Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ira acusa EUA de provocar protestos


Do Diário do Grande ABC

16/07/1999 | 10:16


O regime iraniano acusou os Estados Unidos, esta sexta-feira, de ter provocado os violentos distúrbios dos últimos dias e proibiu toda nova manifestaçao estudantil. ``Vocês sabem como nossos inimigos exteriores e em especial os Estados Unidos provocaram a agitaçao'', disse o aiatolá conservador Hassan Taheri-Khoramabadi, durante uma oraçao semanal na universidade de Teera. Além dos Estados Unidos, outros países, segundo ele, teriam ``provocado e atiçado'' esses incidentes que provocaram duas mortes, de acordo com balanços oficiais.

O aiatolá Joramabadi afirmou que ``os EUA nao suportam um regime islâmico sólido e estável no mundo''. ``Incitando os agitadores, queriam fazer compreender aos outros países que nao se deve ter boas relaçoes com o Ira'', disse, dirigindo-se à multidao de alguns milhares de pessoas. ``Tudo isso ainda nao acabou e os basiyi (milicianos voluntários) e as forças da ordem, assim como a populaçao, devem estar vigilantes e prontos'', disse ele, pedindo ``aos dirigentes das diferentes facçoes que se unam em torno do Guia''.

O ministro do Interior, Abdolvahed Moussavi-Lari, anunciou, por sua vez, à TV, que nenhuma nova manifestaçao seria autorizada nos próximos dias no Ira. Segundo fontes estudantis, uma manifestaçao estava prevista para o sábado, para defender as reivindicaçoes dos estudantes: a destituiçao do chefe da polícia iraniana e a restituiçao dos corpos das vítimas dos recentes enfrentamentos. Os estudantes exigem também a volta do jornal de esquerda, Salam, fechado na semana passada pela justiça, e mais liberdade para a imprensa. ``No atual estado de coisas, as exigências dos estudantes devem ser objeto de um exame em condiçoes razoáveis e calmas'', disse o ministro.

A grande oraçao muçulmana, que reúne a cada semana vários milhares de pessoas no campus universitário de Teera, foi realizada sob forte proteçao policial. Importantes efetivos das forças antidistúrbios da polícia e dos ``pasdaram'', os Guardiaes da Revoluçao, foram enviados ao bairro onde fica a universidade, no centro da cidade, cenário de violentos enfrentamentos entre a polícia e os manifestantes, no começo da semana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ira acusa EUA de provocar protestos

Do Diário do Grande ABC

16/07/1999 | 10:16


O regime iraniano acusou os Estados Unidos, esta sexta-feira, de ter provocado os violentos distúrbios dos últimos dias e proibiu toda nova manifestaçao estudantil. ``Vocês sabem como nossos inimigos exteriores e em especial os Estados Unidos provocaram a agitaçao'', disse o aiatolá conservador Hassan Taheri-Khoramabadi, durante uma oraçao semanal na universidade de Teera. Além dos Estados Unidos, outros países, segundo ele, teriam ``provocado e atiçado'' esses incidentes que provocaram duas mortes, de acordo com balanços oficiais.

O aiatolá Joramabadi afirmou que ``os EUA nao suportam um regime islâmico sólido e estável no mundo''. ``Incitando os agitadores, queriam fazer compreender aos outros países que nao se deve ter boas relaçoes com o Ira'', disse, dirigindo-se à multidao de alguns milhares de pessoas. ``Tudo isso ainda nao acabou e os basiyi (milicianos voluntários) e as forças da ordem, assim como a populaçao, devem estar vigilantes e prontos'', disse ele, pedindo ``aos dirigentes das diferentes facçoes que se unam em torno do Guia''.

O ministro do Interior, Abdolvahed Moussavi-Lari, anunciou, por sua vez, à TV, que nenhuma nova manifestaçao seria autorizada nos próximos dias no Ira. Segundo fontes estudantis, uma manifestaçao estava prevista para o sábado, para defender as reivindicaçoes dos estudantes: a destituiçao do chefe da polícia iraniana e a restituiçao dos corpos das vítimas dos recentes enfrentamentos. Os estudantes exigem também a volta do jornal de esquerda, Salam, fechado na semana passada pela justiça, e mais liberdade para a imprensa. ``No atual estado de coisas, as exigências dos estudantes devem ser objeto de um exame em condiçoes razoáveis e calmas'', disse o ministro.

A grande oraçao muçulmana, que reúne a cada semana vários milhares de pessoas no campus universitário de Teera, foi realizada sob forte proteçao policial. Importantes efetivos das forças antidistúrbios da polícia e dos ``pasdaram'', os Guardiaes da Revoluçao, foram enviados ao bairro onde fica a universidade, no centro da cidade, cenário de violentos enfrentamentos entre a polícia e os manifestantes, no começo da semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;