Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Caoa trabalha com outras marcas chinesas para a fábrica da Ford

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Modelos da Chery não serão produzidos na planta de São Bernardo; Changan é uma das montadoras cotadas para usar o espaço


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

05/09/2019 | 07:00


Prestes a comprar a fábrica da Ford no bairro Taboão, em São Bernardo, o Grupo Caoa não trabalhará com veículos da Chery no parque fabril do Grande ABC. Serão outras duas marcas chinesas a ocuparem a linha de produção, sendo uma delas a Changan.

O Diário apurou que o dono da Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade, avisou o governador João Doria (PSDB) que a Chery tenta readquirir os direitos de exploração da marca no Brasil – assim como fez, no passado, a Hyundai com os veículos HB20 e Creta. Porém, avisou que há negociações praticamente seladas com outras montadoras chinesas. O nome da Changan foi revelado ontem pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Na terça-feira, no Palácio dos Bandeirantes, foi anunciado que o Grupo Caoa é o único interessado na fábrica da Ford e que, por 45 dias, haverá prazo de diligência, espécie de análise das condições econômicas da operação – a despeito do prazo, a transferência é dada como certa. A estimativa é a de que o negócio, concretizado, envolva montante de R$ 1 bilhão.

Assim que toda transferência for concluída, a fábrica em São Bernardo será responsável pela produção de linha de caminhão – a Caoa vai comprar o nome Cargo, da Ford – e um veículo leve. Entretanto, a expansão é cogitada, até pela parceria com as duas montadoras chinesas.

Também no evento de terça-feira, Carlos Alberto elogiou bastante a tecnologia chinesa na fabricação de automóveis, em especial na confecção de produtos híbridos e elétricos. “A China vai surpreender o mundo com avanços tecnológicos e investimento pesado, de US$ 8 bilhões, em termos de carros elétricos. Não esquecendo os motores a gasolina e etanol”, comentou. Curiosamente, durante entrevista aos jornalistas, o empresário não citou o nome da Chery.

A Chery possui fábrica em Jacareí, no Interior de São Paulo, onde são produzidos os modelos Arizo 5 e Tiggo 2. E a Caoa ainda conta com parque fabril em Anápolis, em Goiás, para fabricação do Tiggo 5X e Tiggo 7 – há também a linha de montagem de três modelos da Hyundai (caminhão HR, ix35 e New Tucson).

Caso haja confirmação da Changan, a tendência é a de que ela produza SUVs, com motores flex, segundo ainda o jornal O Estado de S.Paulo. Seria também o retorno da marca ao Brasil: chegou em 2006 e deixou o mercado nacional dez anos depois.

O Grupo Caoa deve assumir a fábrica assim que a Ford deixar o espaço, em novembro. O futuro dono do local se comprometeu a contratar 850 funcionários da montadora norte-americana, com possibilidade de admitir outros 600 colaboradores do setor administrativo.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;