Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Oposição critica elo do Paço com cooperativa investigada

Montagem/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Bancada pede suspensão da parceria da gestão Marinho com a Coaf, que fraudou licitações


Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

22/01/2016 | 07:00


A bancada de oposição em São Bernardo anunciou ontem que vai questionar formalmente o governo do prefeito Luiz Marinho (PT) sobre o convênio com a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), investigada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público por suspeita de fraude e superfaturamento no processo de compra de merenda. A empresa, que fornece suco de laranja às escolas da rede municipal desde 2010, já teve seis integrantes do corpo diretivo presos.

O episódio foi evidenciado na segunda-feira com a abertura da Operação Alba Branca a partir de investigação em Bebedouro, no Interior do Estado, onde está a sede da Coaf. A polícia apurou que a empresa fraudou processo licitatório em inúmeras prefeituras paulistas e deflagrou busca e apreensão de documentos em administrações com vínculo com a cooperativa. Entre eles o convênio fixado pela ex-secretária de Educação de São Bernardo Cleuza Repulho (PT).

Presidente do PPS de São Bernardo, Julinho Fuzari atacou a postura do atual secretário da Pasta, Paulo Dias (PT). O titular da administração afirmou que não vê motivos para romper contrato com a cooperativa. “Há possibilidade de a licitação ter sido dirigida na cidade, por isso a Prefeitura tem de esclarecer. É o mote do requerimento de informações que vou fazer. Se há suspeita de conluio na investigação, ele (Paulo Dias) tem de parar a licitação, abrir uma nova. Pelo menos abrir sindicância.”

No mesmo tom, os também oposicionistas Juarez Tudo Azul (PSDB) e Pery Cartola (SD) confirmaram a elaboração formal de questionamento para ser votado já no dia 6, quando retornam os trabalhos legislativos.

“Temos de pedir vistas não só desse como outros contratos. Respeito muito o Paulo Dias, mas com essa investigação em andamento seria importante que suspendesse o fornecimento até que se comprovasse lisura no vínculo”, observou Juarez.

As autoridades informaram que, ao todo, 22 convênios entre prefeituras e a Coaf estão sendo analisados, detalhando que o processo de investigação deverá ser avançado a partir das oitivas com integrantes da cooperativa, a partir da semana que vem.

“Este é com certeza o setor mais problemático desta gestão petista. Mais sujo do que pau de galinheiro. Foram inúmeros os problemas e suspeitas levantadas. Principalmente com produtos e materiais que são para crianças”, criticou Pery. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Oposição critica elo do Paço com cooperativa investigada

Bancada pede suspensão da parceria da gestão Marinho com a Coaf, que fraudou licitações

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

22/01/2016 | 07:00


A bancada de oposição em São Bernardo anunciou ontem que vai questionar formalmente o governo do prefeito Luiz Marinho (PT) sobre o convênio com a Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), investigada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público por suspeita de fraude e superfaturamento no processo de compra de merenda. A empresa, que fornece suco de laranja às escolas da rede municipal desde 2010, já teve seis integrantes do corpo diretivo presos.

O episódio foi evidenciado na segunda-feira com a abertura da Operação Alba Branca a partir de investigação em Bebedouro, no Interior do Estado, onde está a sede da Coaf. A polícia apurou que a empresa fraudou processo licitatório em inúmeras prefeituras paulistas e deflagrou busca e apreensão de documentos em administrações com vínculo com a cooperativa. Entre eles o convênio fixado pela ex-secretária de Educação de São Bernardo Cleuza Repulho (PT).

Presidente do PPS de São Bernardo, Julinho Fuzari atacou a postura do atual secretário da Pasta, Paulo Dias (PT). O titular da administração afirmou que não vê motivos para romper contrato com a cooperativa. “Há possibilidade de a licitação ter sido dirigida na cidade, por isso a Prefeitura tem de esclarecer. É o mote do requerimento de informações que vou fazer. Se há suspeita de conluio na investigação, ele (Paulo Dias) tem de parar a licitação, abrir uma nova. Pelo menos abrir sindicância.”

No mesmo tom, os também oposicionistas Juarez Tudo Azul (PSDB) e Pery Cartola (SD) confirmaram a elaboração formal de questionamento para ser votado já no dia 6, quando retornam os trabalhos legislativos.

“Temos de pedir vistas não só desse como outros contratos. Respeito muito o Paulo Dias, mas com essa investigação em andamento seria importante que suspendesse o fornecimento até que se comprovasse lisura no vínculo”, observou Juarez.

As autoridades informaram que, ao todo, 22 convênios entre prefeituras e a Coaf estão sendo analisados, detalhando que o processo de investigação deverá ser avançado a partir das oitivas com integrantes da cooperativa, a partir da semana que vem.

“Este é com certeza o setor mais problemático desta gestão petista. Mais sujo do que pau de galinheiro. Foram inúmeros os problemas e suspeitas levantadas. Principalmente com produtos e materiais que são para crianças”, criticou Pery. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;