24%.

"Tivemos uma volatilidade fraquíssima hoje (quarta) e pouca novidade no noticiário. O mercado parece estar aguardando a definição nas alianças (para a eleição presidencial) para se posicionar. Este é driver importante. Passada a Copa, o mercado olha agora para essa movimentação e para os programas dos candidatos", afirmou o estrategista da BGC Partners Juliano Ferreira.

As atenções estão especialmente voltadas para a definição sobre qual pré-candidato terá o apoio do chamado Centrão - Solidariedade, PRB, DEM e PP -, que tem sido disputado especialmente entre Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Já o deputado Jair Bolsonaro (PSL) parece ter dificuldades em encontrar um vice para sua chapa. O Partido Republicano Progressista (PRP) recusou indicar o nome do general da reserva Augusto Heleno para a vaga de vice na chapa encabeçada pelo deputado para a disputa à Presidência. No dia anterior, o parlamentar havia indicado que anunciaria Heleno como vice ainda nesta quarta-feira.

Nos demais ativos, o Ibovespa ampliou a queda na última hora e renovou mínimas. Às 16h43, caía 1,07%, aos 77.298,13 pontos. E o dólar reduziu as perdas. No segmento à vista, caía 0,14%, aos R$ 3,8395.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros de curto e médio prazo sobem com correção e longos ficam estáveis


18/07/2018 | 17:11


Os juros futuros de curto e médio prazos fecharam a sessão regular em alta moderada, enquanto os longos encerraram praticamente estáveis. A quarta-feira, 18, de agenda esvaziada, teve liquidez reduzida e oscilação restrita das taxas. Profissionais da área de renda fixa atribuíram o avanço nos contratos até janeiro de 2021 a uma realização de lucros leve, considerando que na terça-feira as taxas haviam cedido sob influência do discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. Os contratos de longo prazo ficaram mais ancorados, diante do câmbio bem comportado e bom humor externo, a despeito das incertezas do quadro eleitoral.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou na máxima de 6,740%, ante 6,718% no ajuste de terça-feira, e o DI para janeiro de 2020 encerrou com taxa de 8,15%, de 8,08% na terça no ajuste. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou em 9,16% (máxima), de 9,11% na terça no ajuste, e a do DI para janeiro de 2023 subiu de 10,57% para 10,59%. A do DI para janeiro de 2025 passou de 11,25% para 11,24%.

"Tivemos uma volatilidade fraquíssima hoje (quarta) e pouca novidade no noticiário. O mercado parece estar aguardando a definição nas alianças (para a eleição presidencial) para se posicionar. Este é driver importante. Passada a Copa, o mercado olha agora para essa movimentação e para os programas dos candidatos", afirmou o estrategista da BGC Partners Juliano Ferreira.

As atenções estão especialmente voltadas para a definição sobre qual pré-candidato terá o apoio do chamado Centrão - Solidariedade, PRB, DEM e PP -, que tem sido disputado especialmente entre Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Já o deputado Jair Bolsonaro (PSL) parece ter dificuldades em encontrar um vice para sua chapa. O Partido Republicano Progressista (PRP) recusou indicar o nome do general da reserva Augusto Heleno para a vaga de vice na chapa encabeçada pelo deputado para a disputa à Presidência. No dia anterior, o parlamentar havia indicado que anunciaria Heleno como vice ainda nesta quarta-feira.

Nos demais ativos, o Ibovespa ampliou a queda na última hora e renovou mínimas. Às 16h43, caía 1,07%, aos 77.298,13 pontos. E o dólar reduziu as perdas. No segmento à vista, caía 0,14%, aos R$ 3,8395.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;