Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Palocci descarta mudança na meta de inflação para 2005



21/04/2004 | 00:20


O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, reuniu-se nesta terça-feira com o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), e logo na saída do encontro negou qualquer estudo sobre o aumento da meta de inflação em 2005 de 4,5% para 5,5%. Palocci, porém, não foi tão convincente quando questionado se acreditava que a meta fixada em 4,5% para a inflação no ano que vem é a ideal e não precisa de alteração. ''Esse assunto não está na pauta. Debati com Mercadante quando o visitei aqui e quando voltar vou debater de novo porque acho democrático. Acho correto e legítimo o debate. Mas essa mudança de metas não está na pauta do governo'', disse.

Diante da insistência de jornalistas para saber por que ele não via necessidade em mudança, repetiu apenas a mesma afirmação: ''Isso não está na pauta." Palocci disse, entretanto, achar legítimo que outras pessoas proponham esse debate. ''Faz parte da democracia.''

O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, alertou para o risco de uma mudança na meta de inflação de 2005 se tornar um ''atalho'' para que os juros não caiam. ''É curioso. Existe a possibilidade de se aumentar a meta, a inflação acelerar e os juros nominais não caírem'', ponderou, durante a divulgação dos números do superávit primário do governo central.

Na sua opinião, a possibilidade de elevação da meta tem de ser muito bem ''discutida e ponderada'', com uma avaliação das vantagens e desvantagens da mudança para a economia brasileira, principalmente sobre as expectativas de inflação. ''Poderia ser muito ruim mudar as expectativas de inflação. Hoje já estamos nos aproximando da meta porque as pessoas têm a expectativa de que o governo vai dar continuidade na política'', comentou.

Segundo ele, a continuidade das políticas contribui para os agentes econômicos tomarem as decisões de investimento. Ele chamou atenção para o fato de que ''estabilidade nas expectativas de inflação'' tem papel fundamental para o que o Tesouro Nacional continue vendendo títulos prefixados - considerados melhores para administração da dívida pública. ''Dúvidas sobre as expectativas de inflação podem ter o efeito de diminuir a demanda por papéis prefixados'', avaliou Levy. ''Temos de ter cuidado porque quem comprou os papéis prefixados achava que a inflação ficaria bem comportada e que o governo vai dar continuidade aos seus compromissos'', acrescentou.

Ele fez questão de ressaltar que a demanda por esses papéis é crescente, lembrando que em março 93% das emissões do Tesouro foram de títulos prefixados, as LTNs. Ele ressaltou ainda que no mês passado o estoque de LTNs era 7,5 vezes maior do que há 12 meses, enquanto o estoque de títulos cambiais havia caído pela metade, representando hoje menos de 20% do estoque de prefixados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Palocci descarta mudança na meta de inflação para 2005


21/04/2004 | 00:20


O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, reuniu-se nesta terça-feira com o líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), e logo na saída do encontro negou qualquer estudo sobre o aumento da meta de inflação em 2005 de 4,5% para 5,5%. Palocci, porém, não foi tão convincente quando questionado se acreditava que a meta fixada em 4,5% para a inflação no ano que vem é a ideal e não precisa de alteração. ''Esse assunto não está na pauta. Debati com Mercadante quando o visitei aqui e quando voltar vou debater de novo porque acho democrático. Acho correto e legítimo o debate. Mas essa mudança de metas não está na pauta do governo'', disse.

Diante da insistência de jornalistas para saber por que ele não via necessidade em mudança, repetiu apenas a mesma afirmação: ''Isso não está na pauta." Palocci disse, entretanto, achar legítimo que outras pessoas proponham esse debate. ''Faz parte da democracia.''

O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, alertou para o risco de uma mudança na meta de inflação de 2005 se tornar um ''atalho'' para que os juros não caiam. ''É curioso. Existe a possibilidade de se aumentar a meta, a inflação acelerar e os juros nominais não caírem'', ponderou, durante a divulgação dos números do superávit primário do governo central.

Na sua opinião, a possibilidade de elevação da meta tem de ser muito bem ''discutida e ponderada'', com uma avaliação das vantagens e desvantagens da mudança para a economia brasileira, principalmente sobre as expectativas de inflação. ''Poderia ser muito ruim mudar as expectativas de inflação. Hoje já estamos nos aproximando da meta porque as pessoas têm a expectativa de que o governo vai dar continuidade na política'', comentou.

Segundo ele, a continuidade das políticas contribui para os agentes econômicos tomarem as decisões de investimento. Ele chamou atenção para o fato de que ''estabilidade nas expectativas de inflação'' tem papel fundamental para o que o Tesouro Nacional continue vendendo títulos prefixados - considerados melhores para administração da dívida pública. ''Dúvidas sobre as expectativas de inflação podem ter o efeito de diminuir a demanda por papéis prefixados'', avaliou Levy. ''Temos de ter cuidado porque quem comprou os papéis prefixados achava que a inflação ficaria bem comportada e que o governo vai dar continuidade aos seus compromissos'', acrescentou.

Ele fez questão de ressaltar que a demanda por esses papéis é crescente, lembrando que em março 93% das emissões do Tesouro foram de títulos prefixados, as LTNs. Ele ressaltou ainda que no mês passado o estoque de LTNs era 7,5 vezes maior do que há 12 meses, enquanto o estoque de títulos cambiais havia caído pela metade, representando hoje menos de 20% do estoque de prefixados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;