Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Clássico no Anacleto decide vaga na final da Copa Paulista

Anderson Silva/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Quem avançar de Azulão e Cachorrão estará também no cenário nacional no próximo ano


Anderson Fattori
Do dgabc.com.br

02/11/2019 | 07:00


Um clássico que vale muito mais do que três pontos. Significa o ingresso em competição nacional em 2020. Atrás disso que vão São Caetano e EC São Bernardo, hoje, às 16h30, no Anacleto Campanella. Quem vencer estará na final da Copa Paulista, que dará ao campeão o direito de escolher entre vaga na Série D do Brasileiro ou na Copa do Brasil – o perdedor fica com o prêmio restante.

Como houve empate, por 2 a 2, no jogo de ida, semana passada, no Estádio 1º de Maio, nenhuma das equipes tem vantagem. Nova igualdade hoje, por qualquer placar, leva a disputa para os pênaltis. Na outra semifinal, Mirassol e XV também empataram por 2 a 2 no jogo de ida e voltam a se enfrentar hoje, às 20h15, em Piracicaba.

O retrospecto recente do clássico mostra que a chance de a vaga ser decidida nos pênaltis é grande. Em três jogos nesta Copa Paulista, foram dois empates e uma vitória do São Caetano, por 2 a 1.

No São Caetano, o zagueiro Júnior Alves espera mais um encontro decidido nos detalhes. “O fato de ser um clássico deixa o jogo mais equilibrado. Temos que ter muita atenção com eles. Isso deixa o jogo tenso. A equipe que conseguir transformar as chances em gol será a vitoriosa”, projetou. O técnico Marcelo Vilar não tem problemas para escalar o time e pode repetir a escalação do primeiro jogo, se desejar.

Situação oposta a vivida pelo Cahorrão, que não terá seus dois goleadores. Jhonny, artilheiro do torneio, com 11 gols, sofreu lesão muscular no primeiro jogo, enquanto Felipinho, com oito tentos, está emprestado pelo Azulão e não pode ser escalado. “Vamos sentir muita falta deles. São dois jogadores fundamentais para nosso time, mas tenho certeza de que quem entrar vai dar conta do recado. Farei de tudo”, garantiu Giovanni Pavani.

São Caetano ressalta o fato de jogar em casa

Mesmo que costumeiramente não tenha grande apoio das arquibancadas, o técnico Marcelo Vilar se agarra ao fato de atuar em casa para cobrar desempenho melhor do São Caetano em relação ao primeiro jogo contra o EC São Bernardo. O treinador usou o tempo livre durante a semana para corrigir as falhas do setor defensivo, cruciais no empate por 2 a 2.

“Vamos jogar em casa, mas não espero por algo diferente do que foi a primeira partida. Será um jogo tão difícil quanto o primeiro. Não queremos cometer os erros do jogo passado e, assim, sair com a vitória”, desejou o treinador.

O goleiro Tom elevou a importância do clássico, que pode recolocar o Azulão no caminho da Série D do Campeonato Brasileiro, competição que o clube disputou neste ano e foi eliminado ainda na primeira fase. “Não vejo esta partida apenas como uma semifinal, mas sim como uma final mesmo. Contamos com a ajuda da torcida para nos empurrar, como os torcedores deles fizeram lá (em São Bernardo)”, cobrou o goleiro são-caetanense.

O ingresso para o jogo custa R$ 20 no setor coberto e R$ 10 no descoberto, sendo que estudantes com carteirinha pagam metade do valor.

EC São Bernardo vai atrás de algo a mais para buscar lugar na decisão

Chegar à semifinal da Copa Paulista era sonho distante para o EC São Bernardo no início da competição. Isso porque o Cachorrão é debutante no torneio e as dificuldades seriam imensas. O time, que trocou de treinador após duas partidas, ganhou corpo com Renato Peixe, que faz seu primeiro trabalho como treinador, e não quer parar por aqui.

“Quando iniciou o projeto todos almejavam chegar nas fases finais. Sabemos da dificuldade que vamos encontrar neste segundo jogo porque o adversário é muito qualificado. Por outro lado, ficamos felizes pela primeira partida, atuamos de igual para igual, o que dá confiança maior para conseguir o resultado positivo fora de casa”, projetou Peixe.

