Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Skowa leva ‘Zona Fantasma’ a São Caetano


Gislaine Gutierre
Do Diário do Grande ABC

06/01/2002 | 16:45


O cantor, instrumentista e arranjador Skowa abre nesta segunda-feira, com um show às 20h, a temporada 2002 de espetáculos no Sesc São Caetano. Acompanhado apenas por dois músicos, ele apresentará Bem-Vindo à Zona Fantasma, composto somente por músicas de artistas “malditos”, desconhecidos da grande massa.

“A idéia deste show surgiu depois que li uma reportagem em que o jornalista apontava esses compositores como habitantes da zona fantasma”, afirma Skowa. Zona fantasma, no caso, seria a denominação do espaço distante dos holofotes da mídia, onde habitam artistas que realizam um trabalho não comercial.

Os seres desse habitat seriam artistas como Jorge Benjor, Monsueto Meneses, Tonho Penhasco, Duda Moleque de Rua, Jards Macalé, Luiz Melodia, Branca de Neve e Itamar Assumpção.

Em comum, além de não terem grande espaço nos meios de comunicação, fazem um trabalho “de conteúdo”, como explica Skowa. Por isso mesmo, a execução do repertório não contará com arranjos intrincados ou firulas.

“O mais importante é o texto, por isso não há nenhuma mirabolância instrumental para desviar a atenção da composição. Quero que a criação chegue ao público como ela é, e para isso nada melhor que voz e violão”, afirma Skowa. Ele tocará violões com cordas de aço e de nylon, e para acompanhá-lo, estarão Renê (violão) e Ricardo Garcia (percussão).

Entre as músicas do show estão O Sósia, do Moleque de Rua; Só que Deram Zero pro Bedeu, de Luiz Vagner; Caribe, de Marco Ribas, Casa de Antonio Jó, de Monsueto Meneses, e Mágica, de Tonho Penhasco.

Skowa realiza esse espetáculo há quatro anos e ao longo deste tempo fez algumas modificações no repertório e na formação da banda. E a cada ano, só aumenta a população de “fantasmas” prontos para entrar no show. “Uma vez nesse habitat, é difícil deixá-lo, até porque esses artistas não são dados a fazer concessões em busca do sucesso”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Skowa leva ‘Zona Fantasma’ a São Caetano

Gislaine Gutierre
Do Diário do Grande ABC

06/01/2002 | 16:45


O cantor, instrumentista e arranjador Skowa abre nesta segunda-feira, com um show às 20h, a temporada 2002 de espetáculos no Sesc São Caetano. Acompanhado apenas por dois músicos, ele apresentará Bem-Vindo à Zona Fantasma, composto somente por músicas de artistas “malditos”, desconhecidos da grande massa.

“A idéia deste show surgiu depois que li uma reportagem em que o jornalista apontava esses compositores como habitantes da zona fantasma”, afirma Skowa. Zona fantasma, no caso, seria a denominação do espaço distante dos holofotes da mídia, onde habitam artistas que realizam um trabalho não comercial.

Os seres desse habitat seriam artistas como Jorge Benjor, Monsueto Meneses, Tonho Penhasco, Duda Moleque de Rua, Jards Macalé, Luiz Melodia, Branca de Neve e Itamar Assumpção.

Em comum, além de não terem grande espaço nos meios de comunicação, fazem um trabalho “de conteúdo”, como explica Skowa. Por isso mesmo, a execução do repertório não contará com arranjos intrincados ou firulas.

“O mais importante é o texto, por isso não há nenhuma mirabolância instrumental para desviar a atenção da composição. Quero que a criação chegue ao público como ela é, e para isso nada melhor que voz e violão”, afirma Skowa. Ele tocará violões com cordas de aço e de nylon, e para acompanhá-lo, estarão Renê (violão) e Ricardo Garcia (percussão).

Entre as músicas do show estão O Sósia, do Moleque de Rua; Só que Deram Zero pro Bedeu, de Luiz Vagner; Caribe, de Marco Ribas, Casa de Antonio Jó, de Monsueto Meneses, e Mágica, de Tonho Penhasco.

Skowa realiza esse espetáculo há quatro anos e ao longo deste tempo fez algumas modificações no repertório e na formação da banda. E a cada ano, só aumenta a população de “fantasmas” prontos para entrar no show. “Uma vez nesse habitat, é difícil deixá-lo, até porque esses artistas não são dados a fazer concessões em busca do sucesso”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;