Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar supera R$ 5,16 com cautela por saída de Mansueto e exterior negativo

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

A cautela lá fora antecede ainda a presença do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, no Congresso americano nesta terça e quarta-feira



15/06/2020 | 09:54


O dólar segue em alta, com máxima a R$ 5,1649 (+2,43) no mercado à vista na manhã desta segunda-feira, 15. Os investidores ampliam posições defensivas, reagindo ao anuncio da saída do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, programada para agosto, e à aversão a ativos de risco no exterior em meio a sinais de uma segunda onda de covid-19 nos EUA e China e após os dados chineses de produção industrial e de vendas no varejo em maio na China piores que o esperado, divulgados nesta segunda.

A cautela lá fora antecede ainda a presença do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, no Congresso americano nesta terça e quarta-feira.

Operadores afirmam que a saída de Mansueto não muda as apostas majoritárias de corte da Selic de 0,75 ponto, para 2,25% na reunião do Copom desta quarta-feira, ainda que eleve as preocupações com a continuidade do ajuste fiscal das contas públicas.

Quatro integrantes do Ministério da Economia estão entre os cotados para suceder Mansueto Almeida no cargo de secretário do Tesouro Nacional, segundo apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado): Caio Megale, Bruno Funchal, Jeferson Bittencourt e Pricilla Maria Santana.

Em entrevista à Globonews pela manhã, Mansueto defendeu que o seu substituto e equipe econômica aprimorem o diálogo com o Congresso e governadores pelo ajuste fiscal. "O ajuste fiscal não está em risco", disse ele. O secretário lembrou que "hoje o ajuste fiscal do Brasil está na Constituição, é o teto de gastos". "Para o governo não cumprir o teto de gastos em 2021 teria que mudar a Constituição; sem fazer mudança está garantido. Não acredito que alguém vá mudar o teto de gastos", emendou.

No relatório Focus desta segunda, os economistas projetam queda mais acentuada do PIB em 2020, passando de 6,48% para 6,51%. A estimativa para o câmbio caiu de R$ 5,40 para R$ 5,20. A estimativa para o IPCA passou de 1,53% para 1,60% e para Selic este ano segue em 2,25%. Além disso, o Brasil já ocupa o segundo lugar em casos e mortes por covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, com total de óbitos de 43.389 e o de contaminações, de 867.882, no domingo.

As atenções devem se voltar mais tarde para o Palácio do Planalto. O presidente Jair Bolsonaro reúne-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, à tarde, e também tem encontro agendado com o ministro da educação, Abraham Weintraub.

Às 9h24, o dólar à vista subia 2,17%, a R$ 5,1519. O dólar futuro para julho avançava 1,84%, a R$ 5,1475.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar supera R$ 5,16 com cautela por saída de Mansueto e exterior negativo

A cautela lá fora antecede ainda a presença do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, no Congresso americano nesta terça e quarta-feira


15/06/2020 | 09:54


O dólar segue em alta, com máxima a R$ 5,1649 (+2,43) no mercado à vista na manhã desta segunda-feira, 15. Os investidores ampliam posições defensivas, reagindo ao anuncio da saída do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, programada para agosto, e à aversão a ativos de risco no exterior em meio a sinais de uma segunda onda de covid-19 nos EUA e China e após os dados chineses de produção industrial e de vendas no varejo em maio na China piores que o esperado, divulgados nesta segunda.

A cautela lá fora antecede ainda a presença do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, no Congresso americano nesta terça e quarta-feira.

Operadores afirmam que a saída de Mansueto não muda as apostas majoritárias de corte da Selic de 0,75 ponto, para 2,25% na reunião do Copom desta quarta-feira, ainda que eleve as preocupações com a continuidade do ajuste fiscal das contas públicas.

Quatro integrantes do Ministério da Economia estão entre os cotados para suceder Mansueto Almeida no cargo de secretário do Tesouro Nacional, segundo apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado): Caio Megale, Bruno Funchal, Jeferson Bittencourt e Pricilla Maria Santana.

Em entrevista à Globonews pela manhã, Mansueto defendeu que o seu substituto e equipe econômica aprimorem o diálogo com o Congresso e governadores pelo ajuste fiscal. "O ajuste fiscal não está em risco", disse ele. O secretário lembrou que "hoje o ajuste fiscal do Brasil está na Constituição, é o teto de gastos". "Para o governo não cumprir o teto de gastos em 2021 teria que mudar a Constituição; sem fazer mudança está garantido. Não acredito que alguém vá mudar o teto de gastos", emendou.

No relatório Focus desta segunda, os economistas projetam queda mais acentuada do PIB em 2020, passando de 6,48% para 6,51%. A estimativa para o câmbio caiu de R$ 5,40 para R$ 5,20. A estimativa para o IPCA passou de 1,53% para 1,60% e para Selic este ano segue em 2,25%. Além disso, o Brasil já ocupa o segundo lugar em casos e mortes por covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, com total de óbitos de 43.389 e o de contaminações, de 867.882, no domingo.

As atenções devem se voltar mais tarde para o Palácio do Planalto. O presidente Jair Bolsonaro reúne-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, à tarde, e também tem encontro agendado com o ministro da educação, Abraham Weintraub.

Às 9h24, o dólar à vista subia 2,17%, a R$ 5,1519. O dólar futuro para julho avançava 1,84%, a R$ 5,1475.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;