Fechar
Publicidade

Domingo, 31 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Julinho avalia que PT não tem nome natural para 2016

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vereador de oposição em S.Bernardo considera ‘descrédito’ de Luiz Fernando e desgaste político do governo Marinho


Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

20/12/2014 | 07:00


Integrante da ala de oposição na Câmara de São Bernardo, o vereador Julinho Fuzari (PPS) deu o tom das críticas à futura indicação do prefeito Luiz Marinho (PT) no processo eleitoral de 2016 e alegou que o PT não tem nome natural ao páreo. Para o popular-socialista, o partido que governa a cidade passa por dificuldade para encontrar sucessor. “O PT não tem quadros no município. Não há opção nova, alternativa, com trajetória política para ser referendado como próximo candidato”, frisou. O deputado estadual eleito Luiz Fernando Teixeira e o secretário de Serviços Urbanos, Tarcísio Secoli, são cotados no petismo.

Julinho considera descrédito a especulação sobre Luiz Fernando. Em seu apontamento, o parlamentar afirmou que o presidente do São Bernardo Futebol Clube não possui história local. “Ele não tem raízes por aqui. Não acho que ele seja o nome. Fez uma das campanhas mais caras (deste ano) e mesmo assim obteve apenas 37 mil votos na cidade (102 mil na totalidade). Avalio que saiu da eleição menor do que entrou”, disse, referindo-se ao fato de o petista ter sido vereador em Casa Branca (1989-1992), único mandato eletivo até agora.

O vereador admite, entretanto, que o PT é favorito para ir para o segundo turno, embora faça ponderação quanto ao desgaste político da legenda nos âmbitos nacional, paulista e municipal. “Por isso, temos de pensar que o nosso adversário é um só”, justificou Julinho, argumentando que a oposição precisa traçar estratégia para enfrentar o inimigo em comum. “Existe possibilidade de união. Vamos estudar a melhor tática: se é interessante aliança desde o primeiro turno ou composição numa etapa final”, pontuou, ao mencionar os nomes do deputado federal eleito Alex Manente (PPS) e deputado estadual reeleito Orlando Morando (PSDB). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Julinho avalia que PT não tem nome natural para 2016

Vereador de oposição em S.Bernardo considera ‘descrédito’ de Luiz Fernando e desgaste político do governo Marinho

Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

20/12/2014 | 07:00


Integrante da ala de oposição na Câmara de São Bernardo, o vereador Julinho Fuzari (PPS) deu o tom das críticas à futura indicação do prefeito Luiz Marinho (PT) no processo eleitoral de 2016 e alegou que o PT não tem nome natural ao páreo. Para o popular-socialista, o partido que governa a cidade passa por dificuldade para encontrar sucessor. “O PT não tem quadros no município. Não há opção nova, alternativa, com trajetória política para ser referendado como próximo candidato”, frisou. O deputado estadual eleito Luiz Fernando Teixeira e o secretário de Serviços Urbanos, Tarcísio Secoli, são cotados no petismo.

Julinho considera descrédito a especulação sobre Luiz Fernando. Em seu apontamento, o parlamentar afirmou que o presidente do São Bernardo Futebol Clube não possui história local. “Ele não tem raízes por aqui. Não acho que ele seja o nome. Fez uma das campanhas mais caras (deste ano) e mesmo assim obteve apenas 37 mil votos na cidade (102 mil na totalidade). Avalio que saiu da eleição menor do que entrou”, disse, referindo-se ao fato de o petista ter sido vereador em Casa Branca (1989-1992), único mandato eletivo até agora.

O vereador admite, entretanto, que o PT é favorito para ir para o segundo turno, embora faça ponderação quanto ao desgaste político da legenda nos âmbitos nacional, paulista e municipal. “Por isso, temos de pensar que o nosso adversário é um só”, justificou Julinho, argumentando que a oposição precisa traçar estratégia para enfrentar o inimigo em comum. “Existe possibilidade de união. Vamos estudar a melhor tática: se é interessante aliança desde o primeiro turno ou composição numa etapa final”, pontuou, ao mencionar os nomes do deputado federal eleito Alex Manente (PPS) e deputado estadual reeleito Orlando Morando (PSDB). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;