Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Espera por prótese dentária
chega a seis meses na região

Lentidão é maior em Santo André, seguida por S.Bernardo,
onde demora é de até três meses, São Caetano e Diadema


Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

14/06/2012 | 07:00


Pacientes da região que necessitam de próteses dentárias parciais - as chamadas pontes - ou totais - as dentaduras - enfretam espera de até seis meses para ter o sorriso renovado. A lentidão é maior em Santo André, seguido por São Bernardo, onde a demora é de até três meses. Em São Caetano e Diadema o prazo é inferior a 30 dias.

A equipe do Diário esteve ontem no CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) de Santo André, localizado no Centro. Segundo atendentes, a espera é longa porque depende do encaminhamento feito pela Central de Regulação de Vagas do município. A aposentada Madalena da Paz, 70 anos, demorou três meses para conseguir consulta no posto de Saúde. Só depois recebeu encaminhamento ao especialista para iniciar a reestruturação de três dentes. "O atendimento é ótimo, mas demora demais e não sabemos o motivo." A Prefeitura não informou a fila de espera.

Em São Bernardo, desde a inauguração do Laboratório de Próteses Dentárias, em abril do ano passado, a procura por implantes de dentaduras gratuitos disparou na cidade. Atualmente 1.000 pessoas aguardam o procedimento. O tempo de espera inclui avaliação bucal, moldagem da boca e implantação da peça. Em toda região, são entregues aproximadamente 850 próteses dentárias por mês. São 400 em São Caetano, 240 em São Bernardo, 150 em Diadema e 54 em Santo André. Mauá e Ribeirão Pires não contam com o serviço.

A coordenadora do único CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) de São Bernardo, localizado no bairro Nova Petrópolis, atribui o acúmulo da demanda ao acesso facilitado ao serviço em todas as regiões da cidade por meio do PSF (Programa Saúde da Família). O trabalho das equipes de Saúde bucal contribuiu para aumento da procura. "O serviço público ofertava apenas extração dentária e deixava a reabilitação por conta do paciente, que muitas vezes não tinha condições financeiras de arcar com a despesa. A estratégia do PSF abriu muitas vagas, mas o CEO não cresceu na mesma proporção que os dentistas da atenção básica", explica Rosana de Vitto.

A Prefeitura de São Bernardo planeja entregar dois outros CEOs na cidade, nos bairros Alvarenga e Silvina. O primeiro até o fim do ano e o segundo no fim do primeiro semestre de 2013. "Assim vamos trabalhar com mais folga, mas zerar a fila é impossível. Acredito que após a primeira inauguração, a demanda caia pela metade", estima.

A maioria dos pacientes tem entre 70 e 80 anos. Hoje, a extração do dente só é utilizada em último caso. A prevenção ganhou importância nos postos de Saúde e até a solicitação por próteses parciais tem crescido mais do que as totais.

Centro Odontológico de São Caetano atende 800 por dia

São Caetano é a cidade que tem maior índice mensal de distribuição de próteses dentárias gratuitas na região. O número oscila entre 350 e 400.

O Centro Ondontológico, inaugurado em 2004 e situado no bairro Nova Gerty, tem 17 consultórios e recebe até 800 pacientes por dia. O endereço é Rua Lourdes, 515, e o atendimento é realizado das 7h às 21h30. A informação é da coordenadora da unidade, Natércia Faria. "Às 7h já está cheio. Hoje as pessoas estão mais preocupadas com a Saúde bucal e também têm maior acesso ao serviço por meio dos agentes de Saúde", explica.

A aposentada Maria Stela Monteiro, 76 anos, voltou a sorrir há quatro anos. Além de melhorar a estética, pôde mudar a alimentação. "Acabou o incômodo e melhorou a autoestima", comenta. Ontem, ela voltou à unidade para fazer ajustes na peça. O serviço indica a troca da prótese a cada quatro anos. Aqueles que têm essa recomendação não precisam entrar na fila novamente.

