Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Urbanização do Jardim Santo André provoca transtornos aos moradores

Anderson Silva/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ruas esburacadas e com pedras soltas atrapalham a rotina da população


Leonardo Santos
Especial para o Diário

24/02/2016 | 07:00


Obra de urbanização com o propósito de levar melhorias à população carente do Jardim Santo André, em Santo André, se tornou transtorno para os moradores. Isso porque os trabalhos, realizados pela CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), além de caminharem a passos lentos, deixam as ruas esburacadas, cheias de pedras e sem iluminação.

A equipe do Diário esteve nas ruas da Visão e Gamboa e teve dificuldades em chegar até as residências dos munícipes por contas da situação precária das vias. Exemplo de problema é a falta de acesso de veículos de grande porte ao local. Com isso, os moradores são obrigados a caminhar com o lixo doméstico até a Avenida Loreto, cerca de 500 metros, para que o caminhão da coleta possa levar os resíduos.

Para facilitarem suas vidas, alguns dos moradores improvisaram acessos até suas casas. As tábuas de madeira são usadas para não correrem o risco de escorregar nas pedras.
Moradora do bairro há 18 anos, a técnica de enfermagem Maria Eunice Fernandes, 59 anos, está afastada do trabalho após ter se acidentado enquanto voltava para casa. Ela tropeçou em uma pedra, caiu e quebrou o dedo do pé. “Eu me aposentaria logo, mas como não estou trabalhando agora, vai demorar mais”, reclama. “Temos uma creche aqui perto. Muitas mães passam com crianças no colo. É um perigo”, conta.

“Tentamos contato tanto com a Prefeitura quanto com o governo estadual e até agora nada”, revela o morador Valdemi Alves Brandão, 50. “Nós tapamos um buraco por conta própria. Isso não é obrigação nossa. É um descaso”, afirma.

As obras foram iniciadas em setembro de 2015 e a expectativa da CDHU é a de que sejam normalizadas em abril, após conclusão de estudos necessários para adequações no projeto. A companhia ressaltou que os locais de intervenção das obras estão devidamente sinalizados e protegidos, conforme as normas técnicas vigentes. Além disso, equipe será encaminhada ao local para realizar vistoria e determinar as providências necessárias.

Já a Prefeitura esclareceu que iniciou, em 2013, projeto de ampliação da iluminação da área, em parceria com a AES Eletropaulo. Segundo a administração, a evolução dos serviços da CDHU permitirá a implantação de redes de distribuição de energia elétrica e de iluminação

O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental) informou que vai avaliar a possibilidade da colocação de contêiner para que os resíduos não fiquem espalhados pelo passeio público. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;