Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Aliados de Temer já admitem que reforma da Previdência deve ficar para 2018

EBC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Eliseu Padilha disse que aprovação está crescendo, mas talvez não seja suficiente até o final deste ano



13/12/2017 | 00:52


Aliados do presidente Michel Temer já admitem que a votação da reforma da Previdência deve ficar para o ano que vem, apesar do esforço do governo de colocar a proposta em votação na próxima terça-feira, antes do recesso parlamentar. Durante jantar promovido pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), na noite desta terça-feira, 13, em Brasília, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) disse que a aprovação da proposta está crescendo, mas talvez não seja suficiente para realizar a deliberação até o final deste ano.

"A onda está crescendo, a gente só não sabe se vai ser tão grande quanto a gente precisa", afirmou Padilha ao chegar ao evento. O ministro da Casa Civil estima que a pressão nos Estados dos parlamentares pela aprovação da proposta está aumentando. Pelos seus cálculos, nos últimos 20 dias o apoio entre os deputados, por causa disso, teria crescido cerca de 40%.

"A gente está com a prancha em cima da cabeça prontos para surfar na onda, só falta a onda chegar", brincou o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que assumirá o cargo de ministro da Secretaria de Governo na quinta-feira. Marun disse que, se houvesse mais três semanas de atividades parlamentares neste ano, apostaria que a reforma seria aprovada, mas, com o prazo disponível, é difícil fazer previsões.

Inicialmente, a expectativa do governo é tentar colocar a reforma em votação a partir da segunda-feira, para finalizar o pleito no dia seguinte. O Planalto deve bater o martelo sobre a estratégia até quinta-feira. O governo calculará se possui uma margem de segurança para colocar a matéria em votação - para ser aprovada, são necessários pelo menos 308 votos.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), declarou que o clima está melhorando, principalmente por causa da economia, e que alguns parlamentes consideram que em 2018 pode estar "ainda melhor". "Nós vamos analisar", comentou. Alguns deputados e senadores defendem que o PIB pode superar as expectativas no próximo ano, o que facilitaria o discurso do governo pela aprovação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aliados de Temer já admitem que reforma da Previdência deve ficar para 2018

Eliseu Padilha disse que aprovação está crescendo, mas talvez não seja suficiente até o final deste ano


13/12/2017 | 00:52


Aliados do presidente Michel Temer já admitem que a votação da reforma da Previdência deve ficar para o ano que vem, apesar do esforço do governo de colocar a proposta em votação na próxima terça-feira, antes do recesso parlamentar. Durante jantar promovido pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), na noite desta terça-feira, 13, em Brasília, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) disse que a aprovação da proposta está crescendo, mas talvez não seja suficiente para realizar a deliberação até o final deste ano.

"A onda está crescendo, a gente só não sabe se vai ser tão grande quanto a gente precisa", afirmou Padilha ao chegar ao evento. O ministro da Casa Civil estima que a pressão nos Estados dos parlamentares pela aprovação da proposta está aumentando. Pelos seus cálculos, nos últimos 20 dias o apoio entre os deputados, por causa disso, teria crescido cerca de 40%.

"A gente está com a prancha em cima da cabeça prontos para surfar na onda, só falta a onda chegar", brincou o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que assumirá o cargo de ministro da Secretaria de Governo na quinta-feira. Marun disse que, se houvesse mais três semanas de atividades parlamentares neste ano, apostaria que a reforma seria aprovada, mas, com o prazo disponível, é difícil fazer previsões.

Inicialmente, a expectativa do governo é tentar colocar a reforma em votação a partir da segunda-feira, para finalizar o pleito no dia seguinte. O Planalto deve bater o martelo sobre a estratégia até quinta-feira. O governo calculará se possui uma margem de segurança para colocar a matéria em votação - para ser aprovada, são necessários pelo menos 308 votos.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), declarou que o clima está melhorando, principalmente por causa da economia, e que alguns parlamentes consideram que em 2018 pode estar "ainda melhor". "Nós vamos analisar", comentou. Alguns deputados e senadores defendem que o PIB pode superar as expectativas no próximo ano, o que facilitaria o discurso do governo pela aprovação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;