Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Bebê morre e família acusa hospital Nardini


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

01/11/2004 | 09:57


A família do menino Ryan Kennedy Santos Silva, 1 ano e 1 mês, acusa o hospital municipal Radamés Nardini, em Mauá, de negligência no atendimento à criança, que morreu às 6h50 de domingo, após oito horas de internação.

A causa da morte de Ryan, de acordo com boletim fornecido à família, foi septicemia (infecção generalizada), broncopneumonia e varicela (catapora). Antes de ser internada, a criança foi atendida duas vezes no pronto- socorro do hospital durante a semana passada e, mesmo com a piora do quadro, a família só foi instruída a fazer o tratamento em casa. De acordo com Secretaria de Saúde da Prefeitura, que se pronunciou por meio de sua assessoria de imprensa, a Comissão de Investigação de Mortalidade abrirá sindicância para avaliar as condições gerais de saúde do garoto.

De acordo com a mãe do garoto, a dona de casa Sueni Aparecida Santos da Graça, 21 anos, na última terça-feira Ryan amanheceu com pequenas feridas pelo corpo e febre muito alta. “Levei meu filho por volta de meio-dia ao hospital. O atendimento até que não demorou muito, esperei no máximo uma hora.", disse.

De acordo com Sueni, o pediatra de plantão diagnosticou a catapora e receitou dois medicamentos: o antialérgico Polaramine e a Dipirona, para baixar a febre do garoto e liberou mãe e filho. “Mas a consulta foi muito rápida, ele mal olhou para mim e nem examinou o meu filho direito”, afirmou a mãe durante o enterro, ocorrido na tarde de ontem no cemitério municipal Santa Lídia. A família é humilde e contou com a ajuda de vizinhos, parentes e dos padrinhos do garoto para conseguir comprar os remédios receitados pelo médico.

Durante o tratamento em casa, a criança continuou com febre e as bolhas pelo corpo passaram a inflamar, principalmente na região genital. “Ele estava muito apático e voltei ao hospital na sexta- feira. Passei pelo mesmo médico e ele só receitou uma pomada, a Cetobeta, para passar nas bolhas, e me mandou novamente de volta para casa e disse para continuar dando a mesma medicação”, afirmou Sueni, mãe também de Raiane, 5 anos.

Sueni disse que sexta-feira o bebê passou bem durante o dia e chegou a almoçar, embora não tivesse ativo, como de costume. “Meu filho era muito esperto, começou a andar com nove meses e vivia aprontando, subia e descia sofás e mexia em tudo”, disse Sueni, emocionada. O quadro de Ryan piorou novamente à noite, quando a febre voltou e o bebê recusou a mamadeira, que o pai, Zacarias Luís da Silva Junior, tentou lhe dar. “Com a ajuda de um vizinho, levamos o garoto novamente ao hospital por volta das 22h. A essa altura, ele já estava com tosse, vômito e convulsões”, afirmou a mãe.

Foi só nesse momento, segundo a família, que o hospital cogitou a internação do menino. “Outro médico que me atendeu depois, me perguntou porque eu não tinha internado antes”, afirmou Sueni. “Já era tarde e meu filho morreu, horas depois, nos meus braços”, lamentou. Domingo, a família registrou um boletim de ocorrência na delegacia contra o hospital.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde alega que o quadro de saúde do garoto evoluiu muito rapidamente de sexta-feira para o sábado, mas que o atendimento em todas as consultas, inclusive nas duas anteriores à internação, foi adequado ao quadro (febre baixa e catapora).

Varicela – A varicela, popularmente conhecida como catapora, é, em geral, uma doença de rápido tratamento, segundo a pediatra da Faculdade de Medicina do ABC, Maria Aparecida Dix Cheab. “Apenas quando a criança de até 2 anos tem alguma outra doença de base ou problemas de desnutrição, por exemplo, o caso pode evoluir”, afirmou a pediatra.

Segundo a médica, as lesões na pele provocadas pela catapora podem ser a porta de entrada para bactérias que acarretam na septcemia, que acaba por disseminar a infecção para a corrente sangüínea. Em outros casos, a catapora pode evoluir para uma meningite.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;