Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vice de Ciro acusa procurador de estar 'a serviço de alguém'


Do Diário OnLine

04/09/2002 | 00:52


O candidato à vice-Presidência da República pela Frente Trabalhista, Paulo Pereira Silva (PDT), o Paulinho, acusou nesta terça-feira o procurador federal de Marília, Célio Vieira da Silva, de "estar a serviço" de alguém para prejudicar sua candidatura, pelo fato de ele ser vice de Ciro Gomes (PPS). "Eu sei quais são seus interesses e para quem ele está trabalhando. Só não posso dizer agora para quem", disse.

Paulinho convocou uma entrevista coletiva para explicar o seu não comparecimento na segunda-feira no Ministério Público, onde deveria depor sobre o caso de possíveis irregularidades na compra de uma fazenda pela Força Sindical, na época em que ele presidia a entidade. Ele voltou a negar a denúncia, e se dispôs a abrir seu sigilo bancário.

"Isso aqui é uma sacanagem que estão fazendo contra a Força Sindical e contra a minha candidatura. Sou apenas uma das 40 testemunhas do processo. Nenhuma outra das testemunhas está sofrendo o mesmo tipo de perseguição que eu", disse.

Sobre a compra da fazenda Ceres, em Piraju (SP), Paulinho disse que o papel da Força Sindical foi organizar as famílias, treiná-las e coordenar o processo produtivo. Ele declarou que a propriedade foi comprada pela Associação de Agricultores da Força da Terra de Pirajú.

O sindicalista também apresentou um relatório do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que concluiria que não houve superfaturamento na compra da fazenda, já que o valor pago, R$ 2,3 milhões, estaria dentro do preço de mercado da região.

Ao deixar a entrevista coletiva, Paulinho recebeu a intimação para depor na próxima sexta-feira, às 10h, no Ministério Público. Depois de faltar nas duas primeiras convocações, o sindicalista disse que pretende comparecer ao órgão para prestar depoimento.

Na madrugada desta quarta, em entrevista ao Jornal da Globo, ele voltou a negar as acusações e afirmou que "tudo não passa de manipulação política contra a candidatura de Ciro". Ele ainda acusou a Controladoria Geral da União de "irresponsabilidade" pelo fato de ter suspendido o repasse de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) à Força Sindical.

De acordo com Paulinho, até mesmo a Fundação Roberto Marinho consta em uma lista da Controladoria de supostas irregularidades, mas apenas seu caso foi tornado público em razão de sua participação no processo eleitoral.

Com relação à suspensão do repasse de verbas à Força, a medida foi tomada porque há dúvidas sobre a utilização de US$ 38 milhões provenientes do FAT. A ministra-chefe do órgão, Anadyr de Mendonça Rodrigues, alegou ainda que 98,33% das fichas de trabalhadores inscritos no programa possuíam algum tipo de divergência com os dados registrados no Ministério do Trabalho.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vice de Ciro acusa procurador de estar 'a serviço de alguém'

Do Diário OnLine

04/09/2002 | 00:52


O candidato à vice-Presidência da República pela Frente Trabalhista, Paulo Pereira Silva (PDT), o Paulinho, acusou nesta terça-feira o procurador federal de Marília, Célio Vieira da Silva, de "estar a serviço" de alguém para prejudicar sua candidatura, pelo fato de ele ser vice de Ciro Gomes (PPS). "Eu sei quais são seus interesses e para quem ele está trabalhando. Só não posso dizer agora para quem", disse.

Paulinho convocou uma entrevista coletiva para explicar o seu não comparecimento na segunda-feira no Ministério Público, onde deveria depor sobre o caso de possíveis irregularidades na compra de uma fazenda pela Força Sindical, na época em que ele presidia a entidade. Ele voltou a negar a denúncia, e se dispôs a abrir seu sigilo bancário.

"Isso aqui é uma sacanagem que estão fazendo contra a Força Sindical e contra a minha candidatura. Sou apenas uma das 40 testemunhas do processo. Nenhuma outra das testemunhas está sofrendo o mesmo tipo de perseguição que eu", disse.

Sobre a compra da fazenda Ceres, em Piraju (SP), Paulinho disse que o papel da Força Sindical foi organizar as famílias, treiná-las e coordenar o processo produtivo. Ele declarou que a propriedade foi comprada pela Associação de Agricultores da Força da Terra de Pirajú.

O sindicalista também apresentou um relatório do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que concluiria que não houve superfaturamento na compra da fazenda, já que o valor pago, R$ 2,3 milhões, estaria dentro do preço de mercado da região.

Ao deixar a entrevista coletiva, Paulinho recebeu a intimação para depor na próxima sexta-feira, às 10h, no Ministério Público. Depois de faltar nas duas primeiras convocações, o sindicalista disse que pretende comparecer ao órgão para prestar depoimento.

Na madrugada desta quarta, em entrevista ao Jornal da Globo, ele voltou a negar as acusações e afirmou que "tudo não passa de manipulação política contra a candidatura de Ciro". Ele ainda acusou a Controladoria Geral da União de "irresponsabilidade" pelo fato de ter suspendido o repasse de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) à Força Sindical.

De acordo com Paulinho, até mesmo a Fundação Roberto Marinho consta em uma lista da Controladoria de supostas irregularidades, mas apenas seu caso foi tornado público em razão de sua participação no processo eleitoral.

Com relação à suspensão do repasse de verbas à Força, a medida foi tomada porque há dúvidas sobre a utilização de US$ 38 milhões provenientes do FAT. A ministra-chefe do órgão, Anadyr de Mendonça Rodrigues, alegou ainda que 98,33% das fichas de trabalhadores inscritos no programa possuíam algum tipo de divergência com os dados registrados no Ministério do Trabalho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;