Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Falsificado se confunde com original


Danilo Angrimani
Do Diário do Grande ABC

24/07/2005 | 07:57


O diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Roberto Giannetti da Fonseca, diz que a pirataria tem hoje uma estrutura organizacional tão complexa, de dimensão internacional, que dificulta o combate ao crime. Os produtos, segundo ele, têm tanta sofisticação que alguns deles são confundidos facilmente com os originais. Segundo Fonseca, a mudança mais difícil é a de comportamento do consumidor. Veja abaixo trechos da entrevista.

DIÁRIO – Quais são os danos que os produtos piratas causam à economia brasileira?

ROBERTO GIANETTI DA FONSECA – A pirataria causa diversos prejuízos ao país. O aumento da economia informal implica desvio de impostos e diminuição da arrecadação tributária (o Fórum Nacional de Combate à Pirataria estima que o governo brasileiro deixa de arrecadar R$ 10 bilhões ao ano com a pirataria), aumento das taxas de desemprego (cada emprego na pirataria corresponde a seis desempregados no mercado formal) e subemprego (hoje são cerca de 260 mil pessoas envolvidas no comércio de produtos pirateados). Pelo fato de envolver grande volume de recursos, este mercado também estimula a lavagem de dinheiro e incentiva outras formas de criminalidade, gerando clima de insegurança aos investidores estrangeiros e fuga de capitais, diminuição de recursos destinados à pesquisa e desenvolvimento, bem como prejuízos à produção e disseminação de culturas nacionais.

DIÁRIO – Por que, apesar de constantes medidas repressivas, que incluem instalação de CPIs até a prisão de conhecidos contrabandistas, a venda de produtos piratas continua disseminada por várias cidades e capitais do país? Existiria já uma banalização desse tipo de crime?

FONSECA – A pirataria no Brasil foi por muito tempo negligenciada. Hoje, tomou proporções inestimáveis e possui uma estrutura organizacional complexa, de dimensão internacional, o que torna seu combate uma atividade bastante complicada. Também há de se destacar que a repressão é dificultada em razão da prática já disseminada na população brasileira de consumo de produtos desta categoria. Se há demanda, torna-se mais difícil combater a oferta; daí a importância da conscientização da população com relação aos danos causados por esta atividade ilegal. Várias iniciativas vêm sendo implementadas, seja pelo governo – destaca-se a criação do Conselho Nacional de Combate à Pirataria –, seja pela iniciativa privada – criação de diversas associações e institutos que realizam seminários, campanhas e outras atividades destinadas ao combate à pirataria. A Fiesp, particularmente, tem um posicionamento muito firme com relação ao tema. Desde o início do ano, já realizamos dois seminários de grande porte, tendo inclusive trazido autoridades norte-americanas especializadas nesta questão. Montamos também uma exposição interativa na avenida Paulista, na qual o público, além de tomar consciência dos danos à economia causados pela pirataria, pôde destruir uma série de produtos ilegais. Por fim, fomos uma das únicas instituições a se tornar parte do Painel de Colaboradores do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, no qual teremos a oportunidade de debater e atuar com mais ênfase na defesa do setor produtivo brasileiro.

DIÁRIO – A Fiesp fez recentemente uma exposição de produtos piratas. Quem viu essa mostra percebeu que é muito difícil identificar um produto original do pirata. Quais são os mecanismos de defesa do consumidor neste caso? Como ele pode se certificar que está comprando um produto original e não um pirata?

FONSECA – De fato, a pirataria está tão profissionalizada que é difícil distingüir um produto original de um produto pirateado. Recomenda-se que o consumidor procure comprar produtos em estabelecimentos de sua confiança e busque sempre selos de autenticidade. Porém, a pirataria é tão enraizada que mesmo esses mecanismos não são suficientes para evitar que a população se engane. Neste caso, além de dispor dos mecanismos previstos no Código de Defesa do Consumidor, o cidadão poderá denunciar o estabelecimento à Polícia Federal.

DIÁRIO – Percebe-se que vários segmentos sociais têm aderido à pirataria. Tornou-se comum pessoas de classe média, das classes A e B, comprarem DVD, jogos eletrônicos, programas de computador pirateados. Como mudar este comportamento?

FONSECA – A mudança de comportamento só se dará quando a população tiver consciência de que, ao comprar um produto pirateado, está alimentando a rede do crime organizado, além de estar cometendo crime previsto no Código Penal Brasileiro. Há também de se destacar os riscos a que o consumidor estará sujeito ao adquirir um produto ilegal, como é o caso das tintas tóxicas utilizadas em brinquedos infantis. Ainda, há de se fomentar a idéia de que a defesa da propriedade intelectual, além de ser um reforço no patrimônio das empresas, é também instrumento essencial para a garantia de um comércio justo e equilibrado e para o desenvolvimento de tecnologia em nosso país. Neste sentido, as ações do governo e das entidades privadas engajadas no combate à pirataria devem dar ênfase à vertente educativa, promovendo campanhas de conscientização em nível federal, bem como a inclusão do tema da propriedade intelectual como disciplina dos cursos universitários. Também é essencial informar ao consumidor os riscos da aquisição de produtos não-originais, ou seja, o preço do produto não deve ser o único elemento analisado no momento da compra. Por fim, seria interessante demonstrar ao público como se dá a formação de preços, de forma a tornar claro que a pirataria acaba encarecendo os produtos originais, num ciclo vicioso.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;