Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Mil e uma utilidades


Brickman

24/11/2013 | 07:01


O inquérito suíço sobre a Alstom e os documentos fornecidos pela Siemens sobre irregularidades nas concorrências para o Metrô e os trens urbanos de São Paulo devem ser aprofundados, e logo. Não se pode esquecer que o inquérito da Suíça foi ignorado no Brasil por cinco anos, e que os pedidos suíços de colaboração ficaram engavetados, oficialmente “por engano”, no Ministério Público Federal. Houve propina para dirigentes tucanos, desde o Governo Mário Covas, como informa um ex-diretor da Siemens? Quem recebeu, quem pagou, quem acobertou? Quais os cúmplices da ladroeira que elevou o preço de obras vitais?

A investigação tem de ser feita – mas, até que termine, há 1.001 coisas que podem acontecer rapidamente. Por exemplo, com base no inquérito suíço e nos documentos fornecidos pela multinacional alemã, parece haver motivos suficientes para afastar Alstom e Siemens, de imediato, de novas licitações; para promover auditorias independentes, afastadas de governos, nos contratos de que participam; e para afastar de seus cargos oficiais, provisoriamente, as autoridades acusadas de receber propinas. Não se trata de prejulgamento; apenas, como o presidente Itamar Franco fez com seu amigo e ministro Henrique Hargreaves, de evitar qualquer suspeita de abuso de poder no inquérito. Comprovada a falsidade das acusações, retornariam a seus cargos, vitoriosas, como o fez Hargreaves.

O escândalo se iniciou no governo de Mário Covas. Quem eram as autoridades encarregadas de evitar irregularidades nos contratos oficiais? Serão responsabilizadas?

Detalhando a denúncia

O ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer diz que propinas foram pagas em todos os governos tucanos paulistas – Covas, Alckmin, Serra – e reforçaram o Caixa dois de campanha do PSDB e de seu maior aliado, o DEM. As acusações, pela primeira vez, deixam de atingir apenas integrantes do segundo escalão e chegam a secretários de Estado e dirigentes de partidos aliados ao PSDB paulista. E citam ainda multinacionais como Bombardier e Caterpillar, além de Siemens e Alstom.

O nascer da crise

Diz a lógica que quem não tem direitos políticos não pode ocupar mandato eletivo. Disse o Supremo que a perda de mandato de condenados é automática, porque a pena inclui a perda de direitos políticos. Em caso de parlamentares, cabe à Casa a que pertencem apenas declarar a perda do mandato. Dizem os parlamentares, naqueles acessos incontíveis de coleguismo, que cabe a eles e só a eles decidir sobre perda de mandatos – ou seja, há a possibilidade de criação da Bancada da Papuda, só com presos que ocupam cadeiras no Congresso. Além da autodefesa – sabe-se lá o que o futuro pode reservar a suas excelências, se pegar a moda de investigá-los – há outro objetivo na defesa dessa estranha tese: o deputado José Genoíno, do PT paulista, pediu aposentadoria por invalidez. O pedido será examinado no início do ano que vem. A jogada é adiar a votação da cassação até que Genoino se aposente, com salários e vantagens integrais. Que o caro leitor imagine a reação da opinião pública à aposentadoria do presidiário.

Barulho sem gente

Quem acompanha as redes sociais, em que petistas radicalizados sustentam que os procuradores da República e os ministros do Supremo nomeados por presidentes petistas perseguem petistas, e juram que quem quer que não concorde com eles é da zelite, du zianque e da extrema direita, pensa que o PT inteiro está pintado para a guerra. Não é bem assim: Olívio Dutra, fundador do PT, ministro de Lula, ex-governador do Rio Grande do Sul, disse que Genoino, Dirceu e Delúbio se conduziram mal, que o processo não podia ter fim diferente e que não os considera presos políticos. Do PT do Paraná, só Zeca Dirceu, filho de Dirceu, assinou o protesto contra a prisão. Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, ministros de Dilma, calaram-se – silêncio compartilhado pelo presidente do PT paranaense.

Mensalão:

o mesmo, diferente

Ao ler o noticiário sobre o Mensalão mineiro, que, segundo o relator, ministro Luís Roberto Barroso, deve ser julgado no início do ano que vem, não se surpreenda se achar que está encontrando informações repetidas. O Mensalão mineiro envolve Eduardo Azeredo, ex-governador de Minas, ex-presidente nacional do PSDB – a grande novidade. Marcos Valério, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz já estão até condenados pelo outro Mensalão. Walfrido Mares Guia, que era Azeredo na época e hoje é dilmista e lulista, escapou do caso por ter mais de 70 anos.

E segue a mordomia

No endereço eletrônico abaixo, o personagem mais conhecido é o deputado federal paranaense André Vargas, diretor nacional de Comunicação do PT, líder da MAV (Militância em Ambientes Virtuais), nome elegante da ferocíssima patrulha petista na Internet. Vargas está no aeroporto de Londrina, com um avião turboélice da FAB (Força Aérea Brasileira) esperando para levá-lo a Brasília (voos comerciais? Isso é para passageiros comuns). Ao lado, um assessor de seu gabinete, pago naturalmente com verba pública, exerce a nobre função de carregar a maleta e o paletó de sua excelência – algo como uma Bolsa-Cabide. Da coluna de José Pedriali, http://blogs.odiario.com/josepedriali/2013/11/18/andre-vargas-assessor-cabide



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mil e uma utilidades

Brickman

24/11/2013 | 07:01


O inquérito suíço sobre a Alstom e os documentos fornecidos pela Siemens sobre irregularidades nas concorrências para o Metrô e os trens urbanos de São Paulo devem ser aprofundados, e logo. Não se pode esquecer que o inquérito da Suíça foi ignorado no Brasil por cinco anos, e que os pedidos suíços de colaboração ficaram engavetados, oficialmente “por engano”, no Ministério Público Federal. Houve propina para dirigentes tucanos, desde o Governo Mário Covas, como informa um ex-diretor da Siemens? Quem recebeu, quem pagou, quem acobertou? Quais os cúmplices da ladroeira que elevou o preço de obras vitais?

