Fechar
Publicidade

Domingo, 11 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Mais 500 menores fogem da Febem Imigrantes


Do Diário do Grande ABC

12/09/1999 | 21:10


Depois de uma noite de desassossego quando os parentes começaram a chegar para a visita, neste domingo, por volta do meio-dia, teve início nova fuga em massa de internos do Complexo Imigrantes da Febem, com capacidade para 350 menores, mas lotaçao de 1.500. Segundo informaçoes nao oficiais, fugiram cerca de 500 - um terço do total. Em torno de 200 foram recapturados. O motim começou na ala B, espalhou-se para a D e a C.

Conforme o deputado Renato Simoes (PT), após as fugas, a maioria entre meio-dia e 13h30, quando a Tropa de Choque voltou, a situaçao ficou totalmente fora de controle. "Nao se consegue fazer a chamada nas unidades, saber quem fugiu e quem ficou, afinal", disse. "A sensaçao é de falta de comando absoluta."

Os garotos capturados voltavam machucados, sangrando, com cortes na cabeça, hematomas, braços e pernas quebrados, ferimentos provocados por balas de borracha. A cada grupo que chegava com marcas da violência, crescia a revolta. Os recapturados queixavam-se de ter apanhado muito. Os de dentro ficavam inquietos. "Nao se consegue impor disciplina nas unidades", contou Simoes. "Quando se pensa que acalmou, começa outro problema."

Com metade da ala D queimada, nao se tinha onde acomodá-los. Sem informaçoes dos filhos, os pais desesperavam-se. A fila de visitantes tinha mais de 200 pessoas. Aos poucos, a direçao foi liberando a entrada.

Desorientados, diretores e funcionários faziam o que podiam. O presidente da Febem, Guido de Andrade, e o diretor-técnico Esaú Cobra Ribeiro nao estavam lá. O deputado Paulo Teixeira (PT) classificou os tiros de balas de borracha dados pelos PMs contra maes e jornalistas como "mau uso da força". Para Givanildo Manoel da Silva, da Associaçao de Maes e Amigos da Criança e do Adolescente em Risco (Amar), os policiais mostraram falta de controle e respeito. "Os pais queriam informaçoes sobre os filhos que estao sob a guarda do Estado e deveriam estar cumprindo medida socioeducativa." O governador Mário Covas (PSDB) só soube do novo motim uma hora depois do início. Ele prometeu apurar a situaçao.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mais 500 menores fogem da Febem Imigrantes

Do Diário do Grande ABC

12/09/1999 | 21:10


Depois de uma noite de desassossego quando os parentes começaram a chegar para a visita, neste domingo, por volta do meio-dia, teve início nova fuga em massa de internos do Complexo Imigrantes da Febem, com capacidade para 350 menores, mas lotaçao de 1.500. Segundo informaçoes nao oficiais, fugiram cerca de 500 - um terço do total. Em torno de 200 foram recapturados. O motim começou na ala B, espalhou-se para a D e a C.

Conforme o deputado Renato Simoes (PT), após as fugas, a maioria entre meio-dia e 13h30, quando a Tropa de Choque voltou, a situaçao ficou totalmente fora de controle. "Nao se consegue fazer a chamada nas unidades, saber quem fugiu e quem ficou, afinal", disse. "A sensaçao é de falta de comando absoluta."

Os garotos capturados voltavam machucados, sangrando, com cortes na cabeça, hematomas, braços e pernas quebrados, ferimentos provocados por balas de borracha. A cada grupo que chegava com marcas da violência, crescia a revolta. Os recapturados queixavam-se de ter apanhado muito. Os de dentro ficavam inquietos. "Nao se consegue impor disciplina nas unidades", contou Simoes. "Quando se pensa que acalmou, começa outro problema."

Com metade da ala D queimada, nao se tinha onde acomodá-los. Sem informaçoes dos filhos, os pais desesperavam-se. A fila de visitantes tinha mais de 200 pessoas. Aos poucos, a direçao foi liberando a entrada.

Desorientados, diretores e funcionários faziam o que podiam. O presidente da Febem, Guido de Andrade, e o diretor-técnico Esaú Cobra Ribeiro nao estavam lá. O deputado Paulo Teixeira (PT) classificou os tiros de balas de borracha dados pelos PMs contra maes e jornalistas como "mau uso da força". Para Givanildo Manoel da Silva, da Associaçao de Maes e Amigos da Criança e do Adolescente em Risco (Amar), os policiais mostraram falta de controle e respeito. "Os pais queriam informaçoes sobre os filhos que estao sob a guarda do Estado e deveriam estar cumprindo medida socioeducativa." O governador Mário Covas (PSDB) só soube do novo motim uma hora depois do início. Ele prometeu apurar a situaçao.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;