Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ferrovia que separa as Coréias começa a ser reconstruída


Do Diário do Grande ABC

18/09/2000 | 14:59


A Coréia do Sul iniciou, nesta segunda, a reconstruçao de uma ferrovia, através da fronteira mais fortificada do mundo, com o objetivo de iniciar o comércio com a Coréia do Norte, assim como incentivar suas relaçoes com os mercados da China e da Rússia.

A ferrovia, cujo término da obra está previsto para daqui um ano, unirá a capital do Sul, Seul, a do Norte, Pyongyang. Paralelamente, a ferrovia também será construída uma rodovia.

Será o primeiro passo no transporte direto entre as duas Coréias desde a guerra de 1950-53 e também um novo avanço entre os dois inimigos da Guerra Fria.

O presidente sul-coreano Kim Dae-jung assistiu a cerimônia do início das obras em Imjingak, uma aldeia ao Sul da zona desmilitarizada, que vem separando as Coréias desde a divisao da península em 1945 e a guerra de 1950/53.

''Hoje começamos a reunir a nossa pátria dividida'', disse Kim, em discurso na televisao. ''Durante meio século, a ferrovia cortada foi um símbolo da divisao nacional e da Guerra Fria''.

No histórico acordo de Pyongyang, realizado no mês passado, os dois países resolveram que esta ferrovia deveria ser reconstruída.

As linhas férreas chegam até Shinuiju, que é uma importante cidade no Norte com a China, e que foram usadas, pela última vez, um pouco antes do começo da Guerra da Coréia. Até agora, o único vínculo entre os dois países tem sido um atalho, fortemente vigiado, que chega até a aldeia de Panmunjom, único ponto de contato entre a Coréia Ocidental e a comunista.

Uma locomotiva de vapor soltou o seu tradicional apito e rodou sobre os trilhos, apenas vinte e cinco metros, colocados para a cerimônia de inauguraçao da obra. O maquinista Han Joon-ki, 73 anos, que foi o último condutor a trafegar pela ferrovia antes de ser fechada, foi que operou o trem.

As Coréias devem anunciar como a ferrovia e a rodovias serao usadas. As autoridades da Coréia do Sul prevêem que no primeiro momento a ferrovia deve ser usada para transporte porte de cargas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ferrovia que separa as Coréias começa a ser reconstruída

Do Diário do Grande ABC

18/09/2000 | 14:59


A Coréia do Sul iniciou, nesta segunda, a reconstruçao de uma ferrovia, através da fronteira mais fortificada do mundo, com o objetivo de iniciar o comércio com a Coréia do Norte, assim como incentivar suas relaçoes com os mercados da China e da Rússia.

A ferrovia, cujo término da obra está previsto para daqui um ano, unirá a capital do Sul, Seul, a do Norte, Pyongyang. Paralelamente, a ferrovia também será construída uma rodovia.

Será o primeiro passo no transporte direto entre as duas Coréias desde a guerra de 1950-53 e também um novo avanço entre os dois inimigos da Guerra Fria.

O presidente sul-coreano Kim Dae-jung assistiu a cerimônia do início das obras em Imjingak, uma aldeia ao Sul da zona desmilitarizada, que vem separando as Coréias desde a divisao da península em 1945 e a guerra de 1950/53.

''Hoje começamos a reunir a nossa pátria dividida'', disse Kim, em discurso na televisao. ''Durante meio século, a ferrovia cortada foi um símbolo da divisao nacional e da Guerra Fria''.

No histórico acordo de Pyongyang, realizado no mês passado, os dois países resolveram que esta ferrovia deveria ser reconstruída.

As linhas férreas chegam até Shinuiju, que é uma importante cidade no Norte com a China, e que foram usadas, pela última vez, um pouco antes do começo da Guerra da Coréia. Até agora, o único vínculo entre os dois países tem sido um atalho, fortemente vigiado, que chega até a aldeia de Panmunjom, único ponto de contato entre a Coréia Ocidental e a comunista.

Uma locomotiva de vapor soltou o seu tradicional apito e rodou sobre os trilhos, apenas vinte e cinco metros, colocados para a cerimônia de inauguraçao da obra. O maquinista Han Joon-ki, 73 anos, que foi o último condutor a trafegar pela ferrovia antes de ser fechada, foi que operou o trem.

As Coréias devem anunciar como a ferrovia e a rodovias serao usadas. As autoridades da Coréia do Sul prevêem que no primeiro momento a ferrovia deve ser usada para transporte porte de cargas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;