Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ex-mordomo afirma que Diana não queria se divorciar


da AFP

09/11/2002 | 14:05


A princesa Diana não queria se divorciar do príncipe Charles e sofreu a intervenção de vários personagens públicos em relação ao assunto, como o ex-premiê John Major e o arcebispo de Canterbury George Carey. As afirmações são do ex-mordomo da família real britânica Paul Burrell, que concedeu entrevista ao jornal Daily Mirror.

"Diana jamais quis divorciar-se. O divórcio lhe foi imposto. Ela fez tudo para que aquilo não acontecesse, mas no final seu casamento se destruiu. Nessa história, ela era um passageiro. Todo mundo participou: o ex-primeiro-ministro britânico John Major, o arcebispo de Canterbury e outros personagens que pensavam que a conheciam melhor", declarou Burrel.

Ele contou ainda que ocorreu, inclusive, uma reunião com Diana no Palácio de Kensington para o assunto ser discutido. A princesa de Gales teria dito a Major: "Por que devo ver o senhor? Charles e eu é quem devemos tomar a decisão".

"Todos vieram ver a princesa com seus próprios objetivos. O casamento não podia se sustentar com esse nível de intervenção", afirmou o ex-mordomo.

Diante das declarações de Burrel, um porta-voz do ex-premiê afirmou que "Major deu os conselhos que a princesa de Gales lhe pediu. Qualquer outra insinuação é puramente absurda".

Fontes próximas a George Carey, chefe da Igreja Anglicana e arcebispo de Canterbury entre março de 1991 e outubro de 2002, declararam que suas relações com a família real eram assunto particular.

O ex-mordomo, chamado por Diana de "meu rochedo", disse também que o anel que o milionário egípcio Dodi Al Fayed deu à princesa alguns dias antes de sua morte em Paris, em 1997, não era uma aliança de compromisso, como disse o pai de Dodi, Mohamed Al Fayed.

"O total de dias que Dodi passou em companhia da princesa não soma um mês. Sua relação não era o que a gente imaginava", afirmou Burrell.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-mordomo afirma que Diana não queria se divorciar

da AFP

09/11/2002 | 14:05


A princesa Diana não queria se divorciar do príncipe Charles e sofreu a intervenção de vários personagens públicos em relação ao assunto, como o ex-premiê John Major e o arcebispo de Canterbury George Carey. As afirmações são do ex-mordomo da família real britânica Paul Burrell, que concedeu entrevista ao jornal Daily Mirror.

"Diana jamais quis divorciar-se. O divórcio lhe foi imposto. Ela fez tudo para que aquilo não acontecesse, mas no final seu casamento se destruiu. Nessa história, ela era um passageiro. Todo mundo participou: o ex-primeiro-ministro britânico John Major, o arcebispo de Canterbury e outros personagens que pensavam que a conheciam melhor", declarou Burrel.

Ele contou ainda que ocorreu, inclusive, uma reunião com Diana no Palácio de Kensington para o assunto ser discutido. A princesa de Gales teria dito a Major: "Por que devo ver o senhor? Charles e eu é quem devemos tomar a decisão".

"Todos vieram ver a princesa com seus próprios objetivos. O casamento não podia se sustentar com esse nível de intervenção", afirmou o ex-mordomo.

Diante das declarações de Burrel, um porta-voz do ex-premiê afirmou que "Major deu os conselhos que a princesa de Gales lhe pediu. Qualquer outra insinuação é puramente absurda".

Fontes próximas a George Carey, chefe da Igreja Anglicana e arcebispo de Canterbury entre março de 1991 e outubro de 2002, declararam que suas relações com a família real eram assunto particular.

O ex-mordomo, chamado por Diana de "meu rochedo", disse também que o anel que o milionário egípcio Dodi Al Fayed deu à princesa alguns dias antes de sua morte em Paris, em 1997, não era uma aliança de compromisso, como disse o pai de Dodi, Mohamed Al Fayed.

"O total de dias que Dodi passou em companhia da princesa não soma um mês. Sua relação não era o que a gente imaginava", afirmou Burrell.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;