Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Caixa oferece R$ 550 mi para crédito habitacional

Do montante, R$ 450 milhões destinam-se à pessoa física e R$ 100 milhões à empresas da construção civil


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

07/01/2009 | 07:00


Consumidores e construtoras do Grande ABC terão à disposição pela Caixa Econômica Federal R$ 550 milhões em financiamento habitacional em 2009. Do montante, R$ 450 milhões destinam-se à pessoa física e R$ 100 milhões para as empresas do ramo da construção civil.

No ano passado, o valor oferecido inicialmente foi quase 30% inferior: R$ 430 milhões. Entretanto, 2008 foi encerrado com R$ 530 milhões injetados no setor imobiliário. Se até o mês de outubro todos os recurso disponíveis são utilizados, é possível remanejar de outros setores.

O objetivo é aquecer o mercado, que promete desacelerar neste ano em comparação com o ano passado em virtude da crise financeira internacional. "As pessoas estão cada vez mais preocupadas com seu emprego e, portanto, a procura por imóveis vem diminuindo desde outubro. Com um aumento da oferta de financiamento, acredito que possamos manter um número de vendas que, embora não seja o obtido em 2008, não será tão ruim", diz Milton Bigucci, presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC).

Para 2009, a Caixa reduziu suas taxas de juros no financiamento habitacional. Cobra atualmente entre 4,5% e 8% ao mês para empréstimos com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e de 8,5% a 10,5% com verba do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo).

José Antônio Lucas de Oliveira, gerente regional de construção civil da Caixa, lembra, entretanto, que "podem financiar com recursos do FGTS apenas quem for comprar imóveis que custem no máximo R$ 130 mil". Os juros são menores justamente para favorecer quem tiver salários mais baixos.

Com mais dinheiro disponível para empréstimo na aquisição da casa própria, Oliveira estima que o número de financiamentos aumente pelo menos 20% em 2009.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caixa oferece R$ 550 mi para crédito habitacional

Do montante, R$ 450 milhões destinam-se à pessoa física e R$ 100 milhões à empresas da construção civil

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

07/01/2009 | 07:00


Consumidores e construtoras do Grande ABC terão à disposição pela Caixa Econômica Federal R$ 550 milhões em financiamento habitacional em 2009. Do montante, R$ 450 milhões destinam-se à pessoa física e R$ 100 milhões para as empresas do ramo da construção civil.

No ano passado, o valor oferecido inicialmente foi quase 30% inferior: R$ 430 milhões. Entretanto, 2008 foi encerrado com R$ 530 milhões injetados no setor imobiliário. Se até o mês de outubro todos os recurso disponíveis são utilizados, é possível remanejar de outros setores.

O objetivo é aquecer o mercado, que promete desacelerar neste ano em comparação com o ano passado em virtude da crise financeira internacional. "As pessoas estão cada vez mais preocupadas com seu emprego e, portanto, a procura por imóveis vem diminuindo desde outubro. Com um aumento da oferta de financiamento, acredito que possamos manter um número de vendas que, embora não seja o obtido em 2008, não será tão ruim", diz Milton Bigucci, presidente da Acigabc (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC).

Para 2009, a Caixa reduziu suas taxas de juros no financiamento habitacional. Cobra atualmente entre 4,5% e 8% ao mês para empréstimos com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e de 8,5% a 10,5% com verba do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo).

José Antônio Lucas de Oliveira, gerente regional de construção civil da Caixa, lembra, entretanto, que "podem financiar com recursos do FGTS apenas quem for comprar imóveis que custem no máximo R$ 130 mil". Os juros são menores justamente para favorecer quem tiver salários mais baixos.

Com mais dinheiro disponível para empréstimo na aquisição da casa própria, Oliveira estima que o número de financiamentos aumente pelo menos 20% em 2009.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;