Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Petroquímicas terão R$ 7,5 bi do BNDES


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

23/07/2007 | 07:14


A indústria petroquímica brasileira – e dentro do setor, o Pólo do Grande ABC – tem importância estratégica para o crescimento econômico do País.

A avaliação é feita pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e justifica o apoio previsto de R$ 7,5 bilhões em financiamentos do banco entre 2007 e 2010 para a atividade.

O valor é significativo pelo número em si e por representar 42,6% do total (R$ 17,6 bilhões) que deverá ser investido no período pelas empresas do segmento (ligadas em boa parte à produção de resinas para a fabricação de embalagens e itens de plástico).

Além disso, significa um aumento médio de 33,5% em relação ao liberado – R$ 2,4 bilhões para o setor – pela instituição no quadriênio anterior.

Entre as empresas que contam com o financiamento do banco está a PQU (Petroquímica União), que obteve aprovação para crédito de quase 50% do R$ 1,1 bilhão que vai investir na expansão da fábrica em Santo André. O investimento será concluído em 2008.

A PQU é uma das quatro centrais produtora de matérias-primas petroquímicas básicas existentes hoje no Brasil. As outras são a fábrica da Braskem em Camaçari (BA), a Copesul, em Triunfo (RS) e a Rio Polímeros, em Duque de Caxias (RJ).

As matérias-primas básicas (como o eteno e o propeno) destinam-se à produção de resinas plásticas, as quais servem para fabricação de embalagens e peças de plástico.

JUSTIFICATIVAS

“Esse é um setor intrincado na economia, que serve a uma série de outros segmentos, como a indústria de alimentos, eletrônicos, brinquedos, autopeças, entre muitos outros”, afirmou o chefe do departamento de Indústria Química do BNDES, Gabriel Gomes.

Outra justificativa para o apoio é o fato de o setor representar 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) – que é a soma das riquezas produzidas no País – e 15% do recolhimento de tributos de toda a indústria nacional.

O presidente do Siresp (Sindicato das Indústrias de Resinas Plásticas), José Ricardo Roriz, destaca a importância desse apoio, para que não haja falta do insumo para atender às diversas atividades econômicas.

O uso de resinas plásticas pelos outros elos do setor produtivo costuma crescer duas vezes mais do que o ritmo de expansão da economia. O BNDES calcula que o PIB do País crescerá de 4% a 5% ao ano até 2010. Com isso, haveria a necessidade de aumento de capacidade instalada das fábricas para suprir a demanda.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Petroquímicas terão R$ 7,5 bi do BNDES

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

23/07/2007 | 07:14


A indústria petroquímica brasileira – e dentro do setor, o Pólo do Grande ABC – tem importância estratégica para o crescimento econômico do País.

A avaliação é feita pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e justifica o apoio previsto de R$ 7,5 bilhões em financiamentos do banco entre 2007 e 2010 para a atividade.

O valor é significativo pelo número em si e por representar 42,6% do total (R$ 17,6 bilhões) que deverá ser investido no período pelas empresas do segmento (ligadas em boa parte à produção de resinas para a fabricação de embalagens e itens de plástico).

Além disso, significa um aumento médio de 33,5% em relação ao liberado – R$ 2,4 bilhões para o setor – pela instituição no quadriênio anterior.

Entre as empresas que contam com o financiamento do banco está a PQU (Petroquímica União), que obteve aprovação para crédito de quase 50% do R$ 1,1 bilhão que vai investir na expansão da fábrica em Santo André. O investimento será concluído em 2008.

A PQU é uma das quatro centrais produtora de matérias-primas petroquímicas básicas existentes hoje no Brasil. As outras são a fábrica da Braskem em Camaçari (BA), a Copesul, em Triunfo (RS) e a Rio Polímeros, em Duque de Caxias (RJ).

As matérias-primas básicas (como o eteno e o propeno) destinam-se à produção de resinas plásticas, as quais servem para fabricação de embalagens e peças de plástico.

JUSTIFICATIVAS

“Esse é um setor intrincado na economia, que serve a uma série de outros segmentos, como a indústria de alimentos, eletrônicos, brinquedos, autopeças, entre muitos outros”, afirmou o chefe do departamento de Indústria Química do BNDES, Gabriel Gomes.

Outra justificativa para o apoio é o fato de o setor representar 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) – que é a soma das riquezas produzidas no País – e 15% do recolhimento de tributos de toda a indústria nacional.

O presidente do Siresp (Sindicato das Indústrias de Resinas Plásticas), José Ricardo Roriz, destaca a importância desse apoio, para que não haja falta do insumo para atender às diversas atividades econômicas.

O uso de resinas plásticas pelos outros elos do setor produtivo costuma crescer duas vezes mais do que o ritmo de expansão da economia. O BNDES calcula que o PIB do País crescerá de 4% a 5% ao ano até 2010. Com isso, haveria a necessidade de aumento de capacidade instalada das fábricas para suprir a demanda.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;