Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Campanha de Desarmamento já recolheu mais de 300 mil armas


Da Agência Brasil

17/04/2005 | 14:31


O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, ressaltou neste domingo a importância do desarmamento na busca por uma cultura de paz. Segundo o ministro, vários avanços já ocorreram e este ano terá um papel importante para o desarmamento no país, principalmente pelo referendo popular sobre a comercialização de armas de fogo.

"Temos, neste ano, um ano muito importante na luta pelo desarmamento. Já recolhemos 300 mil armas, pretendemos chegar até 500 mil até a metade do ano e temos um referendo: em outubro, o povo brasileiro vai dizer se proíbe a comercialização de armas e munições. Este será um outro passo importante daquilo que essa missa hoje simboliza na solenidade de sua liturgia. É uma cultura de paz no Brasil, é uma cultura em que se possa construir, em que se possa viver em um Brasil mais seguro", disse Thomaz Bastos.

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Carlos Velloso, estabeleceu o final do mês de abril como prazo limite para que o Congresso Nacional conclua a votação e promulgação do decreto. Caso isso não ocorra, não haverá tempo hábil para o TSE disciplinar e realizar o referendo este ano.

Thomaz Bastos disse que está preocupado com a tramitação da matéria no Congresso Nacional e que é preciso mobilização da sociedade para a aprovação. "Tenho (preocupação). Acredito que nós tenhamos que lutar muito, nos unir todos e nos darmos as mãos fazendo campanha política (pela aprovação do referendo)", afirmou à Agência Brasil.

O ministro participou do Ato Ecumênico pelo desarmamento na Catedral da Sé, centro da cidade, promovido pelos ministérios da Cultura e da Justiça. Estiveram presentes o ministro da Cultura, Gilberto Gil; o presidente do Senado, Renan Calheiros, além de diversas personalidades.

O ministro Márcio Thomaz Bastos afirmou que as presenças das lideranças políticas, sociais e religiosas na cerimônia comprovam o empenho pela aprovação do referendo. "Não existe eleição ganha por antecipação. Queremos que as pessoas votem pela proibição das armas. Nós precisamos lutar para isso, esclarecer e mostrar para toda a população como isso é importante para a segurança da população".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Campanha de Desarmamento já recolheu mais de 300 mil armas

Da Agência Brasil

17/04/2005 | 14:31


O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, ressaltou neste domingo a importância do desarmamento na busca por uma cultura de paz. Segundo o ministro, vários avanços já ocorreram e este ano terá um papel importante para o desarmamento no país, principalmente pelo referendo popular sobre a comercialização de armas de fogo.

"Temos, neste ano, um ano muito importante na luta pelo desarmamento. Já recolhemos 300 mil armas, pretendemos chegar até 500 mil até a metade do ano e temos um referendo: em outubro, o povo brasileiro vai dizer se proíbe a comercialização de armas e munições. Este será um outro passo importante daquilo que essa missa hoje simboliza na solenidade de sua liturgia. É uma cultura de paz no Brasil, é uma cultura em que se possa construir, em que se possa viver em um Brasil mais seguro", disse Thomaz Bastos.

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Carlos Velloso, estabeleceu o final do mês de abril como prazo limite para que o Congresso Nacional conclua a votação e promulgação do decreto. Caso isso não ocorra, não haverá tempo hábil para o TSE disciplinar e realizar o referendo este ano.

Thomaz Bastos disse que está preocupado com a tramitação da matéria no Congresso Nacional e que é preciso mobilização da sociedade para a aprovação. "Tenho (preocupação). Acredito que nós tenhamos que lutar muito, nos unir todos e nos darmos as mãos fazendo campanha política (pela aprovação do referendo)", afirmou à Agência Brasil.

O ministro participou do Ato Ecumênico pelo desarmamento na Catedral da Sé, centro da cidade, promovido pelos ministérios da Cultura e da Justiça. Estiveram presentes o ministro da Cultura, Gilberto Gil; o presidente do Senado, Renan Calheiros, além de diversas personalidades.

O ministro Márcio Thomaz Bastos afirmou que as presenças das lideranças políticas, sociais e religiosas na cerimônia comprovam o empenho pela aprovação do referendo. "Não existe eleição ganha por antecipação. Queremos que as pessoas votem pela proibição das armas. Nós precisamos lutar para isso, esclarecer e mostrar para toda a população como isso é importante para a segurança da população".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;