Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresas seduzem consumidor pelo cheiro


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

28/03/2010 | 07:00


Lembra quando você passou pelos corredores de um mercado e foi atraído pelo aroma de panetone? Você pode ter sido fisgado pelo marketing olfativo de ação especial de uma marca dessas iguarias. Algumas empresas são especializadas em estudar as marcas ou os desejos dos clientes e criar fragrâncias especiais que causam desde sensação de relaxamento até fome e sede.

Segundo o diretor de marketing da AirBerger, Marcelo Ginzberg, a filial brasileira da companhia francesa especialista em aroma, trabalha com duas linhas olfativas. "Em uma o consumidor é estimulado a comprar por impulso. Neste caso, nada melhor do que cheiro de chocolate para estimular o consumo de bolo de chocolate".

A segunda linha de marketing de cheiro da empresa consiste em mexer com a experiência das pessoas. "Como promover a sensação de bem estar e conforto", diz Ginzberg.

Conforme a companhia especializada nesta ferramenta sensorial Biomist, pesquisa revela que as pessoas memorizam até 10 mil aromas e apenas 200 cores. E a mente humana é capaz de recordar 35% dos odores que sente, 5% do que vê, 2% do que ouve e 1% do que toca.

Outro dado informado pela Biomist aponta que lojas, na Alemanha, que utilizaram fragrâncias personalizadas tiveram aumento de 15,9% da permanência dos clientes e 6% de vendas reais.

PAPEL - A proprietária da Croma, Vanice Zanoni, lembra que várias revistas já utilizaram o marketing olfativo em suas páginas, em anúncios de perfumes e desodorantes.

"Nós criamos qualquer tipo de aroma. Já criamos até de cigarro em evento promocional", diz a empresária. Descontraída, Vanice lembra: "até cheiro de pum nós fizemos para figurinhas para álbuns da Panini".

SEDE - A executiva conta, sem revelar nomes, que redes de comida fast-food já utilizaram aromas no ambiente que estimulavam a sede. "Esse é um dos artifícios para vender mais refrigerantes. Sem contar as fragrâncias que espantam o cliente; por ser fast-food, ajuda na alta rotatividade. Algumas grifes também encomendam seu cheiros personalizados", completa Vanice.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresas seduzem consumidor pelo cheiro

Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

28/03/2010 | 07:00


Lembra quando você passou pelos corredores de um mercado e foi atraído pelo aroma de panetone? Você pode ter sido fisgado pelo marketing olfativo de ação especial de uma marca dessas iguarias. Algumas empresas são especializadas em estudar as marcas ou os desejos dos clientes e criar fragrâncias especiais que causam desde sensação de relaxamento até fome e sede.

Segundo o diretor de marketing da AirBerger, Marcelo Ginzberg, a filial brasileira da companhia francesa especialista em aroma, trabalha com duas linhas olfativas. "Em uma o consumidor é estimulado a comprar por impulso. Neste caso, nada melhor do que cheiro de chocolate para estimular o consumo de bolo de chocolate".

A segunda linha de marketing de cheiro da empresa consiste em mexer com a experiência das pessoas. "Como promover a sensação de bem estar e conforto", diz Ginzberg.

Conforme a companhia especializada nesta ferramenta sensorial Biomist, pesquisa revela que as pessoas memorizam até 10 mil aromas e apenas 200 cores. E a mente humana é capaz de recordar 35% dos odores que sente, 5% do que vê, 2% do que ouve e 1% do que toca.

Outro dado informado pela Biomist aponta que lojas, na Alemanha, que utilizaram fragrâncias personalizadas tiveram aumento de 15,9% da permanência dos clientes e 6% de vendas reais.

PAPEL - A proprietária da Croma, Vanice Zanoni, lembra que várias revistas já utilizaram o marketing olfativo em suas páginas, em anúncios de perfumes e desodorantes.

"Nós criamos qualquer tipo de aroma. Já criamos até de cigarro em evento promocional", diz a empresária. Descontraída, Vanice lembra: "até cheiro de pum nós fizemos para figurinhas para álbuns da Panini".

SEDE - A executiva conta, sem revelar nomes, que redes de comida fast-food já utilizaram aromas no ambiente que estimulavam a sede. "Esse é um dos artifícios para vender mais refrigerantes. Sem contar as fragrâncias que espantam o cliente; por ser fast-food, ajuda na alta rotatividade. Algumas grifes também encomendam seu cheiros personalizados", completa Vanice.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;