Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Longa 'Ainda Orangotangos' foi filmado uma única vez


Do Diário do Grande ABC

05/09/2008 | 07:05


Diretor gaúcho de 36 anos, Gustavo Spolidoro faz um cinema de experimentação que lhe tem valido elogios (e fãs) em festivais do País. Seu curta Outros, narrado em plano-seqüência (tomada única), virou referência de ousadia e criatividade. Por conta disso, havia grande expectativa em relação à estréia de Spolidoro no longa.

 

 Ele rodou Ainda Orangotangos, que estréia hoje, num único plano-seqüência. Mas adverte que não buscou uma história para fazer Ainda Orangotangos desta maneira. Foi o livro de Paulo Scott que lhe apontou o caminho.

 "Foi o casamento perfeito", explica o diretor. "A história passa-se em Porto Alegre e integra a vida da cidade à ficção." Foi, aliás, o que o atraiu. "São tramas do dia-a-dia sobre personagens que transitam por ruas e prédios que conheço e reagem de forma instintiva, até primitiva, aos desafios da vida, pois ainda são orangotangos. Selecionamos seis contos - o plural refere-se aos sócios de Spolidoro e ao roteirista Gibran Dipp - não tanto porque se interligavam, mas porque davam margem para isso.

 E todos transitam entre a realidade e a fantasia, numa linha muito tênue que chega ao absurdo e ao bizarro."

 Embora filmado numa única tomada de 90 minutos, Ainda Orangotangos não se passa em tempo real, na verdade, concentra nesse período um relato cuja extensão de tempo é de 14 horas. Para isso usou o entardecer no horário de verão. A equipe ensaiou mais um mês com a câmera antes de filmar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Longa 'Ainda Orangotangos' foi filmado uma única vez

Do Diário do Grande ABC

05/09/2008 | 07:05


Diretor gaúcho de 36 anos, Gustavo Spolidoro faz um cinema de experimentação que lhe tem valido elogios (e fãs) em festivais do País. Seu curta Outros, narrado em plano-seqüência (tomada única), virou referência de ousadia e criatividade. Por conta disso, havia grande expectativa em relação à estréia de Spolidoro no longa.

 

 Ele rodou Ainda Orangotangos, que estréia hoje, num único plano-seqüência. Mas adverte que não buscou uma história para fazer Ainda Orangotangos desta maneira. Foi o livro de Paulo Scott que lhe apontou o caminho.

 "Foi o casamento perfeito", explica o diretor. "A história passa-se em Porto Alegre e integra a vida da cidade à ficção." Foi, aliás, o que o atraiu. "São tramas do dia-a-dia sobre personagens que transitam por ruas e prédios que conheço e reagem de forma instintiva, até primitiva, aos desafios da vida, pois ainda são orangotangos. Selecionamos seis contos - o plural refere-se aos sócios de Spolidoro e ao roteirista Gibran Dipp - não tanto porque se interligavam, mas porque davam margem para isso.

 E todos transitam entre a realidade e a fantasia, numa linha muito tênue que chega ao absurdo e ao bizarro."

 Embora filmado numa única tomada de 90 minutos, Ainda Orangotangos não se passa em tempo real, na verdade, concentra nesse período um relato cuja extensão de tempo é de 14 horas. Para isso usou o entardecer no horário de verão. A equipe ensaiou mais um mês com a câmera antes de filmar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;