Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-candidatos protestam contra proposta para reforma tributária


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

26/11/2014 | 07:00


Ex-candidatos a vereador e o ex-prefeiturável de Mauá em 2012 Irmão Ozelito (sem partido) organizaram protesto contra o proposta do prefeito Donisete Braga (PT) para reforma tributária e causaram tumulto, ontem, durante sessão ordinária na Câmara. O projeto de lei, que vai aumentar a alíquota do ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), endurece regras para recolhimento do ISS (Imposto Sobre Serviços) e cria a taxa do lixo, ainda não tem pareceres das comissões permanentes e não há previsão de entrada na pauta do Legislativo.

Munido de cartazes, o grupo atacou, principalmente, a possível criação da taxa do lixo e chegou a interromper falas de parlamentares. Ozelito, que votou favorável à criação da CIP (Contribuição para Iluminação Pública), em 2009, e ao estabelecimento de serviço terceirizado de Zona Azul, afirmou que o objetivo da ação é evitar a aprovação da reforma.

“Aumentos do ITBI e ISS podem afastar empresas da cidade. Já temos taxa de luz, de esgoto e a do lixo, qual será a próxima?” Vice presidente da Câmara, Osvanir Carlos Stella, o Ivan (PSB), rebateu. “O Ozelito é o maior votador de taxas e hoje lidera protesto contra uma taxa? É estranho.”
O
presidente local do Psol, o professor André Sapanos, discutiu com o presidente da Câmara, Paulo Suares (PT), e quase foi retirado do plenário pela GCM (Guarda Civil Municipal). “Essa é a prática do PT de Mauá, tentar calar os movimentos sociais”, atacou. “Acredito que nenhum aluno chega à aula dele e comece a gritar”, justificou Suares.

ROMPIMENTO
Gil Miranda (PRB) anunciou rompimento com a bancada governista por falta de respostas aos “mais de 250” requerimentos de informações. O ato ocorre a poucos dias da eleição interna em que a sustentação fechou acordo para eleger Marcelo Oliveira (PT) presidente. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-candidatos protestam contra proposta para reforma tributária

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

26/11/2014 | 07:00


Ex-candidatos a vereador e o ex-prefeiturável de Mauá em 2012 Irmão Ozelito (sem partido) organizaram protesto contra o proposta do prefeito Donisete Braga (PT) para reforma tributária e causaram tumulto, ontem, durante sessão ordinária na Câmara. O projeto de lei, que vai aumentar a alíquota do ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), endurece regras para recolhimento do ISS (Imposto Sobre Serviços) e cria a taxa do lixo, ainda não tem pareceres das comissões permanentes e não há previsão de entrada na pauta do Legislativo.

Munido de cartazes, o grupo atacou, principalmente, a possível criação da taxa do lixo e chegou a interromper falas de parlamentares. Ozelito, que votou favorável à criação da CIP (Contribuição para Iluminação Pública), em 2009, e ao estabelecimento de serviço terceirizado de Zona Azul, afirmou que o objetivo da ação é evitar a aprovação da reforma.

“Aumentos do ITBI e ISS podem afastar empresas da cidade. Já temos taxa de luz, de esgoto e a do lixo, qual será a próxima?” Vice presidente da Câmara, Osvanir Carlos Stella, o Ivan (PSB), rebateu. “O Ozelito é o maior votador de taxas e hoje lidera protesto contra uma taxa? É estranho.”
O
presidente local do Psol, o professor André Sapanos, discutiu com o presidente da Câmara, Paulo Suares (PT), e quase foi retirado do plenário pela GCM (Guarda Civil Municipal). “Essa é a prática do PT de Mauá, tentar calar os movimentos sociais”, atacou. “Acredito que nenhum aluno chega à aula dele e comece a gritar”, justificou Suares.

ROMPIMENTO
Gil Miranda (PRB) anunciou rompimento com a bancada governista por falta de respostas aos “mais de 250” requerimentos de informações. O ato ocorre a poucos dias da eleição interna em que a sustentação fechou acordo para eleger Marcelo Oliveira (PT) presidente. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;