Fechar
Publicidade

Sábado, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Corinthians próximo de anunciar naming rights da Arena

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Conglomerado farmacêutico é apontado como favorito para pagar até R$ 350 milhões para explorar nome do estádio alvinegro por 20 anos


Dérek Bittencourt

27/08/2020 | 23:55


Foram dez anos esperando mas, enfim, às vésperas do 110º aniversário, o Corinthians vai anunciar em breve a marca que adquiriu os direitos de explorar o nome da Arena de Itaquera. Um dos principais objetivos do presidente Andrés Sanchez, a definição dos naming rights do moderno estádio alvinegro se arrastou ao longo da última década – desde o início da construção – tendo diversas marcas envolvidas mas, ontem, por um contrato estimado entre R$ 300 milhões e R$ 350 milhões, a Hypera Pharma – segundo informações do site UOL Esporte –, conglomerado farmacêutico que já patrocinou o Timão (com uma de suas marcas, a Neo Química, entre 2010 e 2011), fechou para batizar pelos próximos 20 anos a praça esportiva, construída para a Copa do Mundo de 2014.

A definição passa pelas aprovações da Odebrecht e da Caixa, com quem o clube se endividou para construção da obra – o banco estima que o clube deva R$ 536 milhões. Sem confirmar ou negar qualquer tipo de informação, ontem o mandatário alvinegro publicou mensagem enigmática na rede social Twitter. “Parabéns, bem-vinda, vai, Corinthians”, manifestou-se o dirigente. A intenção de Andrés Sanchez, desde o início, era fechar um negócio próximo de R$ 400 milhões – R$ 100 milhões a mais do que o rival Palmeiras conseguiu com Allianz para batizar o modernizado Palestra Itália, através da construtora da arena alviverde, a WTorre.

Entre as marcas que chegaram a ser cogitadas para nomear o estádio, grandes multinacionais, como, por exemplo Emirates, Amazon e Volkswagen, esta que anteontem – em texto muito bem elaborado publicado nas redes sociais, que trazia série de fundamentos e incluía até o ex-presidente Lula como participante do evento de anúncio – chegou a ser extraoficialmente confirmada. Questionada pelo Diário, entretanto, a montadora alemã, que tem fábrica em São Bernardo, negou. “Em resposta à sua solicitação, informamos que a Volkswagen não possui nenhuma negociação em andamento para a compra dos naming rights da Arena Corinthians.”

O Magazine Luiza foi outra empresa a, recentemente, se manifestar negando qualquer tipo de intenção ou envolvimento. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Corinthians próximo de anunciar naming rights da Arena

Conglomerado farmacêutico é apontado como favorito para pagar até R$ 350 milhões para explorar nome do estádio alvinegro por 20 anos

Dérek Bittencourt

27/08/2020 | 23:55


Foram dez anos esperando mas, enfim, às vésperas do 110º aniversário, o Corinthians vai anunciar em breve a marca que adquiriu os direitos de explorar o nome da Arena de Itaquera. Um dos principais objetivos do presidente Andrés Sanchez, a definição dos naming rights do moderno estádio alvinegro se arrastou ao longo da última década – desde o início da construção – tendo diversas marcas envolvidas mas, ontem, por um contrato estimado entre R$ 300 milhões e R$ 350 milhões, a Hypera Pharma – segundo informações do site UOL Esporte –, conglomerado farmacêutico que já patrocinou o Timão (com uma de suas marcas, a Neo Química, entre 2010 e 2011), fechou para batizar pelos próximos 20 anos a praça esportiva, construída para a Copa do Mundo de 2014.

A definição passa pelas aprovações da Odebrecht e da Caixa, com quem o clube se endividou para construção da obra – o banco estima que o clube deva R$ 536 milhões. Sem confirmar ou negar qualquer tipo de informação, ontem o mandatário alvinegro publicou mensagem enigmática na rede social Twitter. “Parabéns, bem-vinda, vai, Corinthians”, manifestou-se o dirigente. A intenção de Andrés Sanchez, desde o início, era fechar um negócio próximo de R$ 400 milhões – R$ 100 milhões a mais do que o rival Palmeiras conseguiu com Allianz para batizar o modernizado Palestra Itália, através da construtora da arena alviverde, a WTorre.

Entre as marcas que chegaram a ser cogitadas para nomear o estádio, grandes multinacionais, como, por exemplo Emirates, Amazon e Volkswagen, esta que anteontem – em texto muito bem elaborado publicado nas redes sociais, que trazia série de fundamentos e incluía até o ex-presidente Lula como participante do evento de anúncio – chegou a ser extraoficialmente confirmada. Questionada pelo Diário, entretanto, a montadora alemã, que tem fábrica em São Bernardo, negou. “Em resposta à sua solicitação, informamos que a Volkswagen não possui nenhuma negociação em andamento para a compra dos naming rights da Arena Corinthians.”

O Magazine Luiza foi outra empresa a, recentemente, se manifestar negando qualquer tipo de intenção ou envolvimento. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;