Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Na Billings, apenas Prainha do Riacho está imprópria

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Contato com a água traz riscos à saúde; contaminação é causada por esgoto sem tratamento


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

29/12/2019 | 07:00


Das cinco praias às margens da Represa Billings monitoradas pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), apenas a Prainha do Riacho Grande, em São Bernardo, está imprópria para banho, conforme último levantamento divulgado na sexta-feira. Isso significa que a água está fora dos parâmetros determinados pelo Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), apresentando riscos à saúde.

Em novembro, projeto Expedição Billings, da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), já havia coletado e analisado amostras de água do manancial. Altos níveis de amônia e fósforo, além de micro-organismos característicos do intestino humano e de animais de sangue quente, foram encontrados, indicando despejo de esgoto doméstico sem tratamento no reservatório. “Detectamos bactérias patogênicas, ou seja, que são causadoras de doenças como gastroenterites, dermatites e conjuntivites”, afirma Marta Marcondes, bióloga e professora da universidade.

A orientação é não nadar, evitar o contato com cursos d’água que afluem às praias e não ingerir água destes locais, assim como não levar animais. A especialista destaca que as doenças são tratáveis, entretanto, apresentam riscos graves a crianças, idosos e pessoas imunossuprimidas. Portanto, ao apresentar sintomas como diarreia, vômito, febre, dor de cabeça, coceira ou mucosas fora do comum, é fundamental procurar uma unidade de saúde e informar que os sinais surgiram após entrar em contato com a represa.

A equipe do Diário esteve no local ontem por volta das 12h30, quando bandeiras verdes indicavam que a água estava própria para banho, o oposto do informado no site da companhia ambiental. Procurada, a Prefeitura de São Bernardo assegurou que faria a troca das bandeiras até às 17h, e que não a fez antes pois não tinha sido notificada pela agência estadual. A Cetesb confirmou a informação.

PREOCUPAÇÃO

Para a manicure Cleonice Pereira de Jesus, 33 anos, moradora da Capital que visitava a Prainha do Riacho Grande pela segunda vez, a qualidade da água é fator essencial. “Tenho medo e sempre procuro saber se a água está própria antes de entrar”, destacou. Ela estava no local com quatro familiares. “Decidimos aproveitar o dia de sol e as férias”, adicionou.

O motorista da Capital Flávio Almeida, 45, optou pelo local pela comodidade. “Nós até íamos para a praia, mas com esse congestionamento não tem condição, acabamos parando por aqui”, disse. Visitando a prainha são-bernardense pela terceira vez, ele garante que só entra na água quando está própria.

A merendeira de Mauá Adriana Giudete, 46, estava pela primeira vez na Prainha do Riacho Grande e se surpreendeu pela “calmaria” do ambiente. “Está muito bom para relaxar e a água está ótima, não tenho do que reclamar”, comentou. Mesma opinião é compartilhada pela auxiliar de limpeza Ionete Maria dos Santos, 37, moradora de Itapevi, na Região Metropolitana de São Paulo. “Meu tio mora aqui ao lado, viemos visitá-lo e acabamos vindo para cá. Está muito bom, nem dá vontade de ir embora.”



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;