Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Primeira do ranking da Fifa, CBF pode ganhar novo patrocínio


Das Agências

15/09/2005 | 08:21


A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) negocia uma quarta cota de patrocínio da Seleção Brasileira com grandes instituições financeiras. O objetivo é se precaver com os gastos na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, que será em euro. No entanto, a entidade ainda não bateu o martelo e os valores do contrato ainda estão em estudo. As negociações envolvem um banco e uma seguradora. Hoje, a equipe conta com três patrocinadores: a Ambev, a Nike e a Vivo. Credibilidade não falta a equipe de Carlos Alberto Parreira: o Brasil se mantém no topo do ranking da Fifa, divulgado quarta-feira.

A Ambev tem usado o contrato com a CBF para promover o Guaraná Antárctica, embora tenha acordos específicos com jogadores, a exemplo de Ronaldo, para a sua marca de cerveja Brahma. Já a Vivo, que tem Gisele Bunchen como garota-propaganda, se vale da mobilidade da seleção para reforçar a sua área de cobertura, inclusive no exterior. A Nike, por sua vez, aproveita o time para lançar produtos e colar a marca nas vitórias da seleção, que alavanca a sua venda no mercado doméstico. Como a AmBev, a empresa também tem contratos exclusivos com jogadores.

Ranking – A liderança do Brasil no ranking da Fifa não é novidade, mas o que causou surpresa foi a queda da Argentina, da Inglaterra e da Alemanha, anfitriã da Copa do Mundo do ano que vem. Já a Holanda, que está cada vez mais perto de carimbar seu passaporte para o Mundial de 2006, roubou o segundo lugar dos argentinos. Os vizinhos perderam a posição após a derrota para o Paraguai (0 a 1) pelas eliminatórias sul-americanas.

Os ingleses, depois da sofrida vitória sobre o País de Gales (1-0) e da derrota para a Irlanda do Norte (1 a 0), caíram quatro posições e deixaram de ser top 10. A Alemanha, que perdeu fora de casa para a Eslováquia (0-2) antes de superar a África do Sul (4 a 2), em jogos amistosos, também perdeu quatro postos e ocupa atualmente o 15º lugar. A próxima lista será divulgada no dia 19 de outubro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Primeira do ranking da Fifa, CBF pode ganhar novo patrocínio

Das Agências

15/09/2005 | 08:21


A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) negocia uma quarta cota de patrocínio da Seleção Brasileira com grandes instituições financeiras. O objetivo é se precaver com os gastos na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, que será em euro. No entanto, a entidade ainda não bateu o martelo e os valores do contrato ainda estão em estudo. As negociações envolvem um banco e uma seguradora. Hoje, a equipe conta com três patrocinadores: a Ambev, a Nike e a Vivo. Credibilidade não falta a equipe de Carlos Alberto Parreira: o Brasil se mantém no topo do ranking da Fifa, divulgado quarta-feira.

A Ambev tem usado o contrato com a CBF para promover o Guaraná Antárctica, embora tenha acordos específicos com jogadores, a exemplo de Ronaldo, para a sua marca de cerveja Brahma. Já a Vivo, que tem Gisele Bunchen como garota-propaganda, se vale da mobilidade da seleção para reforçar a sua área de cobertura, inclusive no exterior. A Nike, por sua vez, aproveita o time para lançar produtos e colar a marca nas vitórias da seleção, que alavanca a sua venda no mercado doméstico. Como a AmBev, a empresa também tem contratos exclusivos com jogadores.

Ranking – A liderança do Brasil no ranking da Fifa não é novidade, mas o que causou surpresa foi a queda da Argentina, da Inglaterra e da Alemanha, anfitriã da Copa do Mundo do ano que vem. Já a Holanda, que está cada vez mais perto de carimbar seu passaporte para o Mundial de 2006, roubou o segundo lugar dos argentinos. Os vizinhos perderam a posição após a derrota para o Paraguai (0 a 1) pelas eliminatórias sul-americanas.

Os ingleses, depois da sofrida vitória sobre o País de Gales (1-0) e da derrota para a Irlanda do Norte (1 a 0), caíram quatro posições e deixaram de ser top 10. A Alemanha, que perdeu fora de casa para a Eslováquia (0-2) antes de superar a África do Sul (4 a 2), em jogos amistosos, também perdeu quatro postos e ocupa atualmente o 15º lugar. A próxima lista será divulgada no dia 19 de outubro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;