A investigação tem de ser feita – mas, até que termine, há 1.001 coisas que podem acontecer rapidamente. Por exemplo, com base no inquérito suíço e nos documentos fornecidos pela multinacional alemã, parece haver motivos suficientes para afastar Alstom e Siemens, de imediato, de novas licitações; para promover auditorias independentes, afastadas de governos, nos contratos de que participam; e para afastar de seus cargos oficiais, provisoriamente, as autoridades acusadas de receber propinas. Não se trata de prejulgamento; apenas, como o presidente Itamar Franco fez com seu amigo e ministro Henrique Hargreaves, de evitar qualquer suspeita de abuso de poder no inquérito. Comprovada a falsidade das acusações, retornariam a seus cargos, vitoriosas, como o fez Hargreaves.

O escândalo se iniciou no governo de Mário Covas. Quem eram as autoridades encarregadas de evitar irregularidades nos contratos oficiais? Serão responsabilizadas?

Detalhando a denúncia

O ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer diz que propinas foram pagas em todos os governos tucanos paulistas – Covas, Alckmin, Serra – e reforçaram o Caixa dois de campanha do PSDB e de seu maior aliado, o DEM. As acusações, pela primeira vez, deixam de atingir apenas integrantes do segundo escalão e chegam a secretários de Estado e dirigentes de partidos aliados ao PSDB paulista. E citam ainda multinacionais como Bombardier e Caterpillar, além de Siemens e Alstom.

O nascer da crise

Diz a lógica que quem não tem direitos políticos não pode ocupar mandato eletivo. Disse o Supremo que a perda de mandato de condenados é automática, porque a pena inclui a perda de direitos políticos. Em caso de parlamentares, cabe à Casa a que pertencem apenas declarar a perda do mandato. Dizem os parlamentares, naqueles acessos incontíveis de coleguismo, que cabe a eles e só a eles decidir sobre perda de mandatos – ou seja, há a possibilidade de criação da Bancada da Papuda, só com presos que ocupam cadeiras no Congresso. Além da autodefesa – sabe-se lá o que o futuro pode reservar a suas excelências, se pegar a moda de investigá-los – há outro objetivo na defesa dessa estranha tese: o deputado José Genoíno, do PT paulista, pediu aposentadoria por invalidez. O pedido será examinado no início do ano que vem. A jogada é adiar a votação da cassação até que Genoino se aposente, com salários e vantagens integrais. Que o caro leitor imagine a reação da opinião pública à aposentadoria do presidiário.

Barulho sem gente

Quem acompanha as redes sociais, em que petistas radicalizados sustentam que os procuradores da República e os ministros do Supremo nomeados por presidentes petistas perseguem petistas, e juram que quem quer que não concorde com eles é da zelite, du zianque e da extrema direita, pensa que o PT inteiro está pintado para a guerra. Não é bem assim: Olívio Dutra, fundador do PT, ministro de Lula, ex-governador do Rio Grande do Sul, disse que Genoino, Dirceu e Delúbio se conduziram mal, que o processo não podia ter fim diferente e que não os considera presos políticos. Do PT do Paraná, só Zeca Dirceu, filho de Dirceu, assinou o protesto contra a prisão. Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, ministros de Dilma, calaram-se – silêncio compartilhado pelo presidente do PT paranaense.

Mensalão:

o mesmo, diferente

Ao ler o noticiário sobre o Mensalão mineiro, que, segundo o relator, ministro Luís Roberto Barroso, deve ser julgado no início do ano que vem, não se surpreenda se achar que está encontrando informações repetidas. O Mensalão mineiro envolve Eduardo Azeredo, ex-governador de Minas, ex-presidente nacional do PSDB – a grande novidade. Marcos Valério, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz já estão até condenados pelo outro Mensalão. Walfrido Mares Guia, que era Azeredo na época e hoje é dilmista e lulista, escapou do caso por ter mais de 70 anos.

E segue a mordomia

No endereço eletrônico abaixo, o personagem mais conhecido é o deputado federal paranaense André Vargas, diretor nacional de Comunicação do PT, líder da MAV (Militância em Ambientes Virtuais), nome elegante da ferocíssima patrulha petista na Internet. Vargas está no aeroporto de Londrina, com um avião turboélice da FAB (Força Aérea Brasileira) esperando para levá-lo a Brasília (voos comerciais? Isso é para passageiros comuns). Ao lado, um assessor de seu gabinete, pago naturalmente com verba pública, exerce a nobre função de carregar a maleta e o paletó de sua excelência – algo como uma Bolsa-Cabide. Da coluna de José Pedriali, http://blogs.odiario.com/josepedriali/2013/11/18/andre-vargas-assessor-cabide

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;