Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Concordata da MF Global derruba ações de corretoras



10/11/2011 | 07:00


A corretora MF Global entrou com pedido de concordata na semana passada, deixando, além de um rombo estimado em US$ 600 milhões, um rastro de desconfiança e temor em relação a outras corretoras e bancos de investimentos. As ações das firmas do setor despencavam na tarde desta quarta-feira (9) em Nova York.

O maior temor é sobre a exposição dessas firmas de investimentos à dívida soberana europeia, especialmente Grécia, Itália, Espanha e Portugal, ou negócios com a própria MF Global. O pior é atualmente, ao contrário de 2008, há menos disposição de bancos e outras empresas financeiras de saírem ao salvamento de náufragos. O próprio Federal Reserve lavou as mãos e deixou a MF afundar.

Por volta das 13h30 (de Brasília), os papéis da corretora Jefferies & Co. caíam 7,96%, com queda acumulada de janeiro até hoje de 57%. As ações da Charles Schwab derretiam 5,12% e tinham perda acumulada em 2011 de 28,8%. As ações da E*Trade Financial caíam perto de 6%, registrando desvalorização de 36,61% no ano. As ações do Fortress Investment Group caíam 4,43% e no ano a empresa acumula perdas de quase 40%. As ações da Blackrock encolhiam 4,11%, com perdas de quase 18% no ano.

Para o ex-economista do Fundo Monetário Internacional (FMI) e diretor para EUA do Barclays Capital, Michael Gapen, ainda é cedo para saber se outras companhias correm o mesmo risco da MF Global. "Por enquanto, creio ser um fato isolado, baseado nos riscos que eles decidiram correr, e não acredito que signifique uma deterioração mais ampla envolvendo outras firmas financeiras", disse à Agência Estado. O presidente do Fed, Ben Bernanke, também havia avaliado, logo após a concordata da MF Global, que se tratava de um caso isolado.

O diretor-gerente da Fortress, Gordon Runde, garantiu na semana passada que a companhia não estava na linha de fogo. "A Fortress não tem exposição financeira à MF Global", disse, durante conference call para divulgação dos resultados trimestrais.

Em comunicado divulgado na semana passada, a Jefferies garantiu aos clientes não possuir "exposição significativa" às dívidas de Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha e que a exposição à MF Global era "mínima".

Mas vale lembrar que, dias antes do colapso da MF Global, seu então executivo-chefe, Jon Corzine, havia garantido que a empresa tinha liquidez e os clientes não corriam riscos, o que se provou uma grande mentira. A corretora tinha exposição de US$ 6,3 bilhões às dívidas da Itália, Espanha, Portugal, Irlanda e Bélgica. A falência da MF Global é a oitava maior dos Estados Unidos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;