Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Nem o belo dura para sempre

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nova comédia com Glória Pires brinca com o
status de efêmero que morte e beleza compartilham


Marcela Munhoz

18/08/2015 | 07:00


 Estar vivo é a real beleza. Tal afirmação não está em alguma poesia de autor conhecido ou em alguma canção de músico de sucesso. Tal conclusão, na verdade, foi facilmente extraída de um despretensioso e leve – até demais – filme de comédia brasileira. Linda de Morrer, cuja estreia está marcada para quinta-feira, exibe esta ‘lição de moral’ de forma bem clara para o espectador.

No papel principal está a estonteante Glória Pires. Não podia ser momento melhor para a atriz, que está prestes a completar 52 anos, interpretar uma empresária de sucesso com tudo em cima. Na trama, ela é Paula, dermatologista que se orgulha de ter inventado pílula que promete a cura da celulite. Contudo, Paula morre antes mesmo de brindar o sucesso da fórmula. Em espírito – belíssima em longo vestido vermelho, aliás – Paula precisa avisar a filha Alice (Antonia Morais, filha da atriz também na vida real) que os efeitos colaterais do remédio são perigosos. É quando encontra a também desencarnada Mãe Lina (Susana Vieira), que indica seu neto, o vidente Daniel (Emilio Dantas) para fazer o meio de campo.

Obviamente que nesta confusão toda, espírito e vidente trocam diálogos engraçadinhos – no estilo Whoopi Goldberg e Patrick Swayze em Ghost – e tem até algumas cenas engraçadas, como a performance de funk protagonizada pela empregada Jaci (Priscilla Marinho) mas, no geral, trata-se de um longa bem água com açúcar. As atuações de Susana Vieira e de Glória Pires, no entanto, são ótimas como sempre. A filha Antonia ainda tem o que aprender.

O legal de tudo, claro, fica mesmo na proposta da diretora Cris D’Amato de colocar em discussão até que ponto a beleza física é mais importante do que a beleza encontrada na relação familiar, nos sentimentos, na alma mesmo. Faz pensar se vale a pena perder tanto tempo admirando sua própria beleza. E já que é realmente um prazer se sentir bem com o corpo, sem neuras, a dica é assistir ao filme nos cinemas acompanhado de um belo balde de pipoca. Não há tempo para culpa. Não nesta vida, pelo menos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Nem o belo dura para sempre

Nova comédia com Glória Pires brinca com o
status de efêmero que morte e beleza compartilham

Marcela Munhoz

18/08/2015 | 07:00


 Estar vivo é a real beleza. Tal afirmação não está em alguma poesia de autor conhecido ou em alguma canção de músico de sucesso. Tal conclusão, na verdade, foi facilmente extraída de um despretensioso e leve – até demais – filme de comédia brasileira. Linda de Morrer, cuja estreia está marcada para quinta-feira, exibe esta ‘lição de moral’ de forma bem clara para o espectador.

No papel principal está a estonteante Glória Pires. Não podia ser momento melhor para a atriz, que está prestes a completar 52 anos, interpretar uma empresária de sucesso com tudo em cima. Na trama, ela é Paula, dermatologista que se orgulha de ter inventado pílula que promete a cura da celulite. Contudo, Paula morre antes mesmo de brindar o sucesso da fórmula. Em espírito – belíssima em longo vestido vermelho, aliás – Paula precisa avisar a filha Alice (Antonia Morais, filha da atriz também na vida real) que os efeitos colaterais do remédio são perigosos. É quando encontra a também desencarnada Mãe Lina (Susana Vieira), que indica seu neto, o vidente Daniel (Emilio Dantas) para fazer o meio de campo.

Obviamente que nesta confusão toda, espírito e vidente trocam diálogos engraçadinhos – no estilo Whoopi Goldberg e Patrick Swayze em Ghost – e tem até algumas cenas engraçadas, como a performance de funk protagonizada pela empregada Jaci (Priscilla Marinho) mas, no geral, trata-se de um longa bem água com açúcar. As atuações de Susana Vieira e de Glória Pires, no entanto, são ótimas como sempre. A filha Antonia ainda tem o que aprender.

O legal de tudo, claro, fica mesmo na proposta da diretora Cris D’Amato de colocar em discussão até que ponto a beleza física é mais importante do que a beleza encontrada na relação familiar, nos sentimentos, na alma mesmo. Faz pensar se vale a pena perder tanto tempo admirando sua própria beleza. E já que é realmente um prazer se sentir bem com o corpo, sem neuras, a dica é assistir ao filme nos cinemas acompanhado de um belo balde de pipoca. Não há tempo para culpa. Não nesta vida, pelo menos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;