Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Saúde volta a criar turbulências no governo Atila

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Falta de autonomia faz secretário cogitar entregar o cargo; Ricardo Burdelis é o terceiro da gestão


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

25/04/2018 | 07:00


Ingerências na Secretaria de Saúde de Mauá voltaram a provocar dores de cabeça para o prefeito Atila Jacomussi (PSB). Terceiro chefe da Pasta na atual gestão e nomeado há menos de dois meses, Ricardo Burdelis tem enfrentado interferências no setor e, segundo apurou o Diário, cogita entregar o cargo no alto escalão.

A turbulência é causada tanto por motivos técnicos quanto políticos, de acordo com fontes do núcleo duro do Paço mauaense. A complexidade da área, cuja gerência dos principais equipamentos é terceirizada – está nas mãos da FUABC (Fundação do ABC) –, tem evidenciado a falta de autonomia de Burdelis à frente da secretaria e gerado insatisfação interna na Pasta. O modelo de gestão do Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, principal equipamento de Saúde do município, também é razão de incômodo, uma vez que a unidade tem um superintendente próprio – Antônio Carlos Marques ocupa o posto.

Somado a isso, Burdelis também estaria enfrentando intervenções por parte de vereadores governistas e até por comissionados da gestão Atila, que chegam a indicar pacientes para ser atendidos nos equipamentos, sobretudo na Santa Casa. E foi justamente o contrato com a entidade que virou a gota d’água nesta crise. Como mostrou o Diário na sexta-feira, o convênio entre o hospital e o Paço de Mauá está sob risco de não ser renovado porque a instituição possui débitos com a Receita Federal – a Santa Casa nega. A divergência ocorre porque a cúpula da gestão Atila quer romper com a entidade, com receio de ter de enfrentar consequências jurídicas no futuro, enquanto a avaliação do comando da Secretaria de Saúde e a de que há caminhos para a renovação do acordo.

O Diário apurou que Burdelis terá uma reunião hoje cedo com a cúpula do governo para decidir se há chances ou não de a instabilidade ser resolvida. Burdelis, inclusive, já teria deixado pronta carta de exoneração e poderá apresentá-la a Atila neste encontro. Integrantes do alto escalão do Paço ponderam, contudo, que momentos de turbulências maiores já foram registrados dias atrás e que, ainda assim, Burdelis permaneceu no posto.

HISTÓRICO
As mesmas ingerências enfrentadas por Ricardo Burdelis derrubaram do cargo, em dezembro, o ex-vice-prefeito Márcio Chaves (PSD), primeiro secretário de Saúde do governo Atila e atual chefe do mesmo setor em Santo André. Diferentemente do pessedista, porém, Burdelis não é político – é médico nefrologista. Burdelis assumiu em 7 de março. Antes disso, era diretor da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Já a Saúde estava sob o comando interino de Rogério Babichak, secretário de Assuntos Jurídicos.

Nem Atila nem Burdelis atenderam aos contatos do Diário para falar sobre o caso. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saúde volta a criar turbulências no governo Atila

Falta de autonomia faz secretário cogitar entregar o cargo; Ricardo Burdelis é o terceiro da gestão

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

25/04/2018 | 07:00


Ingerências na Secretaria de Saúde de Mauá voltaram a provocar dores de cabeça para o prefeito Atila Jacomussi (PSB). Terceiro chefe da Pasta na atual gestão e nomeado há menos de dois meses, Ricardo Burdelis tem enfrentado interferências no setor e, segundo apurou o Diário, cogita entregar o cargo no alto escalão.

A turbulência é causada tanto por motivos técnicos quanto políticos, de acordo com fontes do núcleo duro do Paço mauaense. A complexidade da área, cuja gerência dos principais equipamentos é terceirizada – está nas mãos da FUABC (Fundação do ABC) –, tem evidenciado a falta de autonomia de Burdelis à frente da secretaria e gerado insatisfação interna na Pasta. O modelo de gestão do Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, principal equipamento de Saúde do município, também é razão de incômodo, uma vez que a unidade tem um superintendente próprio – Antônio Carlos Marques ocupa o posto.

Somado a isso, Burdelis também estaria enfrentando intervenções por parte de vereadores governistas e até por comissionados da gestão Atila, que chegam a indicar pacientes para ser atendidos nos equipamentos, sobretudo na Santa Casa. E foi justamente o contrato com a entidade que virou a gota d’água nesta crise. Como mostrou o Diário na sexta-feira, o convênio entre o hospital e o Paço de Mauá está sob risco de não ser renovado porque a instituição possui débitos com a Receita Federal – a Santa Casa nega. A divergência ocorre porque a cúpula da gestão Atila quer romper com a entidade, com receio de ter de enfrentar consequências jurídicas no futuro, enquanto a avaliação do comando da Secretaria de Saúde e a de que há caminhos para a renovação do acordo.

O Diário apurou que Burdelis terá uma reunião hoje cedo com a cúpula do governo para decidir se há chances ou não de a instabilidade ser resolvida. Burdelis, inclusive, já teria deixado pronta carta de exoneração e poderá apresentá-la a Atila neste encontro. Integrantes do alto escalão do Paço ponderam, contudo, que momentos de turbulências maiores já foram registrados dias atrás e que, ainda assim, Burdelis permaneceu no posto.

HISTÓRICO
As mesmas ingerências enfrentadas por Ricardo Burdelis derrubaram do cargo, em dezembro, o ex-vice-prefeito Márcio Chaves (PSD), primeiro secretário de Saúde do governo Atila e atual chefe do mesmo setor em Santo André. Diferentemente do pessedista, porém, Burdelis não é político – é médico nefrologista. Burdelis assumiu em 7 de março. Antes disso, era diretor da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Já a Saúde estava sob o comando interino de Rogério Babichak, secretário de Assuntos Jurídicos.

Nem Atila nem Burdelis atenderam aos contatos do Diário para falar sobre o caso. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;