Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Biden ameaça retomar sanções contra Mianmar

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


01/02/2021 | 17:03


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ameaçou nesta segunda-feira impor novas sanções contra Mianmar após o golpe que levou militares a prenderem líderes civis no país. Segundo Biden, os EUA removeram sanções contra o país na última década por conta do "progresso para a democracia", mas uma reversão nos avanços poderia levar a uma revisão dos atos, de acordo com comunicado.

"A detenção de Aung San Suu Kyi e outras autoridades civis, e a declaração do estado de emergência nacional são um ataque direto à transição do país para a democracia e o Estado de direito", afirmou Biden.

O líder americano ressaltou que, na última década, houve progressos em Mianmar, algo que "deve ser respeitado".

O presidente dos EUA pediu à comunidade internacional que aja no sentido de fazer com que os militares saiam do poder que tomaram, e afirmou que irá "trabalhar com nossos parceiros em toda a região e em todo o mundo para apoiar a restauração da democracia e do Estado de Direito".

Em um dos desdobramentos mais recentes, a AFP registrou que o governo do Reino Unido convocou seu embaixador no país para consultas, movimento diplomático tradicional em meio disputas. O país foi colônia britânica até sua independência, em 1948.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Biden ameaça retomar sanções contra Mianmar


01/02/2021 | 17:03


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ameaçou nesta segunda-feira impor novas sanções contra Mianmar após o golpe que levou militares a prenderem líderes civis no país. Segundo Biden, os EUA removeram sanções contra o país na última década por conta do "progresso para a democracia", mas uma reversão nos avanços poderia levar a uma revisão dos atos, de acordo com comunicado.

"A detenção de Aung San Suu Kyi e outras autoridades civis, e a declaração do estado de emergência nacional são um ataque direto à transição do país para a democracia e o Estado de direito", afirmou Biden.

O líder americano ressaltou que, na última década, houve progressos em Mianmar, algo que "deve ser respeitado".

O presidente dos EUA pediu à comunidade internacional que aja no sentido de fazer com que os militares saiam do poder que tomaram, e afirmou que irá "trabalhar com nossos parceiros em toda a região e em todo o mundo para apoiar a restauração da democracia e do Estado de Direito".

Em um dos desdobramentos mais recentes, a AFP registrou que o governo do Reino Unido convocou seu embaixador no país para consultas, movimento diplomático tradicional em meio disputas. O país foi colônia britânica até sua independência, em 1948.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;