Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grande ABC é excluído de área de atuação de bikes amarelas

Claudinei Plaza/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Usuários que abandonarem unidades entre as sete cidades terão de pagar multa de R$ 30


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

27/09/2018 | 07:00


O Grande ABC foi excluído pelo aplicativo Yellow Bike do perímetro urbano para uso e estacionamento das bicicletas de compartilhamento mediante aluguel. Menos de um mês depois de o Diário destacar a chegada do serviço à região, a empresa optou pela limitação do trecho de entrega das magrelas em áreas das zonas Oeste e Zona Sul da Capital. A partir de agora, usuários que abandonarem as unidades amarelas fora do trecho permitido terão de pagar multa de R$ 30.

A mudança já impactou a presença das bicicletas amarelas entre as sete cidades. No dia 3 de setembro, pelo menos 12 unidades foram localizadas em pontos do Grande ABC. Ontem, o aplicativo indicou a presença de apenas duas bikes. No entanto, a equipe do Diário foi até um dos endereços indicados, em São Bernardo, e não localizou a magrela. O outro ponto destacado fica em Diadema. O serviço custa R$ 1 e dá direito a 15 minutos de uso.

A estudante Sumaya Pereira, 21 anos, é usuária das bikes e disse “amar a modalidade”, no entanto, achou a taxa de estacionamento “absurda e abusiva”, já que, para ela, “não compensa pagar barato para o uso”, se terá custo extra ao deixar a unidade no Grande ABC. “Creio que a intenção deles (Yellow Bike) seja expandir. (A restrição) Foi uma forma de facilitar o acesso das bicicletas em região que tem demanda alta. No Grande ABC, as bikes ainda são pouco utilizadas.”

Conforme a empresa, o objetivo da demarcação de uso e estacionamento das bicicletas é o de resolver o principal desafio da Yellow nestes primeiros meses de operação: garantir a oferta e a disponibilidade das bikes em regiões com grande demanda. A startup, entretanto, destaca ter cronograma de expansão de perímetros, sem especificar se o Grande ABC está no horizonte.

Professor e gestor da Escola de Arquitetura e Urbanismo da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Enio Moro Júnior considera a decisão da empresa “erro enorme”, já que, segundo ele, foge do modelo de serviço existente em países da Europa e nos Estados Unidos. “O modal de compartilhamento é um avanço e, neste caso, em que se está limitando espaço, anda para trás. Para funcionar, este estilo de transporte tem de democratizar o espaço, atendendo toda a Região Metropolitana e não somente bairros nobres.”

Moro critica a limitação do serviço e associa a prática ao que considera “velha metáfora brasileira”. “Coisa boa é só para os ricos. É um absurdo a empresa não ter a mesma postura dos demais modais em atender o todo. É um contrassenso. Perdemos a oportunidade de qualificar o transporte público. O mercado está mais uma vez se sobrepondo ao usuário.”

Indignado, o professor considera que o poder público deveria cassar a concessão de uso do aplicativo. “O aluguel de bikes deveria atender o território como um todo.”



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;