Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Estado ameaça ir à Justiça por aula presencial dia 1º

Divulgação/Governo do Estado Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cidades do Grande ABC decidiram por meio do Consórcio retomar atividades apenas a partir de 18 de fevereir


Bia Moço
Miriam Gimenes
Do Diário do Grande ABC

14/01/2021 | 00:01


A decisão anunciada terça-feira pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC de não iniciar as aulas presenciais gradativamente a partir do dia 1º de fevereiro, conforme decreto estadual, não agradou o secretário de Educação do Estado, Rossieli Soares, que afirmou ontem que, se preciso, acionará a Justiça para que os municípios da região sigam a determinação do Estado. Os prefeitos do Grande ABC, porém, descartaram recuar da decisão de reabrir as escolas privadas no dia 18 de fevereiro e as públicas em 1º de março.

“A educação precisa ser prioridade. Quando se estabelece que a escola municipal vai fechar é preciso ter uma justificativa epidemiológica. Apenas dizer que depende da vacinação não é epidemiológico. Estamos abertos para manter o diálogo, mas, se for necessário, vamos judicializar o caso”, afirmou Rossieli, criticando ainda a forma como os prefeitos deliberaram as datas. “Qual a justificativa para começar as escolas particulares primeiro e as públicas depois? O que me parece é que não há preparação para retomada”, questionou o secretário estadual.

A decisão tomada de forma coletiva pelos prefeitos está condicionada ao cumprimento do calendário de vacinação contra a Covid, que está prevista para começar no dia 25. Paulo Serra (PSDB), prefeito de Santo André e presidente do Consórcio, disse que as datas de reabertura das escolas podem sofrer alterações caso a vacinação seja postergada. 

Durante a coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, na Capital, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, lembrou que ontem houve reunião para discutir a situação com os prefeitos e secretários de Educação de todo Estado. “Vamos dialogar com todos, inclusive com os do Grande ABC, e estamos confiantes no convencimento”, disse.

Paulo Serra, por sua vez, se pronunciou quanto à fala de Rossieli, afirmando que as cidades da região não vão voltar atrás na decisão das datas, além de lamentar que o Consórcio não foi procurado para diálogo por parte da Secretaria da Educação do Estado. “As datas estão mantidas para proteção da nossa gente e para que não se corra o risco que as aulas comecem e tenham de ser interrompidas, como vimos acontecer na Europa, e na cidade de Nova York (nos Estados Unidos)”, explicou o presidente do Consórcio, reforçando que o modelo adotado no Grande ABC visa “não trazer prejuízo pedagógico”, sobretudo para as crianças.

“Lamentamos que não houve diálogo com a Secretaria de Educação estadual. O Consórcio não foi procurado, mas, mesmo assim, estamos à disposição para dialogar”, anunciou Paulo Serra.

FORA DE HORA

Enquanto os governos estadual e municipal divergem em relação à data para retomada das aulas presenciais, o médico e consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), Leonardo Weissmann, destaca que o momento de alta não é ideal para discussão.

“O número de casos não para de crescer. Existe um risco grande de as crianças se infectarem e adoecerem, além de levar o vírus para casa e transmitir às pessoas com quem convivem. Não é o melhor momento para <CF51>(voltar)</CF> aulas presenciais”, avalia o especialista.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estado ameaça ir à Justiça por aula presencial dia 1º

Cidades do Grande ABC decidiram por meio do Consórcio retomar atividades apenas a partir de 18 de fevereir

Bia Moço
Miriam Gimenes
Do Diário do Grande ABC

14/01/2021 | 00:01


A decisão anunciada terça-feira pelo Consórcio Intermunicipal do Grande ABC de não iniciar as aulas presenciais gradativamente a partir do dia 1º de fevereiro, conforme decreto estadual, não agradou o secretário de Educação do Estado, Rossieli Soares, que afirmou ontem que, se preciso, acionará a Justiça para que os municípios da região sigam a determinação do Estado. Os prefeitos do Grande ABC, porém, descartaram recuar da decisão de reabrir as escolas privadas no dia 18 de fevereiro e as públicas em 1º de março.

“A educação precisa ser prioridade. Quando se estabelece que a escola municipal vai fechar é preciso ter uma justificativa epidemiológica. Apenas dizer que depende da vacinação não é epidemiológico. Estamos abertos para manter o diálogo, mas, se for necessário, vamos judicializar o caso”, afirmou Rossieli, criticando ainda a forma como os prefeitos deliberaram as datas. “Qual a justificativa para começar as escolas particulares primeiro e as públicas depois? O que me parece é que não há preparação para retomada”, questionou o secretário estadual.

A decisão tomada de forma coletiva pelos prefeitos está condicionada ao cumprimento do calendário de vacinação contra a Covid, que está prevista para começar no dia 25. Paulo Serra (PSDB), prefeito de Santo André e presidente do Consórcio, disse que as datas de reabertura das escolas podem sofrer alterações caso a vacinação seja postergada. 

Durante a coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, na Capital, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, lembrou que ontem houve reunião para discutir a situação com os prefeitos e secretários de Educação de todo Estado. “Vamos dialogar com todos, inclusive com os do Grande ABC, e estamos confiantes no convencimento”, disse.

Paulo Serra, por sua vez, se pronunciou quanto à fala de Rossieli, afirmando que as cidades da região não vão voltar atrás na decisão das datas, além de lamentar que o Consórcio não foi procurado para diálogo por parte da Secretaria da Educação do Estado. “As datas estão mantidas para proteção da nossa gente e para que não se corra o risco que as aulas comecem e tenham de ser interrompidas, como vimos acontecer na Europa, e na cidade de Nova York (nos Estados Unidos)”, explicou o presidente do Consórcio, reforçando que o modelo adotado no Grande ABC visa “não trazer prejuízo pedagógico”, sobretudo para as crianças.

“Lamentamos que não houve diálogo com a Secretaria de Educação estadual. O Consórcio não foi procurado, mas, mesmo assim, estamos à disposição para dialogar”, anunciou Paulo Serra.

FORA DE HORA

Enquanto os governos estadual e municipal divergem em relação à data para retomada das aulas presenciais, o médico e consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), Leonardo Weissmann, destaca que o momento de alta não é ideal para discussão.

“O número de casos não para de crescer. Existe um risco grande de as crianças se infectarem e adoecerem, além de levar o vírus para casa e transmitir às pessoas com quem convivem. Não é o melhor momento para <CF51>(voltar)</CF> aulas presenciais”, avalia o especialista.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;