Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Vereadores já estão de olho em 2006


Arthur Lopez
Do Diário do Grande ABC

12/06/2005 | 09:13


Pelo menos 33% dos vereadores do Grande ABC devem retornar à briga pelo voto nas próximas eleições. Dos 106 parlamentares da região, que mal acabaram de contar os votos do último pleito, 35 garantem que são candidatos a deputado, estão disponíveis para um chamado do partido, discutem a possibilidade com as bases ou ainda aguardam a definição do apoio de um cacique local antes de se declarar candidato.

Alguns nomes circulam apenas nos bastidores das Câmaras, mas outros, mais ostensivos, saúdam o ano de 2006 nas paredes dos gabinetes. Nenhum, no entanto, admite que vai só marcar presença. Por enquanto, o discurso mais corrente é “entrar na disputa para ganhar”, mas também já está de volta “a importância do voto nos representantes da região”.

As duas maiores cidades são as que apresentam mais candidatos a candidatos saídos das Câmaras. Em Santo André, oito vereadores deverão entrar na disputa, alguns sem saber ainda se a deputado federal ou estadual. O mais declarado é João Raposo (PV), que já iniciou o ano e o atual mandato com a sugestiva inscrição “Feliz 2006” pintada na parede de vidro de seu gabinete.

Ao seu lado, o colega de partido Donizete Pereira admite que faz reuniões com seu grupo de apoio para consolidar a candidatura a deputado estadual. Admite atravessar fronteiras para cidades vizinhas e zona Leste da Capital. “Não é uma proposta individual, é um grupo que articula a candidatura. O Grande ABC tem potencial para ser representado por 20 deputados”, diz.

A preocupação de Sargento Juliano (PMDB), que vai repetir a tentativa a deputado estadual de 2002, quando atingiu 20 mil votos, é o lançamento de candidaturas só para marcar posição ou com vistas a uma futura negociação política. Para ele, esses chamados pára-quedistas prejudicam quem está concorrendo com chances de representar a região na Assembléia ou no Congresso. “Favorece apenas quem vem de fora e consegue votos aqui”, reclama.

Tanto Juliano quanto o presidente da Câmara de Santo André, Luiz Zacarias (PL), acham que é cedo ainda para discutir a participação no pleito do ano que vem. No entanto, trabalham em busca de apoios. O liberal garante que tem legenda assegurada para concorrer a estadual.

O único petista da Câmara andreense que admite ser candidato é Jurandir Gallo. Ele diz que há muito balão de ensaio entre os vereadores sobre esse tema, só para analisar as possibilidades de uma possível candidatura, mas assegura que não é o seu caso. “Se o Movimento Estadual da Habitação decidir pela minha participação, eu irei. Deveremos ter dois concorrentes na Assembléia e um para a Câmara dos Deputados, em Brasília”, explica, afirmando que seu nome é cotado para disputar uma vaga de deputado estadual.

Outro candidato assumido é o pedetista Carlos Ferreira, que admite ir buscar eleitores fora da região para atingir a meta de 55 mil votos a deputado estadual. O mesmo posto deverá ser concorrido pelo recordista de votos em Santo André, Aidan Ravin, também do PDT. “Saio a deputado estadual ou federal”, afirma .

Secretários – A outra cidade com mais vereadores possíveis candidatos é São Bernardo, também com oito pretendentes. Nos bastidores da Prefeitura especula-se que os vereadores tucanos licenciados para assumirem os cargos de secretários, como Admir Ferro (Ações Voltadas à Comunidade) e Hiroyuki Minami (Planejamento e Tecnologia da Informação), estudam a possibilidade de disputar a eleição.

Da Câmara, podem sair outros seis nomes: Alex Manente (PPS), Névio da Estância (PSB), José Walter Tavares (PL), Carlos Maciel (PSDB), Wagner Lino (PT) e José Ferreira (PT). Manente e os petistas são prováveis candidatos a deputado estadual e os demais, a federal.

Movimentação – Em São Caetano, Gilberto Costa (sem partido) garante que fará sua estréia no páreo com o objetivo de trocar a tribuna da região pela de Brasília. Os outros nomes que circulam pelos bastidores são Ângelo Pavin (PPS), Moacyr Rodrigues (PMDB), Horácio Neto (PT) e o presidente da Casa, Paulo Bottura (PTB).

Soldados – Apontado por colegas da Câmara como um dos prováveis candidatos a deputado de Diadema, o vereador Laercio Soares (PCdoB), diz que não tem interesse pessoal pela disputa. O comunista alega não ter condições estruturais para bancar uma campanha necessária a eleger um deputado. “Se o PCdoB precisar que eu saia para marcar posição na cidade, eu vou, sou um soldado do partido”, afirma Soares.

Mais candidata do que nunca, a vereadora Maria Aparecida Ferreira, a Cida (PMDB), diz que vai seguir a decisão do partido.

À escolha – Em Ribeirão Pires, o presidente da Câmara, Saulo Benevides (PTB), além de José Vicente de Abreu (PRP) e Edinaldo de Meneses (PDT) aguardam apoio do prefeito para confirmarem a candidatura.

Nenhum dos vereadores recentemente eleitos em Rio Grande da Serra foi seduzido a entrar na disputa de 2006. A cidade tem 30 mil eleitores.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;