Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Mentes distorcidas

Na flor da idade ela estava quando entrou no ônibus...


Rodolfo de Souza

03/02/2014 | 07:00


Na flor da idade ela estava quando entrou no ônibus para uma viagem aparentemente sem importância. Como toda criança, talvez gostasse de aventuras como esta de andar de coletivo. Acompanhava mamãe e irmãzinha, e a tranquilidade aparente do percurso enchia de alegria a alma infantil que sequer imaginava que a crueldade do mundo conspirava contra ela naquele momento, e que seu destino fora colocado nas mãos da besta que repentinamente surgiu armada de toda a valentia que o revólver confere ao ser humano de parco saber. Não haveria, pois, a menina de comemorar o sétimo aniversário. Um homem, não Deus, determinou isso.

Ele, ostentando com muito orgulho o título de bandido, entrou no veículo e vociferou, e ameaçou, e logo teve a companhia de outros da mesma espécie feroz, para levar a cabo o seu intento de praticar, cheio de paixão, o terror. Como aqueles que ocorrem em oriente não muito distante. É possível até que estivesse calmo, convicto de que fazia o certo, afinal, queimar um ônibus foi instrução que recebera e que cumpriria com o mesmo empenho e eficiência do sujeito que aciona o gatilho das bombas amarradas na própria cintura. Pena que o assassino nacional não dispusesse de tal dispositivo que o conduzisse ao inferno. Problema é que, se assim fosse, o número de mortos seria ainda maior! Não, melhor seria se sua mãe tivesse morrido antes de ter a nefasta ideia de concebê-lo.

Meu Deus! O que faço, afinal? Novamente brutalizo-me, concedendo asas à minha imaginação ora pervertida! Mas que posso fazer se não sou Deus, autoridade municipal, estadual, federal ou eclesiástica? Indignar-me, é só o que me resta, humano que sou.

E a câmera dentro do ônibus ainda teve o capricho de registrar a cena que tem o selo de garantia de qualidade original concedido por aquele que se incumbiu de torná-la pública. É, pois, de uma violência sem par a imagem. Escandaliza só de imaginá-la verdadeira (é provável que seja). Foi parar na internet, como tudo vai. Diga-se de passagem, câmera é artefato construído exclusivamente para isso, para expiar, registrar e transmitir o que vê para muita gente, até mesmo atrocidades contra o semelhante, prato predileto do sentimento hipócrita. Aliás, o holocausto do meu País vem sendo registrado dia-a-dia e apreciado por quem se revolta e esquece. Esquece porque tem muito com o que se preocupar, e se importar com o horror a que fora submetida a criança não lhe convém. Preocupa-se sobremaneira com o andamento das obras da arena Corinthians, com o provável rebaixamento de seu time, com quem sairá da casa mais visitada, com os rumos das novelas, enfim.

O que sobrou do corpo da criança, também revelado pela rede, é algo que esfriou e esfriou também na mente das pessoas a quem compete colocar um freio nesta máquina de fazer mortos.

Mas o que importa é que a Copa vem aí, e é no Brasilsilsil!!!

*Rodolfo de Souza nasceu e mora em Santo André. É professor e autor do blog cafeecronicas.wordpress.com

E-mail para esta coluna: souza.rodolfo@hotmail.com.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mentes distorcidas

Na flor da idade ela estava quando entrou no ônibus...

Rodolfo de Souza

03/02/2014 | 07:00


Na flor da idade ela estava quando entrou no ônibus para uma viagem aparentemente sem importância. Como toda criança, talvez gostasse de aventuras como esta de andar de coletivo. Acompanhava mamãe e irmãzinha, e a tranquilidade aparente do percurso enchia de alegria a alma infantil que sequer imaginava que a crueldade do mundo conspirava contra ela naquele momento, e que seu destino fora colocado nas mãos da besta que repentinamente surgiu armada de toda a valentia que o revólver confere ao ser humano de parco saber. Não haveria, pois, a menina de comemorar o sétimo aniversário. Um homem, não Deus, determinou isso.

Ele, ostentando com muito orgulho o título de bandido, entrou no veículo e vociferou, e ameaçou, e logo teve a companhia de outros da mesma espécie feroz, para levar a cabo o seu intento de praticar, cheio de paixão, o terror. Como aqueles que ocorrem em oriente não muito distante. É possível até que estivesse calmo, convicto de que fazia o certo, afinal, queimar um ônibus foi instrução que recebera e que cumpriria com o mesmo empenho e eficiência do sujeito que aciona o gatilho das bombas amarradas na própria cintura. Pena que o assassino nacional não dispusesse de tal dispositivo que o conduzisse ao inferno. Problema é que, se assim fosse, o número de mortos seria ainda maior! Não, melhor seria se sua mãe tivesse morrido antes de ter a nefasta ideia de concebê-lo.

Meu Deus! O que faço, afinal? Novamente brutalizo-me, concedendo asas à minha imaginação ora pervertida! Mas que posso fazer se não sou Deus, autoridade municipal, estadual, federal ou eclesiástica? Indignar-me, é só o que me resta, humano que sou.

E a câmera dentro do ônibus ainda teve o capricho de registrar a cena que tem o selo de garantia de qualidade original concedido por aquele que se incumbiu de torná-la pública. É, pois, de uma violência sem par a imagem. Escandaliza só de imaginá-la verdadeira (é provável que seja). Foi parar na internet, como tudo vai. Diga-se de passagem, câmera é artefato construído exclusivamente para isso, para expiar, registrar e transmitir o que vê para muita gente, até mesmo atrocidades contra o semelhante, prato predileto do sentimento hipócrita. Aliás, o holocausto do meu País vem sendo registrado dia-a-dia e apreciado por quem se revolta e esquece. Esquece porque tem muito com o que se preocupar, e se importar com o horror a que fora submetida a criança não lhe convém. Preocupa-se sobremaneira com o andamento das obras da arena Corinthians, com o provável rebaixamento de seu time, com quem sairá da casa mais visitada, com os rumos das novelas, enfim.

O que sobrou do corpo da criança, também revelado pela rede, é algo que esfriou e esfriou também na mente das pessoas a quem compete colocar um freio nesta máquina de fazer mortos.

Mas o que importa é que a Copa vem aí, e é no Brasilsilsil!!!

*Rodolfo de Souza nasceu e mora em Santo André. É professor e autor do blog cafeecronicas.wordpress.com

E-mail para esta coluna: souza.rodolfo@hotmail.com.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;