Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Simulado envolve 200 pessoas

Moradores do Jardim Sônia Maria treinam para enfrentar vazamento de gás


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

07/12/2011 | 07:00


Cerca de 200 moradores do entorno do Polo Petroquímico de Capuava participaram, ontem, de simulado de vazamento de gás realizado pela Braskem e Associação das Industrias do polo. Com duração de pouco mais de uma hora, a primeira ação do gênero na unidade Capuava serviu para treinar e avaliar a atuação dos moradores e trabalhadores em uma situação emergencial.

Apesar de a expectativa inicial da organização ser reunir 600 moradores, o gerente de Saúde, segurança e meio ambiente da unidade Braskem de insumos básicos do Sudeste, Carlos Alfano, não considera baixa a adesão populacional. "Temos de levar em conta que estamos no meio da semana e, por isso, muita gente deve estar no trabalho ou escola", avalia.

Ainda assim, Alfano considera necessária a conscientização das pessoas frente à importância de ação como essa. "As outras unidades de insumos realizam simulados anualmente e já fazia tempo que não tinha um aqui", destaca.

Segundo ele, o treinamento atendeu às expectativas projetadas. "Faremos reunião interna para avaliar nossos números e vamos elaborar plano de ação para melhorias", diz.

Segundo o diretor executivo da Apolo, Luís Almudi, as chances de ocorrer vazamento real são remotas, já que a empresa investe para evitar acidentes. "Caso acontecesse vazamento, o GLP não atingiria a comunidade, mas caso atingisse, os efeitos seriam mínimos", comenta.

Já o químico da Cetesb João Carlos considera que o vazamento de gás na Braskem colocaria a comunidade em risco. "Esse é um gás muito tóxico e que poderia trazer problemas, como o risco de explosão", diz. Nesse caso, a tarefa da companhia seria avaliar a concentração de gás no local e verificar a possibilidade de a população voltar ou não para suas casas. "Se esse gás estivesse confinado nas casas, a empresa teria de pagar hospedagem para esses moradores", observa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Simulado envolve 200 pessoas

Moradores do Jardim Sônia Maria treinam para enfrentar vazamento de gás

Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

07/12/2011 | 07:00


Cerca de 200 moradores do entorno do Polo Petroquímico de Capuava participaram, ontem, de simulado de vazamento de gás realizado pela Braskem e Associação das Industrias do polo. Com duração de pouco mais de uma hora, a primeira ação do gênero na unidade Capuava serviu para treinar e avaliar a atuação dos moradores e trabalhadores em uma situação emergencial.

Apesar de a expectativa inicial da organização ser reunir 600 moradores, o gerente de Saúde, segurança e meio ambiente da unidade Braskem de insumos básicos do Sudeste, Carlos Alfano, não considera baixa a adesão populacional. "Temos de levar em conta que estamos no meio da semana e, por isso, muita gente deve estar no trabalho ou escola", avalia.

Ainda assim, Alfano considera necessária a conscientização das pessoas frente à importância de ação como essa. "As outras unidades de insumos realizam simulados anualmente e já fazia tempo que não tinha um aqui", destaca.

Segundo ele, o treinamento atendeu às expectativas projetadas. "Faremos reunião interna para avaliar nossos números e vamos elaborar plano de ação para melhorias", diz.

Segundo o diretor executivo da Apolo, Luís Almudi, as chances de ocorrer vazamento real são remotas, já que a empresa investe para evitar acidentes. "Caso acontecesse vazamento, o GLP não atingiria a comunidade, mas caso atingisse, os efeitos seriam mínimos", comenta.

Já o químico da Cetesb João Carlos considera que o vazamento de gás na Braskem colocaria a comunidade em risco. "Esse é um gás muito tóxico e que poderia trazer problemas, como o risco de explosão", diz. Nesse caso, a tarefa da companhia seria avaliar a concentração de gás no local e verificar a possibilidade de a população voltar ou não para suas casas. "Se esse gás estivesse confinado nas casas, a empresa teria de pagar hospedagem para esses moradores", observa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;