Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sto.André adia projeto educacional para presos


Renata Gonçalez
Do Diário do Grande ABC

27/10/2004 | 09:06


Foi adiado para 2005 o projeto de oferecer cursos de alfabetização e de profissionalização aos presos do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Santo André. O diretor da Educação do Trabalhador de Santo André, Antônio Viana Balbino, justificou o atraso com a falta de espaço adequado para as aulas dentro do CDP. Segundo ele, será necessário fazer uma reforma dentro do centro, o que dependerá de parceria com a iniciativa privada.

O projeto foi idealizado há um ano e meio pelo Departamento de Educação do Trabalhador da Prefeitura, com o aval da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária. Há duas semanas, o município anunciou que os cursos teriam início em novembro. O projeto foi apresentado aos quase 1,2 mil detentos do CDP.

O Diário tentou confirmar as informações com a Secretaria de Administração Penitenciária, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição. A juíza-corregedora de Santo André, Flávia Beatriz Gonçalez da Silva, que tem de ser informada sobre qualquer decisão que envolva os presos, também foi procurada pela reportagem. No entanto, não concedeu entrevista por ter compromissos junto à Justiça Eleitoral.

"Foi a própria direção do CDP que achou melhor reformar uma das áreas disponíveis. Seria necessário adequar uma sala para o laboratório de informática e outra para o Mova (Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos)", afirmou Balbino. Segundo ele, o projeto original prevê salas com capacidade para 50 alunos e laboratório de informática com até 30 vagas.

O diretor da Educação do Trabalhador contou ainda que, durante a apresentação do programa, quatro presos foram selecionados como educadores. Outros 38 manifestaram o interesse em participar dos cursos. Caso se concretize, o projeto dá como garantia - aos presos que participarem dos cursos - vaga nos Centros Públicos de Formação Profissional, após o cumprimento da pena.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sto.André adia projeto educacional para presos

Renata Gonçalez
Do Diário do Grande ABC

27/10/2004 | 09:06


Foi adiado para 2005 o projeto de oferecer cursos de alfabetização e de profissionalização aos presos do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Santo André. O diretor da Educação do Trabalhador de Santo André, Antônio Viana Balbino, justificou o atraso com a falta de espaço adequado para as aulas dentro do CDP. Segundo ele, será necessário fazer uma reforma dentro do centro, o que dependerá de parceria com a iniciativa privada.

O projeto foi idealizado há um ano e meio pelo Departamento de Educação do Trabalhador da Prefeitura, com o aval da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária. Há duas semanas, o município anunciou que os cursos teriam início em novembro. O projeto foi apresentado aos quase 1,2 mil detentos do CDP.

O Diário tentou confirmar as informações com a Secretaria de Administração Penitenciária, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição. A juíza-corregedora de Santo André, Flávia Beatriz Gonçalez da Silva, que tem de ser informada sobre qualquer decisão que envolva os presos, também foi procurada pela reportagem. No entanto, não concedeu entrevista por ter compromissos junto à Justiça Eleitoral.

"Foi a própria direção do CDP que achou melhor reformar uma das áreas disponíveis. Seria necessário adequar uma sala para o laboratório de informática e outra para o Mova (Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos)", afirmou Balbino. Segundo ele, o projeto original prevê salas com capacidade para 50 alunos e laboratório de informática com até 30 vagas.

O diretor da Educação do Trabalhador contou ainda que, durante a apresentação do programa, quatro presos foram selecionados como educadores. Outros 38 manifestaram o interesse em participar dos cursos. Caso se concretize, o projeto dá como garantia - aos presos que participarem dos cursos - vaga nos Centros Públicos de Formação Profissional, após o cumprimento da pena.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;