Depois da cirurgia, há o período de adaptação. "É um corpo estranho na boca, mas não há como ter rejeição", esclarece a coordenadora. Além da procura pelo serviço de prótese dentária, os tratamentos mais procurados na unidade são de canal e de periodontia (gengiva). O munícipe que tiver interesse deve marcar consulta em um dos 11 postos de Saúde da cidade para ter encaminhamento ao centro odontológico. A rede municipal conta atualmente com 70 dentistas.

Em Mauá, uma das duas cidades que não contam com o atendimento, além de Ribeirão Pires, a expectativa é inaugurar o serviço até o fim do primeiro trimestre de 2013. Rio Grande da Serra não respondeu ao Diário.

Diadema amplia distribuição em oito vezes

Desde julho, o CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) do Quarteirão da Saúde de Diadema ampliou em oito vezes o número de atendimentos a pacientes que necessitam de prótese dentária no município.

Das 20 peças antes ofertadas mensalmente, o CEO passou a entregar média de 150, sendo 100 dentaduras e 50 próteses removíveis (pontes). O equipamento tem nove consultórios e equipe formada por 16 cirurgiões-dentistas.

Até a inauguração do Quarteirão da Saúde, em 2008, o atendimento era realizado nas antigas instalações do Pronto-Socorro Central, à Rua Oriente Monti. Depois, assim como em São Bernardo, o PSF (Programa Saúde da Família) abriu o caminho para que a população buscasse auxílio. No período, dentistas da rede também tiveram aumento na carga horária. Assim como nas demais cidades, o munícipe interessado em obter próteses dentárias deve passar por consulta e avaliação nas unidades de Saúde.

De janeiro a maio deste ano, o CEO entregou média 750 próteses.

TRANSFORMAÇÃO

Há dois meses o servente de pedreiro José Severino da Silva, morador da Vila Alice, ganhou outro sorriso. O descuido o obrigou a procurar pelo serrviço gratuito aos 42 anos. "Só trabalhava e esquecia de cuidar dos dentes. Todos estragaram. Agora é outra vida. Como até carne do osso. Antes vivia de caldo de feijão", compara.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Espera por prótese dentária
chega a seis meses na região

Lentidão é maior em Santo André, seguida por S.Bernardo,
onde demora é de até três meses, São Caetano e Diadema

Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

14/06/2012 | 07:00


Pacientes da região que necessitam de próteses dentárias parciais - as chamadas pontes - ou totais - as dentaduras - enfretam espera de até seis meses para ter o sorriso renovado. A lentidão é maior em Santo André, seguido por São Bernardo, onde a demora é de até três meses. Em São Caetano e Diadema o prazo é inferior a 30 dias.

A equipe do Diário esteve ontem no CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) de Santo André, localizado no Centro. Segundo atendentes, a espera é longa porque depende do encaminhamento feito pela Central de Regulação de Vagas do município. A aposentada Madalena da Paz, 70 anos, demorou três meses para conseguir consulta no posto de Saúde. Só depois recebeu encaminhamento ao especialista para iniciar a reestruturação de três dentes. "O atendimento é ótimo, mas demora demais e não sabemos o motivo." A Prefeitura não informou a fila de espera.

Em São Bernardo, desde a inauguração do Laboratório de Próteses Dentárias, em abril do ano passado, a procura por implantes de dentaduras gratuitos disparou na cidade. Atualmente 1.000 pessoas aguardam o procedimento. O tempo de espera inclui avaliação bucal, moldagem da boca e implantação da peça. Em toda região, são entregues aproximadamente 850 próteses dentárias por mês. São 400 em São Caetano, 240 em São Bernardo, 150 em Diadema e 54 em Santo André. Mauá e Ribeirão Pires não contam com o serviço.

A coordenadora do único CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) de São Bernardo, localizado no bairro Nova Petrópolis, atribui o acúmulo da demanda ao acesso facilitado ao serviço em todas as regiões da cidade por meio do PSF (Programa Saúde da Família). O trabalho das equipes de Saúde bucal contribuiu para aumento da procura. "O serviço público ofertava apenas extração dentária e deixava a reabilitação por conta do paciente, que muitas vezes não tinha condições financeiras de arcar com a despesa. A estratégia do PSF abriu muitas vagas, mas o CEO não cresceu na mesma proporção que os dentistas da atenção básica", explica Rosana de Vitto.

A Prefeitura de São Bernardo planeja entregar dois outros CEOs na cidade, nos bairros Alvarenga e Silvina. O primeiro até o fim do ano e o segundo no fim do primeiro semestre de 2013. "Assim vamos trabalhar com mais folga, mas zerar a fila é impossível. Acredito que após a primeira inauguração, a demanda caia pela metade", estima.

A maioria dos pacientes tem entre 70 e 80 anos. Hoje, a extração do dente só é utilizada em último caso. A prevenção ganhou importância nos postos de Saúde e até a solicitação por próteses parciais tem crescido mais do que as totais.

Centro Odontológico de São Caetano atende 800 por dia

São Caetano é a cidade que tem maior índice mensal de distribuição de próteses dentárias gratuitas na região. O número oscila entre 350 e 400.

O Centro Ondontológico, inaugurado em 2004 e situado no bairro Nova Gerty, tem 17 consultórios e recebe até 800 pacientes por dia. O endereço é Rua Lourdes, 515, e o atendimento é realizado das 7h às 21h30. A informação é da coordenadora da unidade, Natércia Faria. "Às 7h já está cheio. Hoje as pessoas estão mais preocupadas com a Saúde bucal e também têm maior acesso ao serviço por meio dos agentes de Saúde", explica.

A aposentada Maria Stela Monteiro, 76 anos, voltou a sorrir há quatro anos. Além de melhorar a estética, pôde mudar a alimentação. "Acabou o incômodo e melhorou a autoestima", comenta. Ontem, ela voltou à unidade para fazer ajustes na peça. O serviço indica a troca da prótese a cada quatro anos. Aqueles que têm essa recomendação não precisam entrar na fila novamente.

Depois da cirurgia, há o período de adaptação. "É um corpo estranho na boca, mas não há como ter rejeição", esclarece a coordenadora. Além da procura pelo serviço de prótese dentária, os tratamentos mais procurados na unidade são de canal e de periodontia (gengiva). O munícipe que tiver interesse deve marcar consulta em um dos 11 postos de Saúde da cidade para ter encaminhamento ao centro odontológico. A rede municipal conta atualmente com 70 dentistas.

Em Mauá, uma das duas cidades que não contam com o atendimento, além de Ribeirão Pires, a expectativa é inaugurar o serviço até o fim do primeiro trimestre de 2013. Rio Grande da Serra não respondeu ao Diário.

Diadema amplia distribuição em oito vezes

Desde julho, o CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) do Quarteirão da Saúde de Diadema ampliou em oito vezes o número de atendimentos a pacientes que necessitam de prótese dentária no município.

Das 20 peças antes ofertadas mensalmente, o CEO passou a entregar média de 150, sendo 100 dentaduras e 50 próteses removíveis (pontes). O equipamento tem nove consultórios e equipe formada por 16 cirurgiões-dentistas.

Até a inauguração do Quarteirão da Saúde, em 2008, o atendimento era realizado nas antigas instalações do Pronto-Socorro Central, à Rua Oriente Monti. Depois, assim como em São Bernardo, o PSF (Programa Saúde da Família) abriu o caminho para que a população buscasse auxílio. No período, dentistas da rede também tiveram aumento na carga horária. Assim como nas demais cidades, o munícipe interessado em obter próteses dentárias deve passar por consulta e avaliação nas unidades de Saúde.

De janeiro a maio deste ano, o CEO entregou média 750 próteses.

TRANSFORMAÇÃO

Há dois meses o servente de pedreiro José Severino da Silva, morador da Vila Alice, ganhou outro sorriso. O descuido o obrigou a procurar pelo serrviço gratuito aos 42 anos. "Só trabalhava e esquecia de cuidar dos dentes. Todos estragaram. Agora é outra vida. Como até carne do osso. Antes vivia de caldo de feijão", compara.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;