Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

IPT inicia mapeamento
de áreas de risco em Mauá

Serviço começa a menos de 1 mês do início das tempestades;
primeiro local visitado foi o morro do Macuco, no Jardim Zaíra


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

07/12/2011 | 07:00


Faltando menos de um mês para o início do período de chuvas fortes, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas iniciou ontem o trabalho de campo para o mapeamento das áreas de risco em Mauá. O primeiro local visitado foi o morro do Macuco, no Jardim Zaíra, onde quatro pessoas morreram em janeiro em decorrência de deslizamentos de terra.

Segundo a Prefeitura, o monitoramento visual teve início na semana passada, quando os morros foram sobrevoados e fotografados. "O trabalho será dividido em três etapas. A primeira é o mapeamento da situação de risco. Na sequência serão feitas propostas com soluções de engenharia para minimizar ou reduzir o risco. Na última fase haverá a formação e capacitação dos Núcleos de Defesa Civil", diz o coordenador de planejamento urbano e informações estratégicas Mauricio de Castro Gazola.

Juntas, as três etapas deverão ser concluídas em aproximadamente cinco meses. Para Gazola, o fato de o mapeamento ser iniciado a poucos dias do verão não prejudicará o resultado da ação. "É até bom que as equipes do IPT estejam conosco em janeiro, pois eles poderão prestar assessoria imediata durante as chuvas."

Na avaliação do coordenador, os técnicos terão maior embasamento para determinar se as famílias que residem em áreas afetadas por desastres naturais necessitam de remoção permanente ou apenas temporária. Segundo ele, as ações de engenharia serão iniciadas assim que apontadas pelo instituto. "Não precisa esperar os cinco meses", garante.

A contratação do instituto foi feita com verba do governo federal, por meio de convênio com o Ministério das Cidades no valor de R$ 300 mil.

O coordenador afirma que todas as áreas de risco serão monitoradas. "O Macuco foi o primeiro pelo fato de ser o ponto com maior declividade na cidade." Na avaliação de Gazola, os estudos surtirão efeito no verão. "A Prefeitura terá mais informações para fazer o trabalho preventivo."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

IPT inicia mapeamento
de áreas de risco em Mauá

Serviço começa a menos de 1 mês do início das tempestades;
primeiro local visitado foi o morro do Macuco, no Jardim Zaíra

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

07/12/2011 | 07:00


Faltando menos de um mês para o início do período de chuvas fortes, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas iniciou ontem o trabalho de campo para o mapeamento das áreas de risco em Mauá. O primeiro local visitado foi o morro do Macuco, no Jardim Zaíra, onde quatro pessoas morreram em janeiro em decorrência de deslizamentos de terra.

Segundo a Prefeitura, o monitoramento visual teve início na semana passada, quando os morros foram sobrevoados e fotografados. "O trabalho será dividido em três etapas. A primeira é o mapeamento da situação de risco. Na sequência serão feitas propostas com soluções de engenharia para minimizar ou reduzir o risco. Na última fase haverá a formação e capacitação dos Núcleos de Defesa Civil", diz o coordenador de planejamento urbano e informações estratégicas Mauricio de Castro Gazola.

Juntas, as três etapas deverão ser concluídas em aproximadamente cinco meses. Para Gazola, o fato de o mapeamento ser iniciado a poucos dias do verão não prejudicará o resultado da ação. "É até bom que as equipes do IPT estejam conosco em janeiro, pois eles poderão prestar assessoria imediata durante as chuvas."

Na avaliação do coordenador, os técnicos terão maior embasamento para determinar se as famílias que residem em áreas afetadas por desastres naturais necessitam de remoção permanente ou apenas temporária. Segundo ele, as ações de engenharia serão iniciadas assim que apontadas pelo instituto. "Não precisa esperar os cinco meses", garante.

A contratação do instituto foi feita com verba do governo federal, por meio de convênio com o Ministério das Cidades no valor de R$ 300 mil.

O coordenador afirma que todas as áreas de risco serão monitoradas. "O Macuco foi o primeiro pelo fato de ser o ponto com maior declividade na cidade." Na avaliação de Gazola, os estudos surtirão efeito no verão. "A Prefeitura terá mais informações para fazer o trabalho preventivo."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;