Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 3 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Plenário da Câmara também retira "acordo de culpa" de pacote anticorrupção



30/11/2016 | 03:43


O plenário da Câmara dos Deputados retirou do pacote das medidas de combate à corrupção a proposta do "acordo de culpa". A medida foi incluída no parecer do relator Onyx Lorenzoni (DEM-RS) durante a votação na comissão especial.

A emenda foi apresentada pelo PSOL, que alegou que no acordo de culpa, o réu abre mão da exigência de produção de provas para sua defesa. "A pessoa confessa o crime, não tem processo na Justiça. Se economiza o processo", disse o ex-presidente da comissão especial, deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA). Ele alegou que a medida ajudava a desobstruir a Justiça.

"Não é possível que o Parlamento tenha uma noite de fúria e destrua o que é bom. Não tem nada de errado no acordo de culpa", pregou Lorenzoni. Em diversas situações, o relator foi hostilizado no plenário e, nos discursos, os parlamentares não esconderam a insatisfação com o parecer de Lorenzoni. (Daiene Cardoso e Isadora Peron)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Plenário da Câmara também retira "acordo de culpa" de pacote anticorrupção


30/11/2016 | 03:43


O plenário da Câmara dos Deputados retirou do pacote das medidas de combate à corrupção a proposta do "acordo de culpa". A medida foi incluída no parecer do relator Onyx Lorenzoni (DEM-RS) durante a votação na comissão especial.

A emenda foi apresentada pelo PSOL, que alegou que no acordo de culpa, o réu abre mão da exigência de produção de provas para sua defesa. "A pessoa confessa o crime, não tem processo na Justiça. Se economiza o processo", disse o ex-presidente da comissão especial, deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA). Ele alegou que a medida ajudava a desobstruir a Justiça.

"Não é possível que o Parlamento tenha uma noite de fúria e destrua o que é bom. Não tem nada de errado no acordo de culpa", pregou Lorenzoni. Em diversas situações, o relator foi hostilizado no plenário e, nos discursos, os parlamentares não esconderam a insatisfação com o parecer de Lorenzoni. (Daiene Cardoso e Isadora Peron)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;