Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Aplicar rende mais que comprar carro, diz Fecomercio


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

13/07/2009 | 07:03


Com a redução do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) para veículos, em vigor desde o início do ano, torna-se ainda maior a tentação de trocar de carro ou comprar o primeiro automóvel. Como geralmente essas compras são feitas por impulso, ou mesmo por necessidade, dificilmente se tem o valor parcial ou total do preço do veículo.

Como já é sabido, mesmo os juros estando em torno de 1,5% ao mês, o prazo do financiamento é cada vez mais longo. O resultado é que se acaba pagando quase duas vezes o valor do automóvel à vista.

Estudo da Fecomercio apontou que para um carro de R$ 50 mil parcelado em cinco anos os juros somam R$ 20 mil. Se o consumidor aplicar na poupança, com rentabilidade de 0,3% já descontada a inflação, a entrada - cerca de R$ 10 mil - e o valor das parcelas pagas durante 60 meses - em torno de R$ 1.106 - , seria gerado saldo de R$ 78 mil ao final do período.

"Se um jovem de 20 anos poupar por cinco anos, ao final do período, além de comprar um carro de R$ 50 mil à vista, teria adicional de R$ 28 mil que poderiam continuar aplicados. Repetindo essa fórmula até os 65 anos, o adicional seria de R$ 592 mil", afirmou o economista da Fecomercio, Fábio Pina.

Na hipótese desse jovem continuar aplicando dessa maneira, aos 65 anos ele teria adquirido nove automóveis por R$ 450 mil (um carro de R$ 50 mil a cada cinco anos) e somado R$ 592 mil.

CULTURAL - No entanto, é difícil encontrar quem consiga juntar dinheiro para comprar um carro à vista, seja por falta de paciência em poupar ou por dificuldades financeiras. "Muitas vezes começa-se a poupar, mas surge alguma dificuldade que força a pessoa a sacar o dinheiro da poupança", afirmou o professor de teoria econômica da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marcos Antonio Biffi.

Para ele, isso também deve-se à questão cultural. "Em alguns países da Europa, não se compra um carro zero sem ter a casa própria. Aqui, há muita gente com carro novo e pagando aluguel", opinou.

Para Biffi, um automóvel é objeto de desejo que geralmente as pessoas querem ‘consumir no ato', sendo muitas das compras feitas por impulso. Prova disso foi o recorde de vendas de veículos em junho, quando ainda não havia sido anunciada a prorrogação do benefício do IPI.

Segundo a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), em plena crise econômica foram vendidas 300 mil unidades, montante 17,2% superior ao ano passado, quando a economia estava à pleno vapor.

Na avaliação de João Eloi Olenke, diretor técnico do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), a redução proporcionada pelo benefício do IPI é pequena. "Atinge, no máximo R$ 1.500 para veículos populares. As pessoas compram mais por conta da forte propaganda."

Como aliado, há o financiamento facilitado. "Dificilmente a classe média compra algo à vista. Nem uma geladeira de R$ 2 mil. São poucos os que têm condições, caso das classes A e parte da B. A cada 10 pessoas, somente uma consegue pagar à vista", afirmou Olenke.

O parcelamento de bens muitas vezes é necessário, mas deve-se entender o lado negativo. "Em cinco anos, um veículo é bastante depreciado. Com uma inflação média de 5% ao ano, ao final do período a descapitalização será de 25%." Ou seja. se o valor do automóvel for R$ 20 mil à vista, em 60 meses o comprador à prazo terá pago cerca de R$ 30 mil e o veículo valerá em torno de R$ 15 mil.

VALE ESPERAR - O jornalista Marcelo Galli, de 28 anos, comprou em abril de 2008 seu primeiro carro. No entanto, desde novembro de 2006 ele aplicava R$ 500 por mês. "Juntei R$ 4.500 em um ano e meio. Aproveitei também que tinha saído do emprego e somando tudo obtive R$ 10 mil."

Galli comprou um Ford Ka ano 1998 por R$ 13,5 mil. Para isso, pediu emprestado ao pai R$ 2,5 mil e negociou desconto de R$ 1.000.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;