Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 14 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Atila peita TRF-3 e nomeia aliado alvo da Trato Feito

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito realocou apadrinhado em Transportes; ele foi afastado da Sama por decisão judicial


Junior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

27/10/2019 | 07:00


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), realocou no governo aliado que havia sido afastado do cargo, no ano passado, por decisão do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), no âmbito da Operação Trato Feito, que culminou com a segunda prisão do socialista. A administração sustenta que não está desrespeitando nenhuma decisão judicial.

Ailson Martins de Lima foi nomeado, na semana passada, como secretário adjunto de Transportes. Em dezembro do ano passado, antes de Atila ser preso pela segunda vez, Lima ocupava o posto de diretor na Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá). Na ocasião, a Polícia Federal deflagrou a Trato Feito, que foi desdobramento da Prato Feito, para desmembrar esquema de fraude a licitações na autarquia e na área da educação.

Na época, a juíza Raquel Silveira, do TRF-3, acatou pedido da PF para afastar Lima do cargo na Sama autorizou busca e apreensão em seus endereços. A PF acusou Lima de integrar organização criminosa, ao lado de Atila, do ex-secretário Israel Aleixo, o Bell (PSB), além de empresários donos de empresas prestadoras de serviços da administração. A decisão do TRF-3 segue vigente, segundo informou o tribunal ao Diário.

A Prefeitura de Mauá alegou, por nota, que o despacho da juíza não impede Lima de ocupar outro cargo. “A decisão pede o afastamento do citado e ele não apenas foi afastado, como exonerado, em dezembro de 2018. A mesma decisão não menciona nenhuma proibição dessa pessoa exercer outro cargo público. Caso haja um novo entendimento por parte do TRF-3, oficialmente comunicado ao governo municipal, tomaremos as medidas.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atila peita TRF-3 e nomeia aliado alvo da Trato Feito

Prefeito realocou apadrinhado em Transportes; ele foi afastado da Sama por decisão judicial

Junior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

27/10/2019 | 07:00


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), realocou no governo aliado que havia sido afastado do cargo, no ano passado, por decisão do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), no âmbito da Operação Trato Feito, que culminou com a segunda prisão do socialista. A administração sustenta que não está desrespeitando nenhuma decisão judicial.

Ailson Martins de Lima foi nomeado, na semana passada, como secretário adjunto de Transportes. Em dezembro do ano passado, antes de Atila ser preso pela segunda vez, Lima ocupava o posto de diretor na Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá). Na ocasião, a Polícia Federal deflagrou a Trato Feito, que foi desdobramento da Prato Feito, para desmembrar esquema de fraude a licitações na autarquia e na área da educação.

Na época, a juíza Raquel Silveira, do TRF-3, acatou pedido da PF para afastar Lima do cargo na Sama autorizou busca e apreensão em seus endereços. A PF acusou Lima de integrar organização criminosa, ao lado de Atila, do ex-secretário Israel Aleixo, o Bell (PSB), além de empresários donos de empresas prestadoras de serviços da administração. A decisão do TRF-3 segue vigente, segundo informou o tribunal ao Diário.

A Prefeitura de Mauá alegou, por nota, que o despacho da juíza não impede Lima de ocupar outro cargo. “A decisão pede o afastamento do citado e ele não apenas foi afastado, como exonerado, em dezembro de 2018. A mesma decisão não menciona nenhuma proibição dessa pessoa exercer outro cargo público. Caso haja um novo entendimento por parte do TRF-3, oficialmente comunicado ao governo municipal, tomaremos as medidas.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;