Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Gabriel Braga: vampiro sedutor quer fazer papel de mocinho


André Bernardo
Da TV Press

07/12/2002 | 17:39


Gabriel Braga Nunes se considera um tímido incorrigível. Daqueles que adoraria sair de casa e andar incólume pelas ruas. Mas desde que começou a interpretar o sedutor Victor, de O Beijo do Vampiro, ele tem conseguido despertar todo tipo de reação nas pessoas, menos a indiferença. Sempre aparece alguém dizendo uma gracinha qualquer sobre o vampiro bad-boy da novela das sete. “Outro dia, entrei numa farmácia e a vendedora, imediatamente, cobriu o pescoço com as mãos”, diz.

De fato, Gabriel passou a dar sustos involuntários. A primeira vítima desse paulistano discreto e reservado foi a própria empregada. O ator estava em casa, testando as próteses dentárias e as lentes de contato que deveria usar em cena, quando uma desavisada Dora resolveu aparecer.

Aos 30 anos, ele ressalva que não tem nada em comum com o personagem. Nem mesmo a sedução. De parecido, só o fato de ambos serem notívagos. “Aproveito minhas noites de insônia para decorar falas, fazer ensaios, estudar personagens... À noite sou mais criativo do que de dia”, afirma.

O vampiro da trama de Antônio Calmon, porém, não é o primeiro personagem do mal na galeria de Gabriel. Ele interpretou o inescrupuloso Olavo Ferraz de Anjo Mau, o mulherengo Augusto Neves de Terra Nostra e o trapaceiro Guilherme Nunes de Estrela-Guia.

Filho da atriz Regina Braga e do diretor teatral Celso Nunes, Gabriel não arrisca um palpite para explicar sua quase vocação cênica para a maldade. “Sempre gostei dos personagens que fiz na TV, mas o Victor me chama a atenção por ser diferente: o vampiro é sedutor, tem poder e é eterno...”.

TV PRESS – O Victor, de O Beijo do Vampiro, não é o primeiro personagem do mal que você interpreta na TV. A que você atribui isso?
GABRIEL BRAGA NUNES – Sinceramente, eu não sei, mas já havia me perguntado isso. Todos os que fiz até agora tinham um traço de desajuste moral. O Victor, porém, não tem disso. Ele é perfeito dentro da maldade que se propõe a fazer. Já os outros apresentavam algum deslize de personalidade. Alguns deles até que não eram necessariamente maus. Como o Augusto de Terra Nostra. Ele era um político íntegro que defendia o direito das mulheres. Infelizmente, tinha um fraco por italianas.

TV PRESS - Você não tem vontade de interpretar um tipo heróico de vez em quando?
GABRIEL - Sim. Morro de vontade de fazer um mocinho, um herói ou, quem sabe, um galã nos moldes tradicionais. Falo assim porque o Victor segue um padrão de comportamento que lembra muito o dos galãs. O Victor não titubeia quando vai dar um beijo na boca da Lara (Déborah Secco). Ele sabe o que quer, vai lá e dá. Isso é uma marca dos galãs – essa mistura de elegância com virilidade.

TV PRESS - Qual foi sua maior preocupação na hora de compor essa autêntica “criatura das trevas”?
GABRIEL - Eu não precisei quebrar muito a cabeça para compor o Victor. Ele tem uma história tão bem construída que eu posso me dar ao luxo de relaxar, ficar tranqüilo. A história já conduz o personagem por si só. Entre outras coisas, o Victor exerce bastante poder sobre as pessoas. Se eu começasse a tirar onda, poderia até enfraquecê-lo. Geralmente, as pessoas que têm muito poder não precisam demonstrar.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;