Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

GM de S.Caetano exportará projetos de picapes


Lana Pinheiro
Do Diário do Grande ABC

25/05/2006 | 08:14


Como parte de processo de reestruturação que enfrenta desde o ano passado para melhorar sua saúde financeira, a General Motors anunciou quarta-feira um novo conceito de produção mundial: as novas gerações de veículos serão construídas sobre arquiteturas globais, estrutura que inclui assoalho, fixação de painel, fixação de suspensão, parte elétrica, instalação de ar-condicionado e estrutura para bancos, transmissão e motor,

Cada um dos cinco Centros Tecnológicos do grupo no mundo ficará responsável pelo desenvolvimento da arquitetura de um segmento específico, independente do local onde o veículo será produzido. Aos engenheiros do Centro Tecnológico da GM do Brasil, em São Caetano, caberá o desenvolvimento da arquitetura de picapes médias. Nos Estados Unidos, serão desenvolvidas arquiteturas de picapes e veículos grandes e de luxo, da Europa sairão veículos médios e compactos, da Coréia, veículos pequenos e da Austrália, veículos grandes com tração traseira.

Sobre a arquitetura poderão ser montadas carcaças desenvolvidas por qualquer marca do Grupo GM ao gosto do mercado onde o veículo será vendido. Com o adicional de que o país responsável pela arquitetura desenvolverá, também, o primeiro modelo construído sobre a base. Como exemplo, Alberto Rejman, diretor de engenharia de produtos, explica que de uma única arquitetura de carro médio poderiam sair carros tão diferentes como o Opel Signum, o Vectra europeu, o Pontiac G6, o SAAB 9-5 Station Wagon e o Chevrolet Malibu.

A distribuição de tipos de veículos por região, explica Pedro Manuchakian, vice-presidente de engenharia da divisão LAAM (América Latina, África e Oriente Médio), levou em conta as características do mercado local e habilidades dos engenheiros. “Em volumes de carros pequenos o mercado asiático é imbatível, por isso a decisão de desenvolver essa arquitetura por lá. Como a nossa região tem alta demanda por picapes médias, ficamos com esse segmento”. Manuchakian enfatiza que “o desenvolvimento é feito no Brasil, mas a produção final pode ser feita em qualquer outro país”.

Para dar conta do novo desafio, o Centro Tecnológico da GM do Brasil terá seu quadro de engenheiros duplicados a 1,2 mil até 2008, com trezentos deles contratados ainda em 2006. O quadro de designers também terá incremento de 50% com 34 novas contratações até dezembro. Outra mudança que acontecerá nos próximos dois anos é na proporcionalidade: hoje 40% dos engenheiros brasileiros estão voltados a projetos mundiais e 60% a projetos locais. Em 2008, a relação será exatamente a inversa.

Além da mão-de-obra extra a empresa investirá US$ 30 milhões nos próximos três anos em São Caetano e no Campo de Provas da Cruz Alta em Indaiatuba. Os recursos se somarão aos US$ 40 milhões investidos nos últimos anos e serão usados, sobretudo, para a construção de novos laboratórios, compra de novas máquinas e equipamentos.

Os recursos materiais darão continuidade a revolução tecnológica pela qual a GM do Brasil vem passando nos últimos tempos. Em São Caetano, três salas: uma para o design, outra para engenharia e a última em manufatura, permitem aos profissionais envolvidos no desenvolvimento de veículos visualizar o projeto em três dimensões. Além disso, softwares são usados para diversas simulações diminuindo a necessidade de protótipos reais.

“Hoje, grande parte dos testes de aerodinâmica, de impacto e de segurança são feitos primeiro no computador. Depois que os resultados atingem o nível desejado, confirmamos com protótipos reais”, explica o diretor de engenharia da empresa. O resultado foi a redução em 50% do número de modelos necessários durante o desenvolvimento do veículo. Redução considerável, se levado em conta que para cada protótipo a empresa gasta US$ 300 mil.

Para Manuchakiam a digitalização dos processos é caminho irreversível e acontecerá cada vez mais rápido: “Ganhamos em custo e em redução de tempo. A confirmação com modelos reais ainda é necessária, mas eles ficarão cada vez mais obsoletos”, conclui.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;