Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Av.Lions tem mais um dia de transtornos

Orlando Filho/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Via teve faixa fechada no sentido Santo André para conserto de grade de ferro quebrada


Drielly Gaspar
Fábio Munhoz

01/11/2013 | 07:00


Motoristas enfrentaram ontem mais um dia de congestionamento na Avenida Lions, em São Bernardo. A via teve faixa interditada para conserto de chapa de metal que cobre uma valeta para escoamento da água. Desde a inauguração do trecho rebaixado do corredor, em maio de 2012, esta já é a sétima vez que o problema ocorre. O prefeito Luiz Marinho (PT) afirmou que a responsabilidade pelo conserto é da OAS, empreiteira que executou a obra.

O material afundou na noite de quarta-feira. Até o fechamento desta edição, ainda havia interdição de cerca de 200 metros da faixa da direita da pista sentido Santo André, próximo ao viaduto da Avenida Vivaldi. À tarde, foi registrada lentidão de aproximadamente 3,5 quilômetros, chegando à divisa de São Bernardo com Diadema. Na semana passada, as chapas de ferro fundido foram colocadas em substituição a grelhas metálicas.

O mestre de obras Adenildo Oliveira, da OAS, afirma que a causa do problema é a instabilidade da base da vala. “Vamos ter que construir uma parede paralela a já existente para nivelarmos o apoio das placas”, acrescenta. O Diário procurou representantes da empreiteira, mas ninguém se manifestou.

À noite, Marinho reiterou que a responsabilidade pelos reparos é da OAS, mas ponderou que ainda não há necessidade de multar a empresa. “Eles estão atendendo. À medida que quebra, eles consertam. Teria multa se não fizessem.” Segundo o prefeito, a empreiteira está “buscando encontrar uma solução”. “Espero que em alguma hora eles cheguem a um material que suporte as carretas que por ali passam”, ironizou.

Especialista em Transportes, o engenheiro Creso Peixoto, professor da FEI (Fundação Educacional Inaciana) informa que os responsáveis pela via deveriam realizar estudo para solucionar o problema definitivamente. “Grelhas ou chapas têm de ser estudadas para aguentar a carga, que, no caso de caminhões, é de cinco toneladas, no mínimo.” O professor acrescenta que o material deve possuir espessura adequada para não vibrar, o que pode provocar o deslocamento. “Também é preciso reprojetar o encaixe”, finaliza.

Segundo o engenheiro, a drenagem é uma das questões mais difíceis de ser resolvidas em avenidas rebaixadas. No caso de vias movimentadas, diz Peixoto, as chapas não são a melhor opção para o escoamento. “O interessante é que tenha uma caixa para receber o volume de água e que haja uma bomba que sugue e retire de lá.”

OBRA

Orçado em R$ 39 milhões, o rebaixamento da Avenida Lions foi uma das principais obras do governo Marinho. A via compõe o Corredor ABD, que liga Diadema a Santo André. O objetivo da construção de uma pista expressa foi a eliminação dos cruzamentos em nível e a consequente agilidade no deslocamento entre as cidades. (Colaborou Guilherme Monfardini) 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Av.Lions tem mais um dia de transtornos

Via teve faixa fechada no sentido Santo André para conserto de grade de ferro quebrada

Drielly Gaspar
Fábio Munhoz

01/11/2013 | 07:00


Motoristas enfrentaram ontem mais um dia de congestionamento na Avenida Lions, em São Bernardo. A via teve faixa interditada para conserto de chapa de metal que cobre uma valeta para escoamento da água. Desde a inauguração do trecho rebaixado do corredor, em maio de 2012, esta já é a sétima vez que o problema ocorre. O prefeito Luiz Marinho (PT) afirmou que a responsabilidade pelo conserto é da OAS, empreiteira que executou a obra.

O material afundou na noite de quarta-feira. Até o fechamento desta edição, ainda havia interdição de cerca de 200 metros da faixa da direita da pista sentido Santo André, próximo ao viaduto da Avenida Vivaldi. À tarde, foi registrada lentidão de aproximadamente 3,5 quilômetros, chegando à divisa de São Bernardo com Diadema. Na semana passada, as chapas de ferro fundido foram colocadas em substituição a grelhas metálicas.

O mestre de obras Adenildo Oliveira, da OAS, afirma que a causa do problema é a instabilidade da base da vala. “Vamos ter que construir uma parede paralela a já existente para nivelarmos o apoio das placas”, acrescenta. O Diário procurou representantes da empreiteira, mas ninguém se manifestou.

À noite, Marinho reiterou que a responsabilidade pelos reparos é da OAS, mas ponderou que ainda não há necessidade de multar a empresa. “Eles estão atendendo. À medida que quebra, eles consertam. Teria multa se não fizessem.” Segundo o prefeito, a empreiteira está “buscando encontrar uma solução”. “Espero que em alguma hora eles cheguem a um material que suporte as carretas que por ali passam”, ironizou.

Especialista em Transportes, o engenheiro Creso Peixoto, professor da FEI (Fundação Educacional Inaciana) informa que os responsáveis pela via deveriam realizar estudo para solucionar o problema definitivamente. “Grelhas ou chapas têm de ser estudadas para aguentar a carga, que, no caso de caminhões, é de cinco toneladas, no mínimo.” O professor acrescenta que o material deve possuir espessura adequada para não vibrar, o que pode provocar o deslocamento. “Também é preciso reprojetar o encaixe”, finaliza.

Segundo o engenheiro, a drenagem é uma das questões mais difíceis de ser resolvidas em avenidas rebaixadas. No caso de vias movimentadas, diz Peixoto, as chapas não são a melhor opção para o escoamento. “O interessante é que tenha uma caixa para receber o volume de água e que haja uma bomba que sugue e retire de lá.”

OBRA

Orçado em R$ 39 milhões, o rebaixamento da Avenida Lions foi uma das principais obras do governo Marinho. A via compõe o Corredor ABD, que liga Diadema a Santo André. O objetivo da construção de uma pista expressa foi a eliminação dos cruzamentos em nível e a consequente agilidade no deslocamento entre as cidades. (Colaborou Guilherme Monfardini) 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;