Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Chanceler francês pede negociação para evitar guerra contra o Irã


Da AFP

18/09/2007 | 09:25


O ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, pediu nesta terça-feira que a Rússia faça todo o possível para evitar um conflito armado com o Irã.

"Deve se fazer de tudo para evitar a guerra", disse o chanceler em uma entrevista coletiva conjunta com o colega russo Serguei Lavrov. "É preciso negociar, negociar, negociar, sem descanso", acrescentou.

"Eu disse que o pior seria a guerra (...) Não se pode ser mais pacífico que eu, mas não se pode tapar os olhos", prosseguiu o ministro das Relações Exteriores da França, retomando as declarações de domingo sobre um risco de guerra contra o Irã.

O chefe da diplomacia russa se mostrou "preocupado" com a referência a um risco de guerra contra Teerã por parte do colega francês.

"A Rússia se preocupa com as múltiplas informações segundo as quais estão sendo estudadas seriamente na região ações militares contra o Irã", declarou Lavrov.

Segundo o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Alexander Lossiukov, "os bombardeios contra o Irã seriam um passo ruim levaria a conseqüências catastróficas. Seriam um passo catastrófico que levaria a conseqüências lamentáveis".

Irã- O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, afirmou nesta terça-feira que não dá importância às declarações do ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, sobre o risco de guerra caso as sanções contra o programa nuclear do Irã não apresentem resultados.

"Não levamos a sério estas declarações. As declarações midiáticas são diferentes das posturas reais", disse Ahmadinejad à imprensa na saída do Parlamento em Teerã.

Kouchner afirmou no domingo que o mundo tinha que "se preparar para o pior", ou seja, para a possibilidade de uma "guerra" com o Irã se as sanções forem insuficientes para convencer Teerã a suspender seu programa nuclear.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Chanceler francês pede negociação para evitar guerra contra o Irã

Da AFP

18/09/2007 | 09:25


O ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, pediu nesta terça-feira que a Rússia faça todo o possível para evitar um conflito armado com o Irã.

"Deve se fazer de tudo para evitar a guerra", disse o chanceler em uma entrevista coletiva conjunta com o colega russo Serguei Lavrov. "É preciso negociar, negociar, negociar, sem descanso", acrescentou.

"Eu disse que o pior seria a guerra (...) Não se pode ser mais pacífico que eu, mas não se pode tapar os olhos", prosseguiu o ministro das Relações Exteriores da França, retomando as declarações de domingo sobre um risco de guerra contra o Irã.

O chefe da diplomacia russa se mostrou "preocupado" com a referência a um risco de guerra contra Teerã por parte do colega francês.

"A Rússia se preocupa com as múltiplas informações segundo as quais estão sendo estudadas seriamente na região ações militares contra o Irã", declarou Lavrov.

Segundo o vice-ministro russo das Relações Exteriores, Alexander Lossiukov, "os bombardeios contra o Irã seriam um passo ruim levaria a conseqüências catastróficas. Seriam um passo catastrófico que levaria a conseqüências lamentáveis".

Irã- O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, afirmou nesta terça-feira que não dá importância às declarações do ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, sobre o risco de guerra caso as sanções contra o programa nuclear do Irã não apresentem resultados.

"Não levamos a sério estas declarações. As declarações midiáticas são diferentes das posturas reais", disse Ahmadinejad à imprensa na saída do Parlamento em Teerã.

Kouchner afirmou no domingo que o mundo tinha que "se preparar para o pior", ou seja, para a possibilidade de uma "guerra" com o Irã se as sanções forem insuficientes para convencer Teerã a suspender seu programa nuclear.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;