Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em evento sobre covid, Bolsonaro não cita vítimas e diz que jornalista é 'bundão'

Reprodução/Instragram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/08/2020 | 13:06


No momento em que o Brasil registra quase 115 mil mortes decorrentes do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro participou do evento "vencendo a covid-19", no Palácio do Planalto, na manhã desta segunda-feira, 24. No discurso, o presidente não fez qualquer menção às vítimas ou a seus familiares, lembrou que foi já contaminado e voltou a atacar jornalistas. "Quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor", afirmou.

Bolsonaro citou ainda a atuação de ex-ministros da Saúde que acabaram exonerados durante a pandemia, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Ele afirmou que, em março, chamou o novo coronavírus de "gripezinha" e disse que o seu "histórico de atleta" impediria uma infecção mais grave.

Hoje, meses após ter sido criticado pela fala, Bolsonaro falou que "sempre foi atleta das Forças Armadas", mas que o fato de citar o seu histórico seria encarado com "deboche pela mídia". "Aquela história de atleta né, que o pessoal da imprensa vai para o deboche, mas quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor", declarou.

Um dia após ameaçar encher um jornalista de "porrada", Bolsonaro disse que os profissionais da imprensa só sabem "fazer maldade" e "usar a caneta com maldade em grande parte". "Tem exceções como aqui o Alexandre Garcia. A chance de (um jornalista) sobreviver é bem menor do que a minha. E quem falou ''gripezinha'' foi o Dráuzio Varella, deixar bem claro. E depois eu fui atrás", afirmou.

Foram convidados para a cerimônia médicos que defendem o uso da hidroxicloroquina para o tratamento precoce da doença, medicamento sem eficácia comprovada. Outro defensor da droga, o ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra (MDB-PR) ganhou lugar de destaque no evento.

Ao final do encontro, Bolsonaro e os médicos formaram aglomeração ao se reunir para tirar fotos. Todos eles usavam máscaras. Entre eles, estavam Nise Yamaguchi e Luciano Dias Azevedo. O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, não estava presente, pois está em viagem ao Ceará.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em evento sobre covid, Bolsonaro não cita vítimas e diz que jornalista é 'bundão'


24/08/2020 | 13:06


No momento em que o Brasil registra quase 115 mil mortes decorrentes do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro participou do evento "vencendo a covid-19", no Palácio do Planalto, na manhã desta segunda-feira, 24. No discurso, o presidente não fez qualquer menção às vítimas ou a seus familiares, lembrou que foi já contaminado e voltou a atacar jornalistas. "Quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor", afirmou.

Bolsonaro citou ainda a atuação de ex-ministros da Saúde que acabaram exonerados durante a pandemia, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Ele afirmou que, em março, chamou o novo coronavírus de "gripezinha" e disse que o seu "histórico de atleta" impediria uma infecção mais grave.

Hoje, meses após ter sido criticado pela fala, Bolsonaro falou que "sempre foi atleta das Forças Armadas", mas que o fato de citar o seu histórico seria encarado com "deboche pela mídia". "Aquela história de atleta né, que o pessoal da imprensa vai para o deboche, mas quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor", declarou.

Um dia após ameaçar encher um jornalista de "porrada", Bolsonaro disse que os profissionais da imprensa só sabem "fazer maldade" e "usar a caneta com maldade em grande parte". "Tem exceções como aqui o Alexandre Garcia. A chance de (um jornalista) sobreviver é bem menor do que a minha. E quem falou ''gripezinha'' foi o Dráuzio Varella, deixar bem claro. E depois eu fui atrás", afirmou.

Foram convidados para a cerimônia médicos que defendem o uso da hidroxicloroquina para o tratamento precoce da doença, medicamento sem eficácia comprovada. Outro defensor da droga, o ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra (MDB-PR) ganhou lugar de destaque no evento.

Ao final do encontro, Bolsonaro e os médicos formaram aglomeração ao se reunir para tirar fotos. Todos eles usavam máscaras. Entre eles, estavam Nise Yamaguchi e Luciano Dias Azevedo. O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, não estava presente, pois está em viagem ao Ceará.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;