O treinador ressaltou o fato de ser o terceiro encontro entre as equipes na Copa Paulista, que acaba com o fator surpresa e exige ainda mais atenção nos detalhes. “As equipes já se conhecem. Por isso, o jogo vai ser definido nos detalhes. Não é clichê dizer isso. Temos que ter atenção redobrada por ser decisão e pelos times já terem se enfrentado três vezes no torneio”, completou, lembrando que o Azulão venceu o primeiro duelo por 2 a 1, no Anacleto Campanella, depois foram dois empates, por 1 a 1 e por 2 a 2. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Clássico no Anacleto decide vaga na final da Copa Paulista

Quem avançar de Azulão e Cachorrão estará também no cenário nacional no próximo ano

Anderson Fattori
Do dgabc.com.br

02/11/2019 | 07:00


Um clássico que vale muito mais do que três pontos. Significa o ingresso em competição nacional em 2020. Atrás disso que vão São Caetano e EC São Bernardo, hoje, às 16h30, no Anacleto Campanella. Quem vencer estará na final da Copa Paulista, que dará ao campeão o direito de escolher entre vaga na Série D do Brasileiro ou na Copa do Brasil – o perdedor fica com o prêmio restante.

Como houve empate, por 2 a 2, no jogo de ida, semana passada, no Estádio 1º de Maio, nenhuma das equipes tem vantagem. Nova igualdade hoje, por qualquer placar, leva a disputa para os pênaltis. Na outra semifinal, Mirassol e XV também empataram por 2 a 2 no jogo de ida e voltam a se enfrentar hoje, às 20h15, em Piracicaba.

O retrospecto recente do clássico mostra que a chance de a vaga ser decidida nos pênaltis é grande. Em três jogos nesta Copa Paulista, foram dois empates e uma vitória do São Caetano, por 2 a 1.

No São Caetano, o zagueiro Júnior Alves espera mais um encontro decidido nos detalhes. “O fato de ser um clássico deixa o jogo mais equilibrado. Temos que ter muita atenção com eles. Isso deixa o jogo tenso. A equipe que conseguir transformar as chances em gol será a vitoriosa”, projetou. O técnico Marcelo Vilar não tem problemas para escalar o time e pode repetir a escalação do primeiro jogo, se desejar.

Situação oposta a vivida pelo Cahorrão, que não terá seus dois goleadores. Jhonny, artilheiro do torneio, com 11 gols, sofreu lesão muscular no primeiro jogo, enquanto Felipinho, com oito tentos, está emprestado pelo Azulão e não pode ser escalado. “Vamos sentir muita falta deles. São dois jogadores fundamentais para nosso time, mas tenho certeza de que quem entrar vai dar conta do recado. Farei de tudo”, garantiu Giovanni Pavani.

São Caetano ressalta o fato de jogar em casa

Mesmo que costumeiramente não tenha grande apoio das arquibancadas, o técnico Marcelo Vilar se agarra ao fato de atuar em casa para cobrar desempenho melhor do São Caetano em relação ao primeiro jogo contra o EC São Bernardo. O treinador usou o tempo livre durante a semana para corrigir as falhas do setor defensivo, cruciais no empate por 2 a 2.

“Vamos jogar em casa, mas não espero por algo diferente do que foi a primeira partida. Será um jogo tão difícil quanto o primeiro. Não queremos cometer os erros do jogo passado e, assim, sair com a vitória”, desejou o treinador.

O goleiro Tom elevou a importância do clássico, que pode recolocar o Azulão no caminho da Série D do Campeonato Brasileiro, competição que o clube disputou neste ano e foi eliminado ainda na primeira fase. “Não vejo esta partida apenas como uma semifinal, mas sim como uma final mesmo. Contamos com a ajuda da torcida para nos empurrar, como os torcedores deles fizeram lá (em São Bernardo)”, cobrou o goleiro são-caetanense.

O ingresso para o jogo custa R$ 20 no setor coberto e R$ 10 no descoberto, sendo que estudantes com carteirinha pagam metade do valor.

EC São Bernardo vai atrás de algo a mais para buscar lugar na decisão

Chegar à semifinal da Copa Paulista era sonho distante para o EC São Bernardo no início da competição. Isso porque o Cachorrão é debutante no torneio e as dificuldades seriam imensas. O time, que trocou de treinador após duas partidas, ganhou corpo com Renato Peixe, que faz seu primeiro trabalho como treinador, e não quer parar por aqui.

“Quando iniciou o projeto todos almejavam chegar nas fases finais. Sabemos da dificuldade que vamos encontrar neste segundo jogo porque o adversário é muito qualificado. Por outro lado, ficamos felizes pela primeira partida, atuamos de igual para igual, o que dá confiança maior para conseguir o resultado positivo fora de casa”, projetou Peixe.

O treinador ressaltou o fato de ser o terceiro encontro entre as equipes na Copa Paulista, que acaba com o fator surpresa e exige ainda mais atenção nos detalhes. “As equipes já se conhecem. Por isso, o jogo vai ser definido nos detalhes. Não é clichê dizer isso. Temos que ter atenção redobrada por ser decisão e pelos times já terem se enfrentado três vezes no torneio”, completou, lembrando que o Azulão venceu o primeiro duelo por 2 a 1, no Anacleto Campanella, depois foram dois empates, por 1 a 1 e por 2 a 2. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;