Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Professor lança livro com poemas ácidos

Tarsila Agatte Freire/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ilustrada por 101 textos, obra de docente da USCS tem apresentação virtual marcada para hoje


Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

15/04/2021 | 07:00


Com sete livros publicados e participação em diversas antologias, o professor Joaquim Celso Freire Silva, docente da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), apresenta uma nova obra. Intitulado Coisas e Não Coisas, o livro ganha vida ilustrado por 101 poemas, a maioria escritas durante a pandemia, e que podem ser degustados ao longo de sete capítulos temáticos. A publicação ganha vida nos formatos físico e digital (Alpharrabio Edições/Loope Editora, 124 páginas, R$ 23,90 e R$ 10,90, respectivamente). O lançamento, virtual, é hoje, a partir das 20h, no www.youtube.com/watch?v=ttEmAuYA9QU.

Inquietações políticas, relações humanas e natureza são algumas das inspirações para a obra. Pensamentos certeiros dão vida a poemas como Manifesto Tamanduateí, um dos mais emocionantes da obra, e no qual o autor aproveita para tecer dura, porém necessária, crítica à situação de abandono do rio de mesmo nome que corta boa parte do Grande ABC.

A veia crítica do escritor não para por aí. Fazedor de Lambanças, por exemplo, parece ser inspirada no presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). “De certa forma estamos sob a égide de um governo ‘lambacionista’, que vai do presidente ao agrupamento de ‘especialistas’ que carregam muitas das pastas: visões de goiabeiras, desarticulações das relações exteriores, deseducação, exterminação de meio ambiente, inauguração de bicas e por aí afora! Nosso País está à deriva. Não há um projeto de Nação em discussão, não há um plano de governo que aponte alguma coisa que não seja destruição. As organizações impotentes e a sociedade cível desorganizada. Essa é a tristeza que me aflige. Mas vamos sair dessa, que não nos faltem esperança e coragem.”

O poema Botox, por exemplo, promove reflexão sobre a necessidade de consumo. O autor explica que, com os avanços nas tecnologias das coisas e das comunicações, tudo se tornou muito acessível e descartável. “Acessível em termos, descartável sempre. Haja dinheiro (e trabalho) para ter tudo que se quer e que se entende necessário. Vivemos sob forte pressão de ter. Ter o último smartphone, o último tênis, o último disfarça rugas etc. Dedicamos muito tempo a essas coisas de aparência e a vida de relações, com o outro, esvai-se, como líquido, pelos vãos dos dedos.”

Para o escritor, a poesia, assim como a literatura de maneira geral e outras linguagens artísticas, “devem assumir papel de crítica política e social aos desmandos do seu tempo. A poesia, no meu modo de ver, não deve ser só poesia. Cabe-lhe, também, entrincheirar-se e/ou sinalizar horizontes”.

O evento de lançamento virtual hoje contará com cinco convidados especiais, o poeta paraense Celso de Alencar; a escritora Dalila Teles Veras, responsável pela Alpharrabio Livraria; Neilton Lima, sócio-fundador da Loope Editora; Patrícia Giseli, poetisa/performer, doutoranda em história social; além dos filhos do autor, Luísa (designer e ilustradora de moda) e Thiago Freire (professor, músico, ator e gestor de cultura e lazer do Sesc- SP). 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;