Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lula volta a criticar incentivos à Ford


Do Diário do Grande ABC

18/07/1999 | 16:45


O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, participou neste domingo da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Santo André (SP). O presidente Luiz Marinho foi reeleito, por mais três anos, para a presidência. Além de pedir o apoio o apoio da categoria aos dirigentes empossados, Lula voltou a criticar o modelo econômico defendido pelo governo federal, os incentivos fiscais federais concedidos à Ford e a reforma ministerial.

Lula voltou a defender a mudança no atual modelo econômico, com a retomada de projetos voltados para o desenvolvimento industrial, agrícola, turismo e apoio à pequena e média empresas. "Se continuarmos subordinando os interesses econômicos do Brasil aos interesses da agiotagem internacional e do FMI (Fundo Monetário Internacional), a tendência natural é nao retomar o crescimento nem gerar empregos; portanto, nao haverá distribuiçao de renda nem perspectiva de desenvolvimento", disse.

Para ele, a reforma ministerial foi "superficial" e "fictícia". "Fernando Henrique Cardoso mentiu para a sociedade brasileira, quando prometeu mudanças no ministério; foi mais na perspectiva de fazer um discurso para enganar a sociedade; usou a primeira pessoa o tempo todo, num processo de dizer ao povo: 'Olha, nao é o senador Antonio Carlos Magalhaes (presidente do Congresso, do PFL da Bahia) que manda aqui, sou eu'; ou seja, é um presidente que está pecando pela mediocridade", criticou Lula.

Sobre a construçao da fábrica da Ford na Bahia, Lula reafirmou ser favorável à operaçao, desde que haja um limite na concessao de benefícios fiscais federais. "Defendo que o modelo de desenvolvimento brasileiro seja descentralizado, mas nao concordo é que os governos, seja federal ou estaduais, tirem dinheiro público da educaçao, saúde, agricultura para financiar a instalaçao de uma multinacional." Segundo Lula, a Ford teve um faturamento, em 1998, de mais de US$ 150 bilhoes, valor superior ao do Orçamento da Uniao previsto para 2000, de cerca de US$ 100 bilhoes. "Como se explica o governo dar dinheiro para uma empresa dessa?; queremos a Ford, oferecemos mao-de-obra qualificada e barata, infra-estrutura para escoamento da produçao, mercado, até isençao fiscal por 15 ou 20 anos; mas financiar o capital de giro ou sua implantaçao é um contrasenso; estamos privatizando nossas estatais e estatizando as multinacionais", afirmou Lula.

Nesse sentido, Lula e Marinho avaliam que, hoje, o maior desafio do movimento sindical organizado é a luta pela manutençao e surgimento de novos empregos. "A tarefa é mais árdua do que a do sindicalismo no anos 80, que lutava por reajuste salarial", disse. Marinho concorda. "Hoje, precisamos essencialmente responder às demandas conjunturais e o emprego é prioridade absoluta; a partir dele, desenvolveremos as outras demandas", disse Marinho.

Marinho destaca, entre as demais tarefas no segundo mandato, a construçao de sindicatos nacionais. "A partir de resoluçoes da nossa central, a CUT (Central Unica dos Trabalhadores), estamos priorizando a constituiçao dos Sindicato Nacional e do Estadual dos Metalúrgicos da CUT." Os objetivos sao ampliar a representatividade e a capacidade de negociaçao a partir do local de trabalho, explicou Marinho, e, assim, evitar que demandas cheguem à Justiça do Trabalho.

Cerca de mil pessoas, entre sindicalistas e familiares, compareceram à festa da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no Estádio Bruno Daniel. Também participaram do evento o deputado estadual Jamil Murad (PC do B-SP), e federais Professor Luizinho (PT-SP) e Jair Meneghelli (PT-SP) e o prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lula volta a criticar incentivos à Ford

Do Diário do Grande ABC

18/07/1999 | 16:45


O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, participou neste domingo da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Santo André (SP). O presidente Luiz Marinho foi reeleito, por mais três anos, para a presidência. Além de pedir o apoio o apoio da categoria aos dirigentes empossados, Lula voltou a criticar o modelo econômico defendido pelo governo federal, os incentivos fiscais federais concedidos à Ford e a reforma ministerial.

Lula voltou a defender a mudança no atual modelo econômico, com a retomada de projetos voltados para o desenvolvimento industrial, agrícola, turismo e apoio à pequena e média empresas. "Se continuarmos subordinando os interesses econômicos do Brasil aos interesses da agiotagem internacional e do FMI (Fundo Monetário Internacional), a tendência natural é nao retomar o crescimento nem gerar empregos; portanto, nao haverá distribuiçao de renda nem perspectiva de desenvolvimento", disse.

Para ele, a reforma ministerial foi "superficial" e "fictícia". "Fernando Henrique Cardoso mentiu para a sociedade brasileira, quando prometeu mudanças no ministério; foi mais na perspectiva de fazer um discurso para enganar a sociedade; usou a primeira pessoa o tempo todo, num processo de dizer ao povo: 'Olha, nao é o senador Antonio Carlos Magalhaes (presidente do Congresso, do PFL da Bahia) que manda aqui, sou eu'; ou seja, é um presidente que está pecando pela mediocridade", criticou Lula.

Sobre a construçao da fábrica da Ford na Bahia, Lula reafirmou ser favorável à operaçao, desde que haja um limite na concessao de benefícios fiscais federais. "Defendo que o modelo de desenvolvimento brasileiro seja descentralizado, mas nao concordo é que os governos, seja federal ou estaduais, tirem dinheiro público da educaçao, saúde, agricultura para financiar a instalaçao de uma multinacional." Segundo Lula, a Ford teve um faturamento, em 1998, de mais de US$ 150 bilhoes, valor superior ao do Orçamento da Uniao previsto para 2000, de cerca de US$ 100 bilhoes. "Como se explica o governo dar dinheiro para uma empresa dessa?; queremos a Ford, oferecemos mao-de-obra qualificada e barata, infra-estrutura para escoamento da produçao, mercado, até isençao fiscal por 15 ou 20 anos; mas financiar o capital de giro ou sua implantaçao é um contrasenso; estamos privatizando nossas estatais e estatizando as multinacionais", afirmou Lula.

Nesse sentido, Lula e Marinho avaliam que, hoje, o maior desafio do movimento sindical organizado é a luta pela manutençao e surgimento de novos empregos. "A tarefa é mais árdua do que a do sindicalismo no anos 80, que lutava por reajuste salarial", disse. Marinho concorda. "Hoje, precisamos essencialmente responder às demandas conjunturais e o emprego é prioridade absoluta; a partir dele, desenvolveremos as outras demandas", disse Marinho.

Marinho destaca, entre as demais tarefas no segundo mandato, a construçao de sindicatos nacionais. "A partir de resoluçoes da nossa central, a CUT (Central Unica dos Trabalhadores), estamos priorizando a constituiçao dos Sindicato Nacional e do Estadual dos Metalúrgicos da CUT." Os objetivos sao ampliar a representatividade e a capacidade de negociaçao a partir do local de trabalho, explicou Marinho, e, assim, evitar que demandas cheguem à Justiça do Trabalho.

Cerca de mil pessoas, entre sindicalistas e familiares, compareceram à festa da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no Estádio Bruno Daniel. Também participaram do evento o deputado estadual Jamil Murad (PC do B-SP), e federais Professor Luizinho (PT-SP) e Jair Meneghelli (PT-SP) e o